24/04/2016

RICHARD LYONS - CANCER IS STUPID

Richard Lyons with the 1968 Estus Pirkle LP "If Footmen Tire You What Will Horses Do?," which he purchased at the Pleasant Hill Salvation Army in 1982. Samples from this became the 1987 Negativland track "Christianity Is Stupid," with a video version by Negativland made in 2004.

On their Facebook page, Negativland posted a warm, richly detailed eulogy about Lyons titled CANCER IS STUPID (a twist on the group's "Christianity Is Stupid" track).

 Why? I’ve got several dozens of records like this. So many, in fact, that they’ve grown to have their own section of my collection. I’m just about ready to split that section into a section of what’s going to happen when the communists take over records. Why is this one so special? Never mind that it’s currently going for a pretty penny on record auction sites. It’s the reason it is that makes it so special. It’s not only record that spawned the equally batshit crazy Ron Ormand film of the same name (go Google it. We’ll wait.).

 It’s also the record from which Negativland sampled from to create the classic track from their best-selling LP Escape From Noise, Christianity Is Stupid, immortalizing Rev. Pirkle forever. In it, Pirkle can be heard entoning ‘Christianity is stupid! Communism is good! Give up!’ over and over, backed by a martial industrial, metallic beat. It got a lot of airplay on college radio. Maybe it’s the first thing you heard by them. It’s probably the closest the band’s ever had to a hit record until the U2/Casey Kasem debacle. I know I put it on a lot of mix tapes for friends for many years in the 80s.

Earlier in the day, Richard had a lively birthday party at his skilled nursing facility, where he was receiving palliative care. Present were current and founding members of Negativland, satellite Negativland members and friends, as well as other current and former members of the group appearing simultaneously on various speaker phones and digital devices. With photos being taken of people taking photos of phones, phone speakers going right and left (with a dog barking on one of them), and some new age harp being played, the afternoon felt like an Actual Negativland Performance for the ages. David “The Weatherman” Wills led the group in singing the now-public-domain “Happy Birthday" (see below for link).

Richard’s mother Evelyn called in a bit later, and her voice was the last he heard before dying. An on duty nurse commented that "I hope when I go that my last day is as good as his was." Known for his role in finding the Estus W. Pirkle LP sampled in Negativland's 1987 "Christianity Is Stupid" track (and, in turn, originating the idea of Negativland’s ax murder hoax), and for taking the wrecking yard photos that inspired the 2002 Negativland project "Deathsentences of the Polished and Structurally Weak," he was also known for such darkly funny and contrarian alter egos as his has-been radio personality Dick Vaughn, righteous religious preacher Pastor Dick, ace used car salesmen Dick Goodbody, master debater Dick Bush, good Christian lady Marsha Turnblatt and crazed DJ Jack Diekobisc (pronounced Dickobitch). His “actions” on our Over the Edge radio show became the stuff of legend, crafting such memorable events as the 1982 “format change” to an all-1970s-nostalgia station (documented on our “Dick Vaughn’s Moribund Music of the ‘70s” release) and a disastrous “live broadcast” from a Walnut Creek bowling alley on Thanksgiving, 2001 (soon to be released on CD as “Ultimate Pinsmack”).

His last weeks at the skilled nursing facility were spent with many visits and calls from friends, lots of Boston Cream Pies, watching 70s car commercials and old episodes of Match Game, being interviewed for a documentary film currently being made about the group (everyone there that day gathered 'round his bed to sing his "Nesbitt's Lime Soda Song" to him), and working on new hand made covers for an upcoming re-issue of Negativland's first LP from 1980. He kept an online station tuned to an all-70s-hits-all-the-time station, and when he finally was unable to speak, he was still tapping his fingers to the music.

RICHARD LYONS +MARK HOSLER+ DAVID WILLS

Formed in the San Francisco area, Negativland originally revolved around the talents of Mark Hosler and Richard Lyons, (aka Pastor Dick) multi-instrumentalists with an ear for tape manipulation of all sorts.

Their inspired stroke of genius was to recruit David Wills, more famously known as the Weatherman in later years, to make up the original trio.
Wills, a cable TV repairman by trade, was just as obsessed with home recording and experimentation as the other two, and his wry, drawling vocals became the core trademark for many of Negativland’s most notorious releases.

 Working with a few guests such as Peter Daytonon guitar, the trio released its debut self-titled release in 1980, notable as much for its packaging (each album featured individually wallpapered covers) as for its fragmented songs and textures. Apparently, the still-teenage Hosler wanted it completed in part so he could feel he had accomplished something by the time he graduated from high school, a reasonable enough goal.

Released in 1981, Points featured the same general lineup, with a new notable guest performer being Ian Allen, credited with tape processing on one track. However, an even more important bond was made that year — the recruitment of Don Joyce.

Joyce had started a free-form radio show, Over the Edge, on the Bay Area’s KPFA station that also explored fried humor and social commentary much like Negativland itself. As a result, Hosler and company appeared one day on the show shortly after it began, and since then Joyce has not only been the only constant member of Negativland aside from Hosler, but Over the Edge has become the regular sonic testing ground for most of the band’s releases, still running strong after 20 years.

R.I.P. PRINCE

Will Smith foi uma das muitas personalidades a escrever sobre a morte de Prince. O actor e cantor tinha falado com Prince na quarta-feira, dia anterior à morte. «Estou chocado e destroçado», começou por escrever. «Falei com ele ontem à noite [quarta-feira]. Hoje, estou de luto pela perda de um lindo poeta, de uma verdadeira inspiração e um dos mais magníficos artistas que já pisou a Terra», recordou.

Will Smith lembrou Prince como uma das grandes inspirações.

 Amiga e cúmplice, Ana Moura recordou Prince nas redes sociais. «A primeira vez que te vi, demonstraste tanta humildade e gratidão. Mesmo depois de todo este tempo, não mudaste nem um bocado. Mesmo agora, sempre que penso em ti, o que vem à mente é «graça», a qual nos mostra que és uma verdadeira rainha- orgulhoso em dizer desde o início... Eu sabia desde sempre."

Pela primeira vez na minha vida, estou a fazer por sentir essa gratidão que ele dizia sentir em mim e dessa força. «A música ajuda» Dizia-me ele e eu preciso tanto que isso seja verdade agora. Tenho um concerto esta noite e, sinceramente, não sei o que tenho para dar. Se ele estivesse aqui diria: «Vais fazer esse concerto!».

Tudo o que posso dizer é que vou tentar. Isto tudo é tão difícil de aceitar. Ele sempre foi capaz de fazer o que realmente quis. Tudo era possível para ele. E eu queria tanto que ele pudesse consegui-lo só mais uma vez...E o sorriso nesta foto voltaria novamente, significaria que ele estaria do outro lado da câmara», pode ler-se.

 O texto é acompanhado por uma foto tirada por Prince a Ana Moura. O manager Vasco Sacramento também escreveu sobre a relação entre os dois: «Foram 7 maravilhosos anos a acompanhar o Mestre e a sua Musa. Muitas aventuras. O primeiro concerto em Paris, os outros todos onde ele esteve (Turim, Budapeste, New Bedford, Minneapolis, San Francisco e a insuspeita Gafanha da Nazaré), a loucura da primeira visita a Lisboa com o Bairro Alto virado do avesso, o primeiro telefonema que me fez por causa do Super Bock Super Rock (estava em Varsóvia com 15 graus negativos.

A Ana disse-me que ele me ia ligar. Fui para a rua falar para me concentrar. Saí sem casaco tais eram os nervos. Com o frio mal conseguia articular uma frase). As visitas que fez à Ana em Los Angeles durante a gravação dos dois últimos discos. O terror da logística para fazer a Ana chegar a Paisley Park a tempo de participar nas suas lendárias jam sessions. No início sentia que ele desconfiava de mim. Eu era o manager.

O rosto da indústria. Eu morria de medo e de admiração por ele. Também desconfiava um bocadinho dele. A minha missão é proteger sempre a Ana. Ele adorava o Paulo Marques. A entrega sem limites do Paulo comove toda a gente. E essencialmente adorava a Ana. Era a musa dele. A Voz dela prendia-o. A Humanidade Maior da Ana libertava-o. Passou a amar Portugal por causa dela. O Mundo inteiro conhecia o Prince, mas acho que houve um Mundo que o Prince só conheceu através da Ana».

Um vídeo inedito da after party do 40º aniversário do Saturday Night Live com a participação de Prince chegou à Internet.

R.I.P. RICHARD LYONS - NEGATIVLAND


O membro fundador dos Negativland, Richard Lyons, morreu na passada terça-feira, no dia do seu aniversario e com a mesma idade de Prince, 57 anos.

Lyons foi vítima de um melanoma nodular, um tumor maligno da pele.

Em 2015, a banda já tinha perdido Ian Allen e Don Joyce. No Facebook os Negativland deixaram o seu tributo a Lyons.

A banda, conhecida por ter editado na histórica SST e por ter parodiado os U2 quando assinou um disco com o nome dos irlandeses, vai agora continuar como um trio. Os concertos serão retomados já em Maio.

Eu vi o concerto dos Negativland a 18 Maio, 2008, no Museu Arte Contemporânea de Serralves.

Rádio Universitária do Minho (RUM), Rádio Zero e Rádio Universidade de Coimbra (RUC)
 PERFORMANCE / RÁDIO “IT’S ALL IN YOUR HEAD FM” NEGATIVLAND

Conhecidos e polémicos os ‘culture jammers’ norte-americanos Negativland têm vindo a desenvolver, desde os anos 80, uma linha de trabalho onde os sons e imagens encontrados e capturados aos ‘mass media’ e posteriormente editados, rearranjados e transformados das mais variadas formas, são centrais na realização e veiculação das suas posições enquanto artistas.
Destacam-se álbuns como “Escape From Noise”, “Helter Stupid”, “U2”, o livro/CD “Fair Use: The Story Of The Letter U And The Numeral 2” (sobre o caso que opôs em tribunal o grupo à editora Island, sobre direitos de propriedade intelectual), e o programa de rádio “Over The Edge”.

Em “It’s All In Your Head FM”, esta estratégia é usada na construção de um documentário-colagem no formato de programa de rádio onde são levantadas questões relativas à religião (Deus, a fé,…) e às crenças do mundo nos nossos dias.

Ciclo DOCUMENTE-SE! Reflexões sobre o social, foi um conjunto de eventos que tiveram lugar na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e no Auditório de Serralves.

No Anfiteatro Nobre da Faculdade de Letras da Universidade do Porto - CONFERÊNCIA MARK HOSLER

Mark Hosler, membro fundador e um dos líderes dos Negativland, colectivo experimental norte-americano conhecido pelas colagens musicais onde, apropriando-se e rearranjando fragmentos retirados da indústria cultural de massas e corporativa, tece a crítica a essa mesma indústria e cultura, numa estratégia que o grupo denominou por “culture jamming”.

Como membro deste colectivo, Hosler escreveu ensaios e artigos para publicações como a "Billboard" ou a "NYU Law Commentator" e profere regularmente conferências, com especial incidência na necessidade de reforma da política do ‘copyright’ na sociedade e cultura dos nossos dias.

Lyons faleceu no dia de seu aniversário, 19 de abril, de complicações devido ao melanoma nodular, um câncer que ele lutou por mais de 12 anos. De acordo com um post na página oficial do Facebook do Negativland, o câncer havia retornado recentemente e levou a tumores inoperáveis ​​em Lyons, coluna, fígado e cérebro. O posto também afirma que Lyons morreu "pacificamente e sem dor", rodeado por outros membros dos Negativland depois de uma festa de aniversário em sua instalação de enfermagem, onde ele estava recebendo cuidados paliativos.

Lyons ficou prolífica até o fim. De acordo com a banda, passou os seus últimos dias trabalhando em novas capas feitas à mão para uma futura reedição de 1980 LP de estreia de Negativland. Ele também foi entrevistado para um documentário sobre o grupo, que está atualmente em produção.


Um músico insaciável e artista, Lyons era conhecido por seus pseudônimos e alter egos que variam da personalidade no rádio de Dick Vaughn para pregador Pastor Dick. 


As suas numerosas contribuições para o legado dos  Negativland incluem, o LP "Estus W. Pirkle", o infame sampler do tema  “Christianity Is Stupid” 1987.

Lyons também foi responsável pela emissão de um falso comunicado de imprensa alegando que a canção tinha desempenhado um papel na vida real no assassinato á machadada de David Brom com 16 anos da família Rochester, do Minnesota.Em 2001, Lyons liderou a memoravel e desastrosa transmissão de rádio de uma pista de bowling Walnut Creek (mais tarde lançado em CD como Ultimate Pinsmack), também tirou muitas fotos que inspiraram o álbum dos Negativland de 2002, Deathsentences of the Polished and Structurally Weak.

Nascido em 1959, em Castro Valley, Califórnia, Lyons é o terceiro membro dos Negativland morrer no ano passado. Don Joyce e ex-membro Ian Allen também faleceram recentemente. Apesar disso, Negativland vão avançar com planos para uma série de apresentações ao vivo em Maio, bem como "um trio de projetos futuros álbuns."


Lyons é sobrevivido por sua mãe e irmã.

12/03/2016

R.I.P KEITH EMERSON

Keith Emerson, uma das lendas do rock progressivo dos anos 1970 e fundador da banda britânica Emerson, Lake & Palmer (ELP), morreu nesta sexta-feira em Santa Mónica, Los Angeles. O teclista, conhecido pela técnica apurada e prestações exuberantes em concerto, tinha 71 anos. As causas da morte não foram reveladas.

O anúncio do falecimento do músico foi feito pelos seus companheiros nos ELP, o guitarrista Greg Lake e o baterista Carl Palmer, na página da banda no Facebook.

 A nota afirmava: “Lamentamos anunciar que Keith Emerson faleceu na noite passada, na sua casa, em Santa Mónica, Los Angeles, aos 71 anos. Pedimos que respeitem a privacidade e luto dos familiares”.

 Emerson, Lake & Palmer were the quintessential progressive rock band of their time and had filled arenas with fans before ever releasing their first official album.

Back in 1969 Keith Emerson, keyboard virtuoso, was working with the group The Nice and was performing alongside new progressive band King Crimson at the Fillmore West in San Francisco. The bass player for King Crimson, Greg Lake, decided that he and Emerson might create music together and the end result was to conclude the need for a drummer. The new drummer search began with the potential candidate, Mitch Mitchell, who had been the drummer for Jimi Hendrix in his recently folded group The Experience.

The audition was proposed yet never occurred and for over forty years fans and journalist continued the audition rumor. Finally, the former manager of Cream, Robert Stigwood, offered the name of Carl Palmer, not yet 20 years old and playing with a group called Atomic Rooster and formerly with The Crazy World of Arthur Brown. Palmer was not enthusiastic about leaving a band he had spent a great amount of effort to help create but he was convinced to join after the experience of playing with Lake and Emerson.

 There were two reasons for the name Emerson, Lake & Palmer, first, to remove the focus on Emerson who had a larger name recognition at the time than the other two and second, to diminish the erroneous idea of being the “new Nice”. The new group performed their first show in Guildhall, Plymouth, on August 23, 1970 and six days later, at the Isle of Wight festival, an appearance that was a monumental event and garnered massive attention for the young musicians. “It was the biggest show any of us had ever done. The next day we were world-famous.” -Greg Lake They had signed a recording contract with Atlantic Records due to the “drawing power as a live band.” Emerson provides the story,”The president of Atlantic, Ahmet Ertegun, tells me the reason he signed us is because we could sell out 20,000-seaters before we even had a record out.

That was enough for him to think that a lot of people would go out and buy the record when it did come out.” Emerson, Lake & Palmer, their debut album was released about a month after the astonishing live performances and was mostly a selection of solo pieces. Emerson provide his arrangement of a series of classical pieces(Bach’s French Suite No. 1 in D minor, BWV 812 and Bartok’s ‘Allegro Barbaro’) along with an original organ/piano piece called the “The Three Fates”. Lake offered two ballads, the first being an extended folky work “Take a Pebble”, and the other, “Lucky Man”, a song he wrote at the age of twelve on his very first guitar. Palmer’s contribution was a drum solo called “Tank”. Due to Lake’s “Lucky Man”, the album received inordinate radio airplay and combined with the Isle of Wight performance, it became a surprise hit in America and soon their commercial success was rapidly producing international acclaim.

 The only competition remotely close to this level of achievement was their come-lately future rivals progressive rock band Yes. The signature styles of Emerson, Lake & Palmer were nailed down as progressive rock, symphonic rock and art rock and variations therein.

The music was loud and bombastic, often gloomy as far as lyrical tone follows, and the instrumentation was boundlessly majestical. ELP’s second album was Tarkus, 1971, a story of “reverse evolution” and considered to be their first successful concept album. It showcased a side long song with a variety of hard rock and comic songs, cited as a landmark work in progressive rock. Eight months later they released their third ELP album Trilogy, 1972, and manifested a distinctly mellow acoustic ballad, “From the Beginning”, that became the band’s only Top 40 single in the U.S.A. At this point the group focus was directed on international touring.

In 1973, ELP formed their own record label, Manticore, and purchased a cinema to use for their rehearsals and subsequently released what was to become their most well known studio album, Brain Salad Surgery. This collection was considered their most ambitious album yet. It was one of the first recordings to use synthesised percussion in the form of pick-ups fitted on an acoustic drum kit that triggered electronic sounds. The soon to follow tours were documented on an expansive three album live recording Welcome Back My Friends to the Show That Never Ends. ELP was almost tied with Led Zeppelin for highest grossing live band in the world near the end of 1974.

Knowing that what goes up must come down, the pendulum would soon swing toward the mirror of ELP’s success. The band had become so extravagant by 1975 and after the tours concluded in 1978, the band was no longer the “darling” they had been for the public or the critics. Emerson conceded the loss of millions of dollars during their last musical projects and stated, they(Lake and Palmer)still blame him for it, “you and your bloody orchestra”.

 What ever the blame the gentlemen had an extraordinary run of success and achievement and are wise to be grateful for the time they were “THE” international Super Group for Progressive Rock. In the mid 1980’s the band tried a new ELP as Emerson, Lake & Powell, this drummer was former Rainbow and session musician Cozy Powell. Although the group was still outstanding as performers, the original rise to fame would not be the same path for this second incarnation.

R.I.P. NANA VASCONCELOS


R.I.P. NANA VASCONCELOS

Morreu Naná Vasconcelos, um percussionista genial eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo, morre aos 71 anos. Juvenal de Holanda Vasconcelos, mais conhecido como Naná Vasconcelos, morreu na manhã quarta-feira.

O percussionista estava internado em estado grave na Unidade de Tratamento Intensivo do hospital Unimed III, no Recife, desde a segunda-feira, 29 de fevereiro, após passar mal em um show em Salvador. Segundo o jornal Bom Dia Brasil, da rede Globo, ele morreu por complicações de um câncer de pulmão, descoberto em agosto.

No segundo semestre de 2015, Naná Vasconcelos ficou internado mais de 20 dias passando por um tratamento contra o câncer. Ele procurou a emergência do hospital após voltar de uma viagem ao Rio de Janeiro, onde apresentou o show O Bater do Coração. "Pegou todos de surpresa porque ele havia feito um raio-x do pulmão no ano passado e uma revisão geral há dois meses e nada foi encontrado. Foi tudo muito rápido, um susto", ele declarou na época.

Após o período, o percussionista foi liberado e foi otimista. "Eu tenho essa situação, e tenho que enfrentar com força, pensamento positivo. E vou enfrentar com o pensamento de que eu vou chegar lá". Apesar da doença, Naná fez questão de participar da abertura do Carnaval do Recife no Marco Zero este ano. Foi acompanhado por seus 400 batuqueiros.

Naná nasceu Juvenal de Holanda Vasconcelos, no Recife, em 2 de agosto de 1944.
Envolvido desde os 12 anos de idade com música, paixão impulsionada pelos movimentos de maracatu da região, Naná se tornou uma autoridade em instrumentos de percussão. Tanto que ganhou fama mundial na área e se tornou o único brasileiro a conquistar oito prêmios no Grammy, principal honraria da música mundial.

Autodidata, aprendeu a tocar todos os instrumentos de percussão, mas se especializou no berimbau durante os anos 1960, quando se mudou para o Rio de Janeiro, onde a carreira deslanchou. Na época, gravou com nomes como Milton Nascimento e Geraldo Vandré.

Na década de 1970, foi convidado pelo saxofonista de jazz argentino Gato Barbieri para uma turnê internacional. Eles se apresentaram nos Estados Unidos e na Europa, com destaque para o tradicional festival de jazz de Montreux, na Suíça. Naná decidiu ficar em Paris, onde morou por cinco anos e lançou seu primeiro disco Africadeus, em 1971.

Se dividiu entre o Brasil e o mundo até 1986, quando retornou de vez ao país. Durante seu período fora, incrementou o currículo. Trabalhou com músicos como B.B. King, o francês Jean-Luc Ponty, e fez trilhas sonoras de filmes como Procura-se Susan Desesperadamente, estrelado por Madonna, e Down By Law, do controverso cineasta Jim Jarmusch.

No Brasil, durante a década de 1980, passou a explorar a sonoridade de instrumentos eletrônicos, lançou novos discos, se envolveu com festivais de música e ainda colaborou com cantores como Marisa Monte, Caetano Veloso e Mundo Livre S/A.

Entre os anos 1980 e 90, foi eleito dez vezes o melhor percussionista do ano pela revista americana Down Beat, considerada a "bíblia" do jazz e do blues.

O último disco de Naná foi Sinfonia & Batuques, lançado em 2010. O músico deixa duas filhas, Jasmim Azul e Luz Morena.

R.I.P. GEORGE MARTIN 1926-2016

SIR GEORGE MARTIN foi um dos talentos mais criativos da música, produtor musical, arranjador, compositor, engenheiro sonoro, músico e maestro britânico.

Martin acreditava que sem ele os Beatles teriam apresentado um som diferente. O lendário produtor dos Beatles, George Henry Martin, morreu nesta terça-feira aos 90 anos.

O baterista da banda Ringo Starr anunciou, pelo Twitter, em primeira mão, a notícia, que foi logo confirmada pela assessoria de Martin. De acordo com o jornal britânico The Guardian, Adam Sharp, que representa o produtor, afirmou em comunicado que Martin morreu em casa, sem dar detalhes sobre as circunstâncias. "Em uma carreira que durou sete décadas ele foi reconhecido globalmente como um dos talentos mais criativos da música e um cavalheiro até o fim da vida", informa a nota.
The DIED "FIFTH" BEATLE. SIR GEORGE MARTIN foi um dos talentos mais criativos da música, produtor musical, arranjador, compositor, engenheiro sonoro, músico e maestro britânico.
Sir George Martin nasceu em 1926 no norte de Londres. Filho de um carpinteiro, ele estudou na prestigiada escola de música de Ghildhall e tocava oboé nos clubes noturnos. Aos 29 anos foi nomeado diretor da gravadora Parlophone, que em 1962 receberia os rapazes John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr.

Conhecido como o "quinto Beatle", Martin foi o responsável por moldar o som da banda que se tornou uma das mais influentes potências da música. O trabalho com o quarteto fez de Martin um dos produtores mais bem-sucedido da história da indústria fonográfica. Ele foi incluído no Livro de Recordes Guinness por ter colocado mais de 50 discos no topo das paradas só nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha ao longo de cinco décadas.

O músico produziu todos os álbuns dos Beatles, exceto o último, Let It Be, no qual Phil Spector assumiu o papel. Martin tocou em várias canções da banda, como o piano em In My Life. Embora John Lennon tenha minimizado por vezes o papel do produtor, Martin acreditava que sem ele os Beatles teriam apresentado um som diferente. "Sem meus instrumentos e meus arranjos, a maioria dos discos não teria soado da mesma maneira. Se teriam sido melhores, não sei. Não é modéstia de minha parte, tento traçar uma imagem factual da relação com os Beatles", disse Martin em certa ocasião.

Depois que a banda se separou, Martin criou a Air Studios na ilha caribenha de Montserrat, que fechou em 1989 devido aos danos sofridos pelo furacão Hugo. Posteriormente trabalhou com outros artistas, como Bob Dylan, Sting e Elton John.

Também gravou dois discos do ex-Beatle Paul McCartney, Tug of War e Pipes of Peace. Continuou compondo e trabalhando com organizações beneficentes de música até sua morte.

George Raymond Richard Martin, e mais conhecido como George R. R. Martin ou simplesmente GRRM, é um roteirista e escritor de ficção científica, terror e fantasia, Alguns fãs do escritor confundiram-no com George Martin, o produtor dos Beatles,

11/03/2016

TRIBUTE BRUCE GEDULDIG

American artist Bruce Geduldig passed away this week, on his 63rd birthday and in his hometown Sacramento, California.
Known worldwide for his pioneering multimedia work with San Francisco avant-garde music collective Tuxedomoon, who rode out the Reagan years in exile in Brussels, Geduldig also collaborated with Belgian partners on projects spanning the artistic spectrum from music to film to theatre.

Geduldig arrived in Brussels with Tuxedomoon in 1981. His role in the group was primarily visual. While the musicians laboured over their instruments, Geduldig’s video projections bathed the stage in light and colour. And he, with his chiselled sneer and shock of impossibly blond hair, worked the room with an improvised, abstract choreography alternately elegant and absurd.
His contributions to the group’s studio albums were rare but decisive. It is Geduldig’s whistle that opens the celebrated 1985 ballad In a Manner of Speaking.

Tuxedomoon held court in Brussels throughout the decade. Most of his bandmates would relocate in later years but Geduldig remained with his wife, the Belgian artist Bernadette Martou. He complemented his ongoing but increasingly sporadic Tuxedomoon duties with myriad collaborations. There was a chart hit with the gonzo Brussels-based electronic outfit The Weathermen. There were music videos he directed for other artists, including his long-time friends and fellow expatriates Minimal Compact. There was plenty of work - in front of and behind the camera - on television and film productions in Belgium, Luxembourg and the Netherlands.

Seized by wanderlust, Geduldig and Martou left Brussels in 2013. They settled briefly in Portugal before returning to Geduldig’s native soil, where Martou passed away in 2015. The widower spent his last days surrounded by family and friends.
Tuxedomoon issued an official statement describing Geduldig as “a constant feature in the live show, contributing to its unique gesamtkunst presentation” and adding, “We will miss him sorely.”

Tributes
The Bulletin spoke with three Belgian filmmakers who had worked recently with Geduldig. Ghent-based director Kris De Meester cast the actor as one of the lead characters in his 2009 film Four Roses. Geduldig later co-wrote and played a supporting role in De Meester’s Johnny Walker (2015).

“Bruce was a true artist in every sense,” De Meester says. “The way his mind worked, how he looked, how he talked, even how he moved. I was fortunate to work with him on two films. He brought something special every time. He was the kind of artist that hardly needed any direction. He worked with you and created something that was beyond your expectations.”
Brussels-based filmmaker Martine Doyen directed Geduldig in the improvised, low-budget film Tomorrow. A labour of love, the production took years and included impromptu location shoots in Belgium and Tunisia. The film was finally released in 2014.
“Bruce and Bernadette were part of my social circle for years before we worked together,” Doyen says. “I was always struck by his charisma, his humour, his soft-spoken elegance, his spirit and his piercing blue eyes. He had such presence. He embodied everything we had seen and read about the American cultural scene of the 1970s. As an actor, he was every director’s dream: intelligent, open-minded, energetic and willing to improvise. He had a rhythm that kept everyone going.”

'Tremendously impressed'
Flemish choreographer and filmmaker Wim Vandekeybus cast Geduldig as an unhinged game hunter in his 2010 film Monkey Sandwich, which premiered in Brussels before screening at the Venice International Film Festival. Vandekeybus was familiar with Geduldig’s work as a member of Tuxedomoon but the two artists had not previously met. His costume designer facilitated the introduction.

“I was looking for actors who had a good look, a good attitude and who could improvise,” Vandekeybus says. “There was no script whatsoever. I cooked dinner for the actors the night before the shoot and, with everyone gathered, I explained the basic plot. Bruce immediately came up with his character’s entire back story and motivation. He spoke softly but he had everyone in the room rapt. I was tremendously impressed.”

Vandekeybus hoped to bring Geduldig back to Belgium for a new production this year. “I was crushed both as a friend and as a filmmaker when I heard the news of his passing,” he says. “I’m in the process of writing a new movie and I was planning to invite Bruce. I was looking forward to working with him again.”

The Weathermen


The Weathermen are a semi-satirical Belgium-based electronic and pop band.

The Weathermen began as a joke. A couple of Americano-Belgians recorded some music and then sent it to a local record company via the US under the pretence they were a couple of enigmatic Americans trying to invade the European music scene. It worked and they were signed to Play It Again Sam (PIAS) Records who put out their first 12" "Old Friend Sam" in 1985.

They recruited the assistance of Tuxedomoon visual specialist Bruce Geduldig who adopted the alias of Chuck B, a debauched playboy vocalist. He brought even more humour and satire to the already amused Weathermen.The name "The Weathermen" was inspired from a line in famous folk/rock artist, Bob Dylan's song "Subterranean Homesick Blues" in which a line goes "you don't need a weatherman to know which way the wind blows"

More singles followed, moving the band away from alternative dancey electronic music into slightly satirical poppy EBM music, but it wasn't until the 1987 that the song "Poison" brought them real attention. With tracks such as "Punishment Park", the Black Album as a whole was like the soundtrack of a dark and tongue-in-cheek movie, something like the Marx Brothers remixing William Gibson. By this time, the group had slimmed down to 'Chuck' and 'Jimmy-Joe Snark III'; who was actually mild-mannered producer and keyboardist Jean-Marc Lederman who had worked with the likes of Fad Gadget, The The and Kid Montana.
The band continued in the vein of tongue-in-cheek pop, leaving behind their early harder sound, but they failed to repeat the success of "Poison" on a commercial level.

1986 Ten Deadly Kisses /1988 The Black Album According To The Weathermen /1990 Beyond The Beyond /1992 Global 851
In 2001, a Best Of album was almost released by PIAS. Due to frustration and demands from the fanbase and a new generation who had discovered their music through research into other renowned Belgian acts such as Front 242 and A Split-Second, Jimmyjoe Snark III decided to reclaim the album from PIAS and publish it via a website. The only demands made on those downloading it being that they leave a comment in the guestbook. This brought a new legion of fans and enough interest for Jimmy-Joe & Chuck to be thawed out of storage for the creation of some new music.

The album Deeper with The Weathermen was released in 2004, followed by Embedded With The Weathermen in 2006.

In 2007, PIAS released "The Last Communiqué From The Weathermen (?)", a compilation of their work from 1985 till 2006.

In 2010, Infacted Recordings released "Ultimate Poison", a 15 tracks MCD loosely based around Poison and all its remixes, plus some unreleased tracks.

MORREU BRUCE GEDULDIG - TUXEDOMOON

Tuxedomoon’s Bruce Geduldig Dies at the Age of 63.

Bruce Geduldig, a longtime member of the San Francisco experimental synth band Tuxedomoon, died from an ongoing illness on Monday, his 63rd birthday.

Tuxedomoon co-founder Blaine L. Reininger published the news of Geguldig’s death on the band’s website, writing:

    Our erstwhile colleague and collaborator, Bruce Geduldig has died, on the occasion of his 63rd birthday, March 7, 2016. He departed from his home town, Sacramento, California, attended by his family and friends. He had been suffering for many years from liver complaints. We will miss him sorely.

Reininger and Steven Brown started Tuxedmoon in 1977 and Geduldig reportedly joined the band in 1979 to add to the band’s live performances, providing backing vocals and onstage visuals. A video artist, he had been helping Tuxedomoon member and performance artist Winston Tong with multimedia components for his theater shows before he began working with the group.

“From then on, he was a constant feature in the live show, contributing to its unique gesamtkunst presentation,” Reininger wrote.

The band released two EPs and two albums — Half-Mute (1980) and Desire (1981) — on Ralph Records before they, Geduldig included, moved to Brussels; they felt their sound fit better in Europe’s growing electronic music scene.

After releasing five more albums, the band would break up in the ’90s, but reunite less than a decade later for a show in Tel Aviv. Not long after, they would return to recording and playing live. Since 2004, they have released five new albums.

But Tuxedomoon wasn’t Geduldig’s only musical endeavor — he fronted the satirical electronic pop band The Weathermen for many years, releasing several albums and garnering attention with their song “Poison.” Later, Geduldig would start the cabaret jazz-pop group MICRODOT with fellow Tuxedomoon member Luc van Lieshout.

Since 2014, Geduldig had been living in his hometown of Sacramento with his wife, filmmaker Bernadette Martou, who he met while living in Brussels. She died in April of 2015.

tribute to Geduldig by the band Cult With No Name, which features him singing. Cult With No Name collaborated with Geduldig and Tuxedomoon in 2014.

THE RADICAL EYE+ ELTON JOHN+TATE MODERN

A Tate inaugura a exposição "The Radical Eye" em novembro.
Man Ray, Alexander Rodchenko, Andre Kertesz, Walker Evans e Dorothea Lange são alguns dos fotógrafos que vão estar incluídos na exposição The Radical Eye, que a Tate Modern, em Londres, inaugura a 10 de novembro. A exposição com mais de 150 imagens de 60 artistas será criada a partir da vasta coleção de fotografia do músico Elton John.

Refere a galeria que Elton John é o proprietário de "uma das melhores coleções particulares de fotografia". Das cerca de 7 mil imagens, os curadores da exposição escolheram, entre outras coisas, mostrar retratos de algumas figuras centrais da cultura, como Georgia O'Keefe (fotografada por Alfred Stieglitz), Edward Weston (por Tina Modotti), Jean Cocteau (por Berenice Abbott) ou Igor Stravinsky (por Edward Weston). O núcleo maior será de Man Ray - são dele, por exemplo, os retratos de Andre Breton, Max Ernst, enri Matisse, Pablo Picasso e Dora Maar.

ANDY e LARRY WACHOWSKI + LILLY e LANA WACHOWSKI

A dupla de realizadores de "Matrix" passa a ser conhecida como Irmãs Wachowski.
Uma coisa é certa: não haverá mais filmes realizados pelos Irmãos Wachowski, Andy e Larry - a dupla que se tornou conhecida por títulos como Sem Limites (1996), The Matrix (1999).
Depois de, em 2012, Larry, de 50 anos, se ter assumido como transexual, mudando o seu nome para Lana, agora foi a vez de Andy, de 48 anos, se assumir como Lilly.

Em 2012, após alguns anos de boatos, Lana Wachowski, até então conhecida como Larry, foi a primeira das duas irmãs cineastas a anunciar que era uma mulher transgênero. A partir do lançamento do filme “A Viagem”, as duas pararam de ser conhecidas como os “irmãos Wachowski”.

Alguns diretores causam revoluções na sétima arte, mudando conceitos e formas de gravar, enriquecendo a cultura pop de forma única. Os Irmãos Wachowski fazem parte desse selecto grupo de cineasta que contribuíram de forma ímpar.

 Daily Mail: "Eu sabia que, em algum momento, teria que assumir publicamente", disse Wachowski ao de jornal de Chicago Windy City Times. "Quando se vive como transexual é muito difícil escondê-lo. Eu só queria - precisava - de algum tempo para assentar as ideias, sentir-me confortável. Mas aparentemente não posso ser eu a decidir isso."
Lilly Wachowski (antes e depois) decidiu tornar pública a mudança depois de, na segunda-feira, ter sido questionada sobre o assunto por um jornalista do jornal britânico

Quando o jornalista do Daily Mail apareceu em sua casa pedindo-lhe que revelasse a sua verdadeira identidade sexual, Lilly sentiu que estava a ser ameaçada e que o jornal estava a cometer um atentado contra a sua liberdade. Mas percebeu que era o momento certo para falar. "Nós [os transexuais] continuamos a ser demonizados nos media". "Portanto, sim, sou transexual. E, sim, fiz a transição", disse Lilly Wachowski, explicando que já tinha assumido perante a mulher, a família e os amigos.

 A GLAAD - Gay & Lesbian Alliance Against Defamation reagiu ao comunicado de Lilly Wachowski congratulando-se pelo facto de ela "ser agora capaz de assumir a sua verdadeira e autêntica identidade" mas critica o facto de se ter sentido forçada a fazê-lo "antes de se sentir pronta para tal".

Reconhecidamente avessa à exposição, Lilly falou sobre preconceitos. “Ser transgênero não é fácil. Nós vivemos em um mundo com maioria de orientação de gênero binária. Isso significa que quando você é transgênero, você tem que encarar a dura realidade de passar o resto da sua vida em um mundo que é abertamente hostil contra você.”

“Então, é. Eu sou transgênero. E, é, eu passei por minha transição. Eu me assumi para meus amigos e família. A maior parte das pessoas no trabalho também. Todos estão tranquilos com isso. Sim, graças à minha irmã fabulosa eles já passaram por isso antes, mas também porque eles são pessoas fantásticas.

No texto, a directora também agradece ao apoio da esposa, Alicia Blasingame, com quem é casada desde 1991. Sem o amor e o apoio da minha esposa e amigos e família eu não estaria aqui hoje”.

Lilly Wachowski (nascida com o nome Andrew Paul "Andy" Wachowski em 29 de dezembro de 1967) e Lana Wachowski (nascida com o nome Laurence "Larry" Wachowski em 21 de junho de 1965), irmãs transgênero coletivamente conhecidas como The Wachowskis são cineastas, produtoras e roteiristas dos EUA, em Chicago, Illinois.

Lana Wachowski (antes da mudança -era Larry Wachowski)

A dupla trabalhou nos roteiros do filme Assassinos de 1995 (com Sylvester Stallone como protagonista) Antonio Bandeiras e Richard Donner na direção.

Em 1997 os irmãos deram seus primeiros passos como diretores em Ligadas pelo Desejo, filme que apresenta uma temática soft-porn.

A consagração definitiva de Lilly e Lana veio pela trilogia cinematográfica Matrix, sucesso de bilheteira e de crítica. Em 2012 foi lançado "Cloud Atlas" com roteiro/direção/produção delas. O filme foi estrelado por Tom Hanks e conta 6 diferentes histórias que vão desde o século XVIII até um futuro pós-apocalíptico.

 No entanto, a continuidade de Matrix não foi tão bem recebida pelo público. Os filmes seguintes (Reloaded e Revolution) acabaram por se perder em questões filosóficas.
 Nos anos seguintes, eles trabalharam como produtores de algumas obras bem controversas, como na obra V de Vingança, lançada em 2006, que apesar se ser um sucesso, mudou conceitos apresentados por Alan Moore na HQ de mesmo nome, agradando a crítica e incomodando os fãs.

Em 2007, mesmo não sendo creditados, eles escreveram os roteiros de Invasores, remake do filme Vampiros de alma (1956).

Em 2008 a dupla voltou as direções assumindo a responsabilidade de produzir, roteirizar e dirigir a adaptação do anime Speed Racer.  O filme teve vários problemas, inclusive com o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) por conta de um incidente com um dos chimpanzés usados no filme. O chimpanzé foi sacrificado após morder um actor. O filme não foi bem recebido pelo público e pela crítica, tendo uma bilheteira modesta.

Um ano após todos os problemas, eles voltam a trabalhar como produtores em parceria com o diretor de V de Vingança James Mcteigue, no filme Ninja Assassino (2009)

Em 2014 lançaram do filme Jupiter Ascending, primeira criação original da dupla desde Matrix, que iria se tornar uma trilogia, mas foi um fracasso e não terá continuação; e no ano seguinte, fizeram sua estreia no Netflix com a série Sense8, cujo enredo foca em 8 pessoas bem diferentes ao redor do mundo que compartilham uma violenta visão telepática e se conectam a partir desse evento.

17/01/2016

DAVID BOWIE GALAXIA



Um grupo de astrónomos belgas decidiu homenagear David Bowie com a atribuição do nome de uma constelação formada por sete estrelas e tendo o formato do icónico raio que Bowie mostra em Aladdin Sane foi já registada pelos astrónomos. O pedido partiu da rádio belga Studio Brussels, em colaboração com o observatório MIRA, depois de ter sido criado um website especial, intitulado Stardust For Bowie, para que os fãs do músico possam juntar a sua canção preferida a uma das estrelas.

R.I.P. DAVID BOWIE



Depois de quase ter ficado na miséria nos anos 70 e de ter entrado em litígio com a ex-mulher, Angie, por causa da fortuna, David Bowie deixou uma herança avaliada em 180 milhões de euros. O cantor, de 69 anos, determinou em testamento que os seus bens seriam distribuídos pela mulher, Iman Abdulmajid, a filha de ambos, Alexandria, de 15 anos, e pelo filho, Duncan Jones, de 44, nascido do seu primeiro casamento.

Por contabilizar ficam ainda as receitas do último álbum, Blackstar, cujo tema de apresentação, Lazarus, foi lançado na passada sexta-feira, dia 8.
David Bowie morreu no dia 10 de janeiro, após uma luta de 18 meses contra um cancro no fígado. O artista terá sido cremado em Nova Iorque, pouco depois de ter perdido a batalha contra a doença. De acordo com o Daily Mirror, o músico britânico disse à família que apenas queria ser lembrado pela sua música, motivo pelo qual não houve qualquer cerimónia pública ou privada. "Ele quereria desaparecer sem agitação, sem um grande espetáculo, sem estardalhaço. Este seria ao seu estilo. O seu último álbum, Blackstar, foi a sua despedida", refere uma fonte à publicação.

O cancro do fígado, diagnosticado há cerca de 18 meses, foi escondido deliberadamente de amigos e familiares. Fora do círculo mais próximo do músico, eram poucos aqueles que sabiam que David Bowie estava a morrer.

No tema, Lazarus, Bowie canta: “Look up here, I’m in heaven” (“olha cá para cima, estou no céu”).
Lançado dois dias antes de morrer, no dia do seu aniversário (8 de janeiro), o álbum contém músicas que parecem ter sido criadas a pensar numa despedida.

Blackstar, parece ter sido uma pista — na gíria médica, os pontos pretos com que se marcam os pacientes nas sessões de radioterapia chamam-se “black stars” .

DAVID BOWIE DEIXA HERANÇA À MULHER E AOS FILHOS
Uma fortuna avaliada em 180 milhões de euros

06/01/2016

SYD BARRETT - ANNIVERSARY

HAPPY BIRTHDAY Syd Barrett,
Roger Keith Barrett, mais conhecido como Syd Barrett fundador, vocalista, guitarrista e compositor dos Pink Floyd (6-1-1946)

here are its 13 tracks ranked:
1. Dark Globe
2. Octopus
3. Golden Hair
4. If It's In You
5. No Good Trying
6. No Man's Land
7. Late Night
8. Long Gone
9. Terrapin
10. Love You
11. Here I Go
12. Feel
13. She Took A Long Cold Look

At his apogee, Syd unraveled in well-documented fashion, retreating to his Cambridge home where he made art and avoided the fame that would not die.
if you revisit his music, it’s remarkably current, and his influence can be felt in Connan Mockasin, Black Moth Super Rainbow, Holy Shit, Ariel Pink, and even Animal Collective when they’re not too busy with Beach Boys hymns.
BBC Radio 4 to listen to the radio documentary “The Twilight World of Syd Barrett.” And watch Syd playing “Jugband Blues” with Pink Floyd shortly before being kicked out of the group, in which he intones quite hauntingly:

And the sea isn’t green
And I love the queen
And what exactly is a dream
And what exactly is a joke.

The title of Pink Floyd’s first LP “Pipe at the Gates of Dawn” was, in fact, Kenneth Grahame "The Wind & the Willows" taken from Chapter 7 of “The Wind & Willows,” when Rat and Mole watch as the Moon disappears and a bird begins piping to herald the dawn. Rat says to Mole, “So beautiful and strange and new. Since it was to end so soon, I almost wish I had never heard it. For it has roused a longing in me that is pain, and nothing seems worth while but just to hear that sound once more and go on listening to it for ever. No! There it is again!”

R.I.P. PIERRE BOULEZ

R.I,P, PIERRE BOULEZ

Pierre Boulez / Frank Zappa
Boulez Conducts Zappa: The Perfect Strange,1984

Having recorded some works with a large orchestra in January 1983, in January 1984, Frank Zappa arranged for some of his chamber works to be performed by Pierre Boulez's Ensemble InterContemporain, a 16-piece group. "The Perfect Stranger," "Naval Aviation In Art?," and "Dupree's Paradise" were given this treatment, and the four remaining tracks are the product of Zappa's music synthesizer, the Synclavier. As usual, Zappa's "serious" works are rhythmically interesting and make for challenging listening. Originally released on LP on the classical Angel/EMI label, this album was reissued on CD on Zappa's Barking Pumpkin label in 1992, at which time he resequenced it.

R.I.P. PIERRE BOULEZ


R.I.P. PIERRE BOULEZ

 O maestro e compositor de música clássica francês Pierre Boulez, 90 anos, faleceu em Baden-Baden, Alemanha, onde morava, anunciou sua família em um comunicado nesta quarta-feira. "Para todos os que o trataram e puderam apreciar sua energia criativa, sua exigência artística, sua disponibilidade e sua generosidade, sua presença continuará sendo viva e intensa", afirmou um comunicado da família difundido pela Filarmônica de Paris, fundada por ele. Boulez morreu na noite de terça-feira.

01/01/2016

R.I.P. NATALIE COLE

Cantora soul Natalie Cole morreu hoje aos 65 anos de insuficiência cardíaca congestiva após complicações depois de ter feito um transplante de rim. A cantora sofria ainda de Hepatite C, que lhe foi diagnosticada em 2008.
Filha e herdeira musical de Nat King Cole, a cantora morreu na véspera de Ano Novo em Los Angeles. Natalie Cole e o prémio Grammy que recebeu por Still Unforgettable em 2009, um dueto virtual com o pai, que morreu antes da filha ter começado a carreira a solo. A voz da cantora foi remasterizada com a do pai.
O álbum "Unforgettable... With Love" vendeu 14 milhões de cópias em todo o mundo.Natalie Cole ganhou nove prémios GRAMMY.
Natalie perdeu o pai aos 15 anos, casou 3 vezes e teve um filho. Uma vida marcada pela luta contra a dependência de drogas e álcool.
Há uns anos anunciou na televisão, no programa de Larry King, que tinha contraído hepatite C e, por isso, teria de fazer hemodiálise até ao fim da sua vida caso não se submetesse a um transplante.
Nessa altura Natalie Cole explicou que a doença se devia a anos de uso de heroína, LSD e cocaína. Imediatamente começaram a surgir ofertas de fãs que lhe queriam doar rins. Em 2009 conseguiu fazer um transplante.
A última vez que apareceu em palco foi em junho de 2014 na celebração do 80º aniversário do Apollo Theatre, em Nova Iorque.

R.I.P. LEMMY - MOTORHEAD

O rock está de luto: morreu o inglês Lemmy Kilmister, líder, cantor e baixista dos Motörhead desde os anos 1970.

Lemmy, nome artístico de Ian Fraiser Kilmister, também conhecido por Ian Fraiser Willis e Lemmy the Lurch.

O empresário Todd Singerman, dos Motorhead deu alguns detalhes sobre a doença que terminou por levar Lemmy: "Ninguém imaginava. Soubemos no sábado que ele tinha câncer, e o médico disse que ele tinha dois a seis meses de vida. Ele morreu enquanto eu fazia ligações para Phil [Campbell] e Mikkey [Dee] dizendo a eles para virem dar um último adeus, enquanto ele ainda estava fisicamente bem. Ele estava triste. Ele não queria morrer daquele jeito."

Lemmy foi levado ao hospital pouco depois de sua festa de 70 anos no Whiskey A Go Go, no dia 13 passado. Ele estava com problemas na voz e havia desconfiança de um pequeno AVC. Por via das dúvidas os médicos pediram uma tomografia de corpo inteiro. O procedimento encontrou tumores no seu cérebro e pescoço.

Singerman disse que o diagnóstico de câncer pegou a todos de surpresa: "Era a última coisa que pensávamos que ele teria. Quando você pensa sobre isso, ele esteve em todos os médicos e hospitais ao redor do mundo e ninguém encontrou isso. Foi um grande choque.”

Sobre o estilo de vida de Lemmy, Singerman diz que ele fazia Keith Richards parecer uma menininha: "Envolvia meio galão de Jack Daniel por dia, dois ou três maços de cigarro e outras coisinhas que ele adorava. E era todo dia. Recentemente ele tinha trocado o whiskey por vodka com suco de laranja e é difícil de imaginar mas ele considerava que era uma escolha mais saudável.”

O que me choca e a todo mundo: ele passou por mil médicos e hospitais ao redor do mundo, mas ninguém detectou isso', diz Singerman. 'Receber a notícia que você tem câncer terminal após todos os hemogramas que ele fez na vida e tudo mais? É muito difícil engolir isso. Não deram chance alguma a ele. Foi na lata: 'Você não tem mais do que seis meses. ''

Um médico visitou o músico no começo do dia da segunda-feira, 28 de dezembro. Ozzy ficou de vir no mesmo dia ou no dia seguinte.

Lemmy passou horas no vídeo game, com Mikael Maglieri, o dono do Rainbow do lado. Lemmy então cochilou e nunca mais acordou.
'Mikael me ligou para dizer, 'meu deus, ele acaba de morrer na minha frente'', conta Singerman.



Logo após o anúncio da morte do vocalista, Ozzy Osbourne, outra lenda do rock, publicou seu lamento no Facebook. "Perdi um dos meus melhores amigos hoje", disse. Lemmy morreu em casa, na companhia de familiares. Sua morte ocorreu pouco mais de um mês do falecimento de outro integrante da banda. Em 11 de novembro, o baterista Philthy Animal apelido de Phil Taylor - morreu aos 61 anos.

[…]
Lemmy Kilmister faleceu na última segunda-feira, 28 de dezembro, aos 70 anos.

Motörhead (1975 – 2015), 
Hawkwind (1972 – 1975), 
The Head Cat (2000 – 2015), 

Sam Gopal (1968 – 1969)

20/12/2015

Drowned in Sound Albums of the Year 2015

DIS’ ALBUMS OF THE YEAR: 2015
 1) Father John Misty I Love You, Honeybear (Bella Union)
 2) Kendrick Lamar To Pimp A Butterfly (Interscope)
 3) Björk Vulnicura (One Little Indian)
 4) Wolf Alice My Love Is Cool (Dirty Hit)
 5) Sufjan Stevens Carrie & Lowell (Asthmatic Kitty)
 6) Carly Rae Jepsen E-MO-TION (Interscope/Polydor)
 7) Joanna Newsom Divers (Drag City)
 8) Braids Deep In The Iris (Arbutus/Full Time Hobby)
 9) Sleater-Kinney No Cities Left To Love (Sub Pop)
 10) Jenny Hval Apocalypse, girl (Sacred Bones)
 11) Viet Cong Viet Cong (Jagjaguar)
 12) Charli XCX Sucker (Atlantic)
 13) Blur The Magic Whip (Parlophone)
 14) Kathryn Joseph Bones You’ve Thrown Me and Blood I’ve Spilled (Hits The Fan)
 15) Lana Del Rey Honeymoon (Polydor)
 16) Low Ones and Sixes (Sub Pop)
 17) Nils Frahm Solo (Erased Tapes)
 18) The Lucid Dream The Lucid Dream (Holy Are You)
 19) Young Fathers White Men Are Black Men Too (Big Dada)
 20) Laura Marling Short Movie (Virgin)

FESTIVAL REVERENCE VALADA 2016

Reverence Valada 2016 já tem os seus primeiros nomes,Killing Joke e Silver Apples, Ozric Tentacles, With The Dead, Yawning Man, Space Ritual, Papir, Paper Moon Sessions, Farflung, Radar Men From The Moon, Zone Six e Øresund Space Collective, haverá mais Os bilhetes para o festival encontram à venda,o passe de três dias custa 50 euros se for comprado agora e até ao final do ano.

VIOLENT FEMMES

16 anos depois do seu último trabalho, o nono álbum Freak Magnet, 2000, a banda de Milwaukee regressa aos álbuns em 2016, com a edição de We Can Do Anything. A banda havia cessado atividade em 2009, tendo-se reunido pela segunda vez em 2013, quando atuaram no festival de Coachella. Gordon Gano, vocalista da banda, disse que as canções deste novo álbum foram resgatadas a velhas maquetas e diários, casos de, por exemplo, "Big Car" e "I Could Be Anything", dois dos temas aqui presentes. "What You Really Mean", outra das canções do disco, é uma versão de uma canção de Cyhthia Gayneau, irmã de Gano.

21/09/2015

DR. FEELGOOD


Dr. Feelgood Let It Roll, 1979

MOTLEY CRUE


Dr. Feelgood is the fifth studio album by the American heavy metal band Mötley Crüe, released on September 1, 1989. This was the last album to feature Vince Neil on vocals until his return for the Generation Swine album in 1997.

DNA


CHEAP TRICK

"And there's music playing
But I can't hear a sound
Just the sound of the rain
Falling silently down"

Cheap Trick
Ghost Town / Wrong Side of Love (1988)
 [Single]

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails