30/09/2010

R.I.P. TONY CURTIS

Lendario actor Tony Curtis morreu de paragem cardíaca, ontem quarta-feira em sua casa, na área de Las Vegas. O actor que cresceu pobre no Bronx, chegou a Hollywood em 1948 como desconhecido Bernie Schwartz,e tornou-se numa estrela de cinema e televisão. Tinha 85 anos. Muitos vão sempre se lembrar de Tony Curtis,um músico a correr na sua obra cómica em 1959, "Some Like It Hot, com Jack Lemmon e Marilyn Monroe, ou a sua obra dramática em 1958 The Defiant Ones, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Actor há frente de Sidney Poitier.O actor deixa duas filhas, Kelly e a actriz Jamie Lee Curtis.Talvez se ele não tivesse sido tão boa aparência e se tornar um ídolo adolescente nos dias de Hollywood Dream Factory, ele teria sido levado mais a sério como actor. (Quem pode esquecer Curtis divertido como um escravo em 1960, Spartacus, com o seu pesado sotaque do Bronx. Mas Curtis também adorava o seu estrelato: ele foi casado 6 vezes, a mais famosa Janet Leigh. (A actriz Jamie Lee Curtis é sua filha.). Estranhamente, a nossa geração conheceram melhor como o epítome de uma celebridade "Stony Curtis" em Os Flintstones. Mesmo nos anos mais tarde, quando o cinema tinha dado tudo, encontrou trabalho na televisão e, em seguida, começou a vender sua arte.

FLINSTONES

Google amanheceu nesta quinta-feira com um Doodle (logomarca comemorativa da página de busca) em homenagem aos 50 anos dos Flintstones. A página inicial exibe o logo comemorativo. Desenho animado foi criado em 1960 por William Hanna e Joseph Barbera, e o primeiro a ser exibido em horário nobre, já que era voltado para o público adulto - uma novidade na época.

A primeira temporada teve 166 episódios. Mas o sucesso foi tanto que a série gerou diversos especiais, versões, filmes para TV e novas temporadas, sendo a última produzida em 1996.

Fred Flintstones e sua família mexem com a imaginação de milhares de pessoas em todo o mundo há 50 anos.

Exibido pela primeira vez no dia 30 de Setembro de 1960 pela rede americana ABC, retrata o dia a dia de uma família de classe média que vive na idade da pedra.

Apesar do período pré-histórico, Fred, Wilma, Barney e companhia fazem uso de artigos do mundo moderno, como telefone, carro, televisão e até do jogo de boliche.

Criado pela dupla William Hanna e Joseph Barbera, o desenho animado foi parar nas telas de cinema em 1994, com o actor John Goodman interpretando Fred e Rick Moranis.

A música de abertura que todos conhecem até hoje "Meet the Flintstones" foi ao ar pela primeira vez na 3ª temporada, em 1965, o autor é Hoyt Curtin.

A primeira música de abertura era a instrumental 'Rise and Shine', também de Curtin.

29/09/2010

BORIS VIAN

«Sexualmente, quer dizer com a minha alma», escreveu Vian. A liberdade de amar sob todas as formas, de o dizer sem falsos artifícios; a liberdade da dimensão carnal do amor, que revela as suas luzes e sombras.

50 anos depois da sua morte, a primeira tradução portuguesa de Escritos Pornográficos. Boris Vian, o alquimista da linguagem e das formas, passou como um meteorito no meio do século XX, deixando um rastro ofuscante, enigmático e inspirador - que nunca se apagará.

28/09/2010

3 ANIVERSARIO DO MARCAS CARDEAIS


Happy Birthday !!!!!!!!!! Happy Birthday !!!!!!!!!!!!! Happy Birthday !!!!!!!!!

Sempre precisamos de um pouco de atenção, e da partilha das palavras, de imagens, sons, mensagens e momentos positivos, fazem deste meu refúgio, o contacto do que eu sou. "E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU.

Há muitos anos me pergunto quem eu sou. Quanto mais me esforço para saber quem sou ...
Mais noto que mudo a cada dia ..

Sou um eterno aprendiz que tenta entender quem sou. E há muitos anos me pergunto quem sou eu. Mas quanto mais me pergunto, menos sei,..... só sei do que não gosto.


36 meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.

A todos os que por cá passam e que gostam de me "ler", só posso dizer OBRIGADA.

THE BEST of The RADIO TOKYO TAPES

Various - The Best Of The Radio Tokyo Tapes, 1987, vinyl.
Label: Chameleon Records


A1 Minutemen, The* - I Felt Like A Gringo
A2 Long Ryders, The - Still Get By
A3 Alisa - Silent Scream
A4 Savage Republic - Mobilization
A5 Animal Dance - Under Pulse
A6 Linda J. Albertano* - S.O.S.
A7 Three O'Clock, The - All In Good Time
A8 100 Flowers - The Long Arm Of The Social Sciences
A9 Bay Of Pigs - The Fat Lady Sings
B1 Shadow Minstrels - Oh Senorita
B2 Phranc - My Favorite Women
B3 17 Pygmies - Chameleon
B4 Bangles, The* - No Mag Commercial
B5 Beef Sisters, The - The Hermit
B6 Rain Parade - Saturday Asylum
B7 Wednesday Week - I Hate Lying To Mom
B8 Pop Art - In My Hands
B9 Fibonaccis* - Purple Haze

27/09/2010

SNAKEFINGER and THE VESTAL VIRGINS

Snakefinger's Vestal Virgins - There's No Justice In Life.

Snakefinger morreu de ataque cardíaco enquanto andava em turnê pela Europa com a sua banda The Vestal Virgins, e no mesmo dia foi lançado o single " Não há Justiça na Vida " do album "Night Of Desirable Objects".

O album também tem uma cover de Miles Davis, "Move" que aparece em "Birth of the Cool", e "8 1/4" uma versão inspirada e adaptada do tema de Nino Rota para " 8 1/2".

STEPHEN JONES aka BABY BYRD + THOMAS BEATIE


Baby Bird começou como o pseudónimo de Stephen Jones, um prolífico cantor e compositor britânico, iniciou a sua carreira actuando como membro da troupe "anti-theater", chamada Dogs in Honey. Depois de comprar uma máquina de quatro pistas, começou a fazer as suas primeiras gravações lo-fi caseiras, ao longo dos anos, escreveu cerca de 400 eclécticas canções pop, variando de conteúdo, surreal, narrativas cómicas, para meditações intensamente pessoais.

Por insistência de amigos, Jones enviou fitas como Baby Bird para as discográficas, mas a sua música foi categoricamente rejeitada, no entanto, a Chrysalis Music, ofereceu-lhe um acordo de publicação, que Jones aceitou.


Thomas Beatie, um transexual norte-americano, está prestes a tornar-se no primeiro homem a dar à luz. Perante a incapacidade da sua mulher em engravidar, Thomas sujeitou-se a uma inseminação artifical e está já no quinto mês de gravidez.

O testemunho de Thomas Beatie surge nas páginas da revista "The Advocate", dirigida à comunidade homossexual. Beatie nasceu mulher, até que há alguns anos se submeteu a uma operação de mudança de sexo e iniciou um terapia hormonal. Os órgãos reprodutores femininos mantiveram-se.

Perante a incapacidade da mulher, com quem vive há 10 anos, em engravidar depois de uma histerectomia por motivos de doença, Beatie decidiu interromper a terapia hormonal com testosterona e responder ao apelo da maternidade.

Graças à inseminação artificial e a um banco de esperma, o que parecia impossível tornou-se realidade. Apesar, inclusive, da supresa dos familiares e das objecções de alguns médicos.

THE RESIDENTS

MIKE KARN - tributo há doença

Uma demonstração de respeito, amor e graça - uma homenagem a Mick Karn

. ....a show of love, respect & grace - a tribute to Mick Karn, será lançado digitalmente a 28 de Setembro, apresenta dezasseis faixas cativantes de um conjunto de artistas de renome determinados a pagar a dívida artística que eles sentem para Mick.

"Mick Karn foi uma enorme influência sobre o meu corpo inteiro de trabalho, tanto no Japan como artista a solo", explica o compositor italiano, músico, arquitecto sonoro Eraldo Bernocchi, que ajudou a reunir colaboradores para ... show de amor , respeito e graça. "Ajudá-lo num momento como este é uma forma de lhe agradecer por tudo o que ele fez com a música. É um gesto pequeno, mas vem de dentro do meu coração. Quando você ouve a chamada, você deve agir - e rápido. Também .. ". Na verdade, a velocidade com que a colectânea foi montada é espantosa.

Quando lhe pediram para contribuir com uma música, explica Colin Edwin, baixista do grupo de rock progressivo Porcupine Tree " não tive qualquer hesitação em o fazer, tendo sido um fã do original trabalho de Mick durante muitos anos".

Estará disponível no iTunes, Rhapsody, Zune, Amazon, e todos os outros retalhistas digitais.

Também se pode encontrar uma cover de Mick "Ashes to Ashes" de Bowie na Amazon.
http://www.amazon.co.uk/gp/product/B003XNFWZ4/ref=dm_dp_trk28 .

Armando Pugliese dos italianos Prometeus, doou um baixo fretless, que está sendo leiloado no site Nightporter Japão. http://www.nightporter.co.uk/pages/bass_auction.html

Todos escritores, artistas plásticos, músicos,fotógrafos, estão preocupados com a saúde de Mick e muito em particular no tratamento do cancro - os resultados não acontecem de repente.

Graças ao fundo de recurso, Mick e a sua família foram capazes de se deslocar para Londres, onde está sendo tratado. Isso realmente não teria sido possível sem o apoio dos amigos de Mick e todos que contribuíram com dinheiro para o fundo.


Brainkiller - "Michaelsketch"
Climax Golden Twins - "Crint"
Colin Edwin (Porcupine Tree) - "Plural"
David Torn - "Renaissance Mensch (dt for mk)"
Edward Ka Spel - "Hauptbahnhof"
Elijah B Torn - "what"
Eraldo Bernocchi - "Dreamt Of Dreaming"
Eraldo Bernocchi - "The Ship"
Eraldo Bernocchi - "No Turning Back"
Kllu - "Unthink"
Martin Schulte - "Angels"
Meditronica - "Ki Eshmera Shabbat (Gaudi Remix)"
Peter Gannon (Calla) - "For MK"
The Mantra Above The Spotless Melt Moon - "Blanca"
The Mantra Above The Spotless Melt Moon - "The Ship"
Witchman (featuring Rosanne) - "No More"

MIKE KARN + PETER MURPHY

Em 1984, o vocalista do Bauhaus, Peter Murphy e o baixista Mick Karn dos Japan, dois maiores estilistas britânicos da era new wave, foram grande novidade entre os seguidores de ambas as bandas unindo forças no grupo Dali´s Car, despejando melodias cheio de atmosfera e ambiente. Depois do álbum de estréia, The Waking Hour, no entanto, Dali's Car foi desmontado; Karn e Murphy seguiram caminhos separados e nada de novo se ouviu ... até agora.

Murphy anunciou que ele e Karn se iriam reunir para um novo Dali´s Car, finalmente, 26 anos após a estréia. Depois de terminar a sua turnê a solo, Murphy diz que ele estar junto com Karn para escrever e gravar canções para um novo álbum. Parte da história de fundo aqui não é tão feliz- verifica-se que Karn recentemente foi-lhe diagnosticado de cancro, e, aparentemente, num estado avançado. Embora Murphy não tenha feito qualquer declaração sobre a doença de Karn, parece pelo menos possível que foi motivado a rever a sua parceria com Karn pela possibilidade desagradável que as suas oportunidades de o fazer podem ser limitados.

Enquanto se está esperando para os frutos da reunião Dalis Car, porém, podem fazer a vossa/ nossa parte para a causa, contribuindo para um fundo sobre o tratamento do baixista no site de Mike Karn.

MIKE KARN - biografia

Nascido 24 de julho de 1958, em Chipre, Mick Karn estudou primeiramente instrumentos de madeira e sopro, como clarinete e bassoon. No entanto, é a sua voz e baixo fretless altamente distintivo para o qual ele é mais conhecido, uma honra colocá-lo ao lado de Jaco Pastorius. De acordo com Karn, o baixo passava despercebido e a sua missão era obtê-lo notado. Mesmo em gravações antigas dos Japan, o seu baixo pode ser ouvido.

No seu canto de cisne, Tin Drum, em 1981, foi apelidado como um dos melhores baixistas do mundo. Ele já havia fornecido o seu baixo e o sax para o álbum de Gary Numan, Dance e foi o primeiro membro do Japan com um disco a solo - Títles. Em 1983, o álbum ao vivo do Japan, Oil on Canvas,( o primeiro album que comprei deles)trouxe a sua maneira de tocar para os ouvidos da lenda do jazz Jan Garberek.

No ano seguinte, trouxe uma colaboração improvável com Peter Murphy dos Bauhaus. The Waking Hour Dalis Car's novamente a solo e a parceria com o amigo Steve Jansen para produzir Dreams of Reason Produce Monsters. Sessão de trabalho com Kate Bush e Joan Armatrading e esforço de Karn a solo, pouco distantes entre si, e com estranho título e textura (Beard in the Letter Box, Plaster the Magic Tongue).

O início dos anos 90 viu um Karn mais prolífico que formaram a label Medium com Jansen e Richard Barbieri. Aos três se juntou o guitarrista David Torn para produzir seus melhores trabalhos: Bestial Cluster (1993) e The Tooth Mother(1995). Entre estes um projecto experimental, Polytown, com Torn e o baterista Terry Bozzio. Karn encontrou tempo para o seu trabalho de escultura e passar um tempo sabático em São Francisco, finalmente, teve mais álbum a caminho, Each Eye a Path ...

MIKE KARN

Nascido no Chipre, é famoso por ter integrado a banda Japan junto com os irmãos David Sylvian(voz) e Steve Jansen(bateria), e o tecladista Richard Barbieri.
Mick possui vários álbuns solo e em colaboração com artistas de renome como Terry Bozzio e Kate Bush.
Durante toda a carreira, Karn usou baixos Wal fretless.

Seu estilo é único, com levadas pouco convencionais que mesclam o papel rítmico com um forte caráter melódico. Explora muito as técnicas específicas do baixo fretless com glissandos e vibratos bastante expressivos.Durante as gravações com o Japan ele gravava duas vezes a linha de baixo, uma em cada canal.
Discos a solo "The Tooth Mother" (1995) "Bestial Cluster" (1993) e "Each Eye a Path" e o disco "Begining to Melt" com Jansen e Barbieri, são recomendáveis.

DALI´S CAR + BRIAN ENO

Peter Murphy (vocais)o ex-Japan Mick Karn, (baixo, teclado, guitarra, saxofone) e Paul Vincent Lawford (ritmos), editaram Dali’s Car em 1984, com o título The Waking Hour. O álbum, de composições à base de teclado e baixo, foi um fracasso comercial e financeiro. Previsto para custar 20.000 libras, ascendeu ao dobro. A sua gravação foi efectuada em circunstâncias peculiares dado que, tanto Murphy como Karn, poucas vezes se encontraram antes de entrarem em estúdio, preferindo antes trabalhar separadamente; o resultado foi um choque de personalidades e o fim da banda.

Brian Eno Dali's Car , Bootleg / Unauthorized,1994

26/09/2010

Steve Jansen / Richard Barbieri / Mick Karn

Steve Jansen / Richard Barbieri / Mick Karn) Beginning to Melt

Mick Karn/David Torn/Terry Bozzio

O ex-Japan Mick Karn, junto com o guitarrista David Torn e o batería Terry Bozzio (colaborador de Fank Zappa e fundador dos Missing Persons)em 1994 realizaram Polytown, um disco instrumental.

TULI KUPFERBERG

Greenwich Village, poeta e scenester Tuli Kupferberg que morreu aos 86 anos, um dos lendários membros fundadores do rock/poesia dos anos 60, da banda The Fugs (que são mais falados hoje do que ouvidos) também era muito querido por ser divertido, despretensioso e acessível nas ruas de Nova York através de várias gerações.

Tuli foi imortalizado como um personagem de Howl de Allen Ginsberg (foi a pessoa mencionada em Howl, que saltou de uma ponte (saiu em Manhattan, não em Brooklyn, e sobreviveu). No entanto, escreveu um livro chamado "1001 Ways To Live Without Working ", e viveu com ética até o fim.

J. D. SALINGER

Jerome David Salinger (nascido em 01 de Janeiro de 1919) é um autor americano, mais conhecido pelo seu romance de 1951 O Apanhador no Campo de Centeio, bem como de sua natureza reclusa. Ele não publicou um novo trabalho desde 1965.

Residente em Manhattan, Nova York, Salinger começou a escrever histórias curtas, enquanto no ensino secundário, e publicou várias histórias no início dos anos 1940 antes de servir na Segunda Guerra Mundial. Em 1948 publica a história aclamada pela crítica "A Perfect Day for Bananafish" no The New Yorker.

Em 1941, Salinger começou a namorar Oona O'Neill, filha do dramaturgo Eugene O'Neill. O relacionamento terminou quando Oona começou a ver Charlie Chaplin,com quem acabou por se casar em Junho de 1943, apesar da diferença de idade de 36 anos (Chaplin tinha 54 anos e O'Neill tinha 18 anos.). No final de 1941, Salinger trabalhou brevemente num navio cruzeiro pelo Caribe, servindo como um director de actividade e, eventualmente, como um performer .

WILLIAM S. BURROUGHS + THE SOFT MACHINE

Soft Machine banda do Reino Unido pioneira do rock psicadélico e jazz uma das principais bandas do movimento musical de Canterbury, com um som muito peculiar, com traços de free jazz, psicadelia e progressivo. Inspirado no livro do escritor beat William S. Burroughs, em 1966 nascia o grupo com Kevin (baixo e voz), Daevid (guitarra e voz), Robert Wyatt (bateria e voz) e Mike Ratledge (teclados).A banda deixou trabalhos clássicos e inesquecíveis com o duplo Three, com apenas quatro faixas, longas. No mesmo ano em que Miles Davis lançava Bitches Brew, cheio de sons africanos. Após um concerto no Royal Albert Hall, o grupo lançou Fourth, em 1971, seguindo a mesma linha de Third, sem vocais. Seria o último disco com o quarteto formado por Wyatt, Hopper, Ratledge e Dean. Robert Wyatt deixou os Soft Machine, entra Phil Howard no seu lugar, mas os Soft perdem todo o seu carisma sem o baterista original.Robert logo formou os Matching Mole.1972, Fifth mais conservador, bem perto da fronteira do jazz-rock em voga nos anos 70,nova baixa, Hugh Hopper deixa a banda.Mas a notícia mais triste aconteceu com um ex-membro: durante uma festa em Londres, no dia 1º de Junho, Robert Wyatt, bêbado, caiu de uma janela do terceiro andar. Wyatt não morreu, mas ficou paraplégico da cintura para baixo. O baterista havia voltado a ser artista solo após sair dos Matching Mole e estava a escrever as canções do sua melhor album, Rock Bottom.No dia 4 de Novembro, os Soft junta-se aos velhos companheiros dos Pink Floyd para uma causa nobre:arranjar fundos para que Robert Wyatt pudesse se tratar. Os dois shows acontecem no Rainbow Theatre, em Londres.

WILLIAM S. BURROUGHS - biografia

William Seward Burroughs era o neto do fundador da empresa Burroughs Adding Machine, que evoluiu para a Burroughs Corporation, e não há muito tempo, se fundiu com Sperry Univac para formar a Unisys.

Burroughs cresceu em St. Louis, onde a sua classe alta Centro-Oeste não se adequar ao seu gosto. Um rato de biblioteca, com fortes impulsos homoeróticos, uma fascinação por armas e crime e uma inclinação natural para quebrar todas as regras que ele poderia encontrar, não parecia haver nenhuma forma de Burroughs se poder encaixar na sociedade normal.Os pais parecem aceitar isso, e depois de se graduar em Harvard, continuaram a apoiá-lo financeiramente, experimentou diversas formas de vida.

Aos trinta anos, viajou para Nova York e decidiu seguir a liberdade unindo-se ao submundo da cidade gangster. Tornou-se um viciado em heroína muito intencionalmente, no processo de reunião o vagabundo drogado protótipo Beat e futuro herói Herbert Huncke. Os seus amigos de St. Louis David Kammerer e Lucien Carr apresentou-o a uma multidão de jovens loucos inconformistas estudavam na Universidade de Columbia, incluindo Allen Ginsberg, Jack Kerouac e a futura esposa, Joan Vollmer Adams. Ele era mais velho, mas eles ficaram impressionados com sua inteligência óbvia e cinismo do mundo. Kerouac descreve-o como "Tall, 6 foot 1, strange, inscrutable because ordinary looking (scrutable), like a shy bank clerk with a patrician thinlipped cold bluelipped face".

Os amigos de Columbia, principalmente Kerouac e Ginsberg, estavam interessados na experimentação do submundo, de Burroughs embora eles não queiram segui-lo para muito longe dele. Kerouac e Ginsberg tinham carreiras para se manterem ocupados a escrever, aos trinta e poucos anos William S. Burroughs ainda não tinha começado a escrever.

Mas todos os que andavam com Ginsberg e Kerouac acabaram escrevendo alguma coisa. Na primeira indiferente a sério os ideais literários, Burroughs escreveu "Junky", autobiografia de uma heroína tingida, e permitiu a Ginsberg arranjara publicar um livro pela Ace Books, dirigido pelo tio de um amigo de Ginsberg, Carl Solomon. Burroughs em seguida um estudo similar sobre a homossexualidade, 'Queer', mas isso foi demais contendo um assunto escabroso e não seria publicado ao longo de décadas.

Por esta altura já tinha Burroughs mudado para leste do Texas para tentar viver como fazendeiro, cultivando laranja, algodão e maconha. Herbert Huncke e Joan Vollmer Adams junta-se a ele, todos viviam juntos num estado miseravel de vício em drogas, durante a execução da fazenda cria dois filhos, um do primeiro casamento de Joana e um filho de Joan e Bill. Kerouac com Neal Cassady e outros,eram visitas, mais tarde descreveu a cena selvagem em On The Road. Perseguido pela lei porque causa das suas actividades nas drogas, Burroughs teve filhos de Joan e vai para o México, e foi lá que cometeu o acto impensado que mudaria a sua vida. Tentando mostrar a sua boa pontaria para um casal de amigos, anunciou que ia fazer o seu acto de Guilherme Tell. Joan colocou um copo na cabeça, e ele a matou com um único tiro.

O seu filho foi morar com os pais de Burroughs, e W. S.Burroughs vagou pelo mundo da América do Sul e foi para Tânger. Vivia em Tânger, enquanto os seus amigos de Nova York estavam se tornando uma sensação popular como "Beat Generation", em primeiro lugar em San Francisco e depois em toda a América e no mundo. Os escritores Paul e Jane Bowles viviam em Tânger também, e Tânger logo se tornou uma fuga literária popular para os novos escritores de celebridades americanas, incluindo Ginsberg e Kerouac. Kerouac não gostava de Tânger, mas foi criticado por uma pilha de bagunças nas histórias de Burroughs. Mas Kerouac sugeriu um nome para a coisa : "Naked Lunch".

"Naked Lunch" de Burroughs é uma celebridade underground, e é considerado o seu melhor trabalho. Ele iria escrever muitos mais livros, peças teatrais, argumentos de filmes e ensaios. Ele passou pela "cut-up" após a fase de "Naked Lunch", durante o qual ele tentou escrever romances com trechos de vários textos. Não é originalmente considerado um dos escritores Beat em tudo (em 1971, Bruce Cook escreveu um importante estudo sobre a Geração Beat em que enumerou os três principais escritores Beat como Kerouac, Ginsberg e Gregory Corso), ele é agora o favorito para alguns, e odiado por muitos mais. Alguns grupos de mulheres acham-no ofensivo (por uma boa razão: ele tem publicado muitas generalizações desagradáveis sobre as mulheres). No início dos anos 90, houve um zine dedicado exclusivamente ás ofensas das mulheres.

O filme "Naked Lunch", dirigido pelo talentoso David Cronenberg, ganhou a Burroughs muita atenção. Ele tem sido citado como uma inspiração de muitos rockers, e a influente banda da cena psicadélica Londrina The Soft Machine e a banda americana dos anos 70 de jazz-rock Steely Dan teve os os seus nomes a partir dos escritos de Burroughs. Em 1992, Kurt Cobain lançou um álbum com Burroughs, 'The Priest They Called Him' no qual toca guitarra sobre a voz falada de Burroughs.E perceber que Burroughs já sobreviveu a Kurt Cobain....

Burroughs está bem representado na internet. Enquanto ele tem uma forte presença literária no mundo Beat, também separadamente como parte da onda de meios filósofos de cultura pop que floresceram nos anos 60, junto com Timothy Leary, Marshall McLuhan, Andy Warhol , Alvin Toffler, etc.

A internet tem uma afinidade natural para estes pensadores mídia consciente, e não é surpreendente ver tantos sites dedicados especialmente a Burroughs.Um tem sido gerido por Malcolm Humes desde 1994. O site Luke Kelly's Big Table, tem algumas coisas sobre Burroughs, incluido baseado na cut-up machine.Também o site do próprio WSB. Todos esses sites tem links para Burroughs, que não há fim.

25/09/2010

BUSTO DE FRANK ZAPPA


Conhecido como um dos mais inovadores astros do rock de todos os tempos, Frank Zappa morreu em 1993, aos 52 anos de cancro na próstata, deixando uma legião de fãs e uma obra única. Americano de Baltimore, Zappa teve muito mais sucesso na Europa, onde até hoje os seus discos a solo, assim como os da sua antiga banda, Mothers of Invention, vendem como água.

Um público eclético de fãs de Frank Zappa- com bigodes em couro, "tie-dye" com barba trançada em máscaras desportivas e coloridos chapéus, reuniram-se no domingo, 19 de Setembro, para testemunhar a inauguração da escultura de Frank Zappa na Highlandtown’s Southeast Anchor Branch of the Enoch Pratt Free Library. Como funcionários públicos preparados para revelar o busto de Zappa, centenas de pessoas circulavam na Conkling Street e Eastern Avenue, sob as árvores enfeitadas com fio dental, uma referência a uma canção de Zappa em avançar para Montana e elevar a cultura do fio dental.

Os fãs a beber cerveja e T-shirts, com frases: “What’s the secret word?” or “Frank Zappa’s not dead; he just smells funny,” ou “Titties and Beer!” quando Pratt Library Executive Director Carla Hayden perguntou quantas pessoas eram de outro lugar, metade da platéia percorreram um longo caminho.

No começo do dia, a viúva de Frank Zappa ,Gail, e três dos seus filhos, Dweezil, Ahmet Emuukha Rodan, e Diva Thin Muffin Pigeen— na rua Creative Alliance at the Patterson responderam a perguntas da platéia.

A cena, alegre surreal nunca teria sido possivel se não fosse a tenacidade de três lituanos e fãs de Frank Zappa, Saulius Paukštys, Saulius Pilinkus, e Arturas Baublys todos comissionaram a escultura original de Zappa que enfeita as ruas de Vilnius, na Lituânia desde 1995. (Zappa, em 1985, testemunhou contra a censura no Capitol Hill, tornou-se um símbolo da liberdade de expressão no antigo bloco soviético). O trio decidiu mais tarde que os Estados Unidos deveria ter a sua própria escultura, e decidiram enviar uma cópia do busto, arranjaram o dinheiro para produzir a réplica. Baltimore foi escolhido porque Zappa nasceu aqui. Na cerimonia de domingo, Paukštys falou brevemente e com entusiasmo, enquanto segurava uma bandeira da Lituânia antes de ceder o palco para o prefeito de Vilnius.

Mas Gail Zappa conseguiu mais aplausos. "Quando eles me perguntaram onde esta estátua devia ser colocada em Baltimore, disse: 'Vamos encontrar uma biblioteca comunitária". "Como Frank Zappa disse:" Se você quer trepar, vá à faculdade. Se você deseja obter uma educação, và a uma biblioteca. "A multidão gritou em delírio.

A Prefeita Stephanie Rawlings-Blake subiu ao palco, "O espírito de Frank Zappa está bem vivo em Baltimore", e proclamar o dia 19 de Setembro de 2010 como Frank Zappa Day in Baltimore.O busto agora enfeita a Enoch Pratt Free Library, livraria em que Zappa, que não teve educação formal em música, fazia as suas pesquisas.

A escolha da data comemora os 25 anos do depoimento de Zappa frente ao senado norte-americano, na qual defendeu o fim das tentativas de censura às editoras e aos artistas.

Então Dweezil Zappa e Plays Zappa tocaram sob o busto de Frank Zappa e o olhar de pessoas de todas as idades e quadrantes que balançavam junto com o virtuoso guitarrista e baterista, com letras como “Ram it up your poop shoot”.

THE DIVINE COMEDY

The Divine Comedy, banda chamber pop da Irlanda do Norte, liderada por Neil Hannon. Formada em 1989, por Hannon, o único membro permanente do grupo. Até o momento, dez álbuns de estúdio foram lançados sob o nome The Divine Comedy. O grupo conseguiu o seu maior sucesso comercial nos anos 1996-99, durante o qual teve nove singles no UK Top 40. O décimo álbum Bang Goes the Knighthood, foi lançado em 31 de Maio de 2010.

Dante Alighieri (Maio / Junho de c.1265 - 14 set 1321), comummente conhecido como Dante, foi um poeta italiano da Idade Média. Nasceu em Florença, morreu e foi sepultado em Ravena. O nome Dante, de acordo com as palavras de Jacopo Alighieri, um hypocorism de Durante. Em documentos da época, é seguido pelo Alagherii patronímico ou de Alagheriis, foi Boccaccio que popularizou o formulário Alighieri.

Divina Comédia, originalmente chamada Commedia pelo autor e posteriormente apelidado de Divina por Boccaccio, é muitas vezes considerada a maior obra literária composta em língua italiana e uma obra-prima da literatura mundial.

Em Itália, é conhecido como "o maior poeta" (Il Poeta Sommo) ou apenas Poeta il. Dante, Petrarca e Boccaccio também são conhecidos como "as três fontes" ou "três coroas". Dante é também chamado o "Pai da língua italiana".

JOHN BONHAM - comemora-se hoje o aniversario da sua morte

O 30 º aniversário da morte de John Bonham é marcado hoje por fãs de todo o mundo. No Key Club em Hollywood, uma variedade de bateristas estarão unidos por John at the ”Bonzo: The Groove Remains The Same” evento que terá a presença de Jason Bonham e Deborah Zoe.

No Reino Unido outros fãs se reunirão em Londres para uma reunião informal para publicação do legado de Bonzo e recordar as memórias e a música que ele tanto contribuiu.

Jason Bonham sobre o seu pensamento deste aniversário, disse: "Não tem como ficar mais fácil com o passar dos anos. Ainda é como um pesadelo e eu queria poder acordar de tudo e ser aquele garoto novamente em casa. A minha família e eu aprecia todo o apoio dos fãs para com o meu pai e sei que o evento do Key Club vai ser muito emocionante, mas vai ser óptimo estar na companhia de tantos bateristas que têm pelo meu pai tal estima ".

Os anos passados desde a sua morte prematura aos 32 anos de idade em 1980, como integrante do talento percussivo, e o impacto global no som único dos Zeppelin só aumentou a sua reputação como um dos melhores bateristas de rock de todos os tempos.

Para quantificar esta afirmação e a celebração da sua vida e legado, o que se segue é uma lista dos seus desempenhos mais notáveis, grandes batidas ... e a perfeição de percussão.

O ano que vem em cada selecção significa o ano em que foi gravado, e não o ano de lançamento.


Hey Joe - Band Of Joy (1967)
* Os vestígios mais antigos gravados de Bonham na adolescência com a Band of Joy e do companheiro Robert Plant.
Good Times Bad Times (1968)
Communication Breakdown ( BBC Session 1969 )
Whole Lotta Love (1969)
Ramble On (1969)
Moby Dick (1969)
We’re Gonna Groove (Live Royal Albert Hall 1970)
Since I’ve Been Loving You (1970)
Poor Tom (1970)
Rock And Roll (1971)
Four Sticks (1971)
When The Levee Breaks (1971)
Dazed And Confused (Live LA Forum 1972)
No Quarter (Live Madison Square Garden 1973)
The Wanton Song (1974)
The Song Remains The Same (Live LA Forum 1977)
Sick Again (Live Knebworth 1979)
Stairway To Heaven (Live in Berlin 1980)

GOD IS MY CO -PILOT

God is My Co-Pilot é um filme de propaganda de 1945 baseado na autobiografia do mesmo nome, do coronel e piloto de caça Robert Lee Scott Jr, que lutou no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial. O filme conta a história de Scott e associação com a Flying Tigers e a Força Aérea do Exército dos Estados Unidos, da China e da Birmânia, durante II Guerra Mundial. Num contexto moderno, o filme recebeu um renascimento de interesse,é agora considerado um dos filmes "clássicos" da aviação, principalmente devido às suas cenas aéreas, que foram, mesmo na época consideradas um dos seus activos.


God Is My Co-Piloté uma banda queercore de Nova York que tem gravado desde 1991. A sua música foi descrita como noise rock, experimental, hardcore punk. Stay Free zine disse da musica, "We hear a new sound, 'free punk' we'll call it." . A própria banda não gostou da frase, preferindo não classificar a sua música.Os dois principais membros são Sharon Topper, vocalista, e Craig Flanagin, guitarra.Ocasionalmente cantam em outros idiomas além do Inglês- francês, iídiche, alemão, finlandês e turco, entre outros.

CARAVAN

Caravan - ITV Legends
Live Filmed Concert at Metropolis Studios - Friday 3rd December.

A influente prog rock banda Caravan vão reunir-se para um único show no final deste ano. Caravan foram a metade dos Wilde Flowers, onde tocava, Kevin Ayers, Robert Wyatt e Hugh Hopper - os Soft Machine eram a outra metade. A banda de Canterbury, Kent, foi formada no início de 1968 pelo guitarrista / vocalista Pye Hastings, o teclista Dave Sinclair, o baixista / vocalista Richard Sinclair (depois nos Hatfield & The North, e Nacional Health, etc), e o baterista Richard Coughlan.

Grande oportunidade, para ver os melhores de Canterbury, os Caravan formaram-se novamente e especialmente para a série Legends ITV. A banda já ensaiou um conjunto de memoráveis canções, como Memory Lain Hugh/Headloss, Why Why Why, Golf Girl, Smoking Gun, Unauthorised Breakfast Item, Nightmare, e Nine Feet Underground.

Após o show tem a oportunidade de encontrar e ser fotografado com a banda, e a partir do momento em que chega será oferecido champanhe e tratado como um convidado VIP.

O seu nome estará no DVD que será lançado comercialmente em todo o mundo e cada participante recebera um DVD de cortesia quando editado e produzido.O show terá a duração de 75 minutos e incluirá músicas do repertório dos 42 anos e novos materiais.

Somente 140 ingressos estão disponíveis a £ 175 por pessoa para o show exclusivo realizado no Metropolis Studios em Chiswick, Londres, a3 de Dezembro de 2010.

Os concertos da série Legends ITV são uma mistura dos melhores artistas do Reino Unido Pop / Rock e Rock Progressivo:

Saturday October 9th THE ZOMBIES
Friday December 3rd CARAVAN
Saturday December 4th JOHN LEES' BARCLAY JAMES HARVEST
Saturday December 11th GEORGIE FAME AND THE BLUE FLAMES
Saturday December 18th VAN DER GRAAF GENERATOR

CLASSIC ROCK MAGAZINE - LISTA

Classic Rock Magazine elaborou uma lista das 50 melhores actuações ao vivo de todos os tempos.

A lista, uma escolha da mistura de 128 jornalistas, astros do rock e outros luminarios da música, elegeram os Led Zeppelin como o mais votado, e os Muse??? em 49º.E Elvis Presley ???

1. Led Zeppelin
2. The Who
3. AC/DC
4. Hendrix
5. Pink Floyd
6. Queen
7. Iron Maiden
8. Rolling Stones
9. Kiss
10. Beatles

11. Aerosmith
12. Van Halen
13. Guns n Roses
14. Radiohead
15. Rage Against The Machine
16. Cream
17. Bruce Springsteen
18. The Clash
19. Thin Lizzy
20. UFO

21. Yes
22. The Police
23. Slayer
24. Rammstein
25. Motörhead
26. U2
27. Soundgarden
28. Ramones
29. David Bowie
30. Fugazi

31. Paul McCartney
32. REM
33. Status Quo
34. Nirvana
35. Rainbow
36. Rush
37. Fleetwood Mac
38. Marillion
39. Motley Crüe
40. Metallica

41. Jeff Beck
42. Deep Purple
43. Alice Cooper
44. Genesis
45. Sensational Alex Harvey band
46. Dio
47. Grateful Dead
48. Heart
49. Muse
50. Rory Gallagher

VAMPIRE WEEKEND

A hyped banda indie Vampire Weekend realizaram um único show na Nova Zelândia no final de Abril.

O quarteto de Nova York, lançou "Contra", o segundo álbum este ano, apresentou-se no Bruce Mason Centre, costa norte de Auckland, NZ, a 29 de Abril, antes de ir para a Austrália para uma série de shows.

A banda constituída por Ezra Koenig, Rostam Batmanglij, Chris Tomson e Chris Baio, estrearam-se em Portugal na Casa da Musica (eu fui- excelente concerto) estiveram pela última vez em Portugal no Festival Super Bock Super Rock 2010, regressam a Portugal, onde vão actuar dia 11 de Novembro de 2010 no Coliseu do Porto.

FESTIVAL MUSICA VIVA 2010

Festival Música Viva 2010.

A 16 ª edição reúne um encontro entre música contemporânea, electroacústica e tecnologia aplicada à criação sonora e visual, com participantes do Japão ao Canadá e Europa. Se nalguns momentos é de olhos fechados que melhor se ouve, noutros há que mantê-los bem abertos para uma experiência total. Nesta noite, o claustro dos Jerónimos recebe a Orquestra de Altifalantes para, em conjunto com dois solistas, apresentar Cinema de Sons Sob as Estrelas com o Poème Électronique de Edgar Varèse e obras de Xenakis, Miguel Azguime, Reich e Jimi Hendrix.

O Festival continua e há que segui-lo com curiosidade: 30 estreias, concertos, concurso de composição, master classes, conferências e a visita do Tapiola Choir da Finlândia. Tecnologia e forte componente internacional

OK GO - WHITE KNUCKLES



OK Go - White Knuckles. Excelente video. Especialistas em telediscos "virais" estão de volta com cães amestrados. São vistos um milhão de vezes em 24 horas.

Nova proeza para a banda norte-americana que em 2007 ganhou o Grammy de Melhor Vídeo Musical, com "Here It Goes Again".

Os OK Go tornaram-se populares graças ao vídeo do tema "Here It Goes Again", um dos mais vistos de sempre da história dos YouTube.

U2 + MUSE

Notícias dão conta de que os U2 vão mesmo ao Chile, Argentina e Brasil e na abertura, os Muse.

É mais ou menos assim. A banda que tem o palco/produção mais colossal do mundo pode ter como abertura uma outra banda que simplesmente costuma soltar um disco voador no meio do púbico nos seus shows. Os Muse abriram alguns shows da 360º Tour dos U2 na Europa e Estados Unidos.

Os Muse tocaram no Glastonbury Festival em Junho de 2004. Depois do festival, a banda descreveu o concerto como "o melhor show de nossas vidas". Contudo, o pai do baterista Dominic Howard, Bill Howard, que foi ao festival assistir a banda, morreu de ataque cardíaco logo após a apresentação. "Foi o maior sentimento de realização que nós já sentidos depois de descer de um palco", disse Bellamy, lider e vocalista. "Foi quase surreal que uma hora depois do show ele estivesse morto. Foi inacreditável. Eu acho que ele ficou feliz que pelo menos o seu pai conseguiu ver o filho no melhor momento da banda".

O FECHO DO MITICO 100 CLUB

Um por um, vai se perdendo icónicos locais.O local em Oxford Street, que assistiu a apresentações de nomes como Oasis, David Bowie, Bob Dylan e Queens Of The Stone Age, enfrenta a ameaça de fecho.

The Cavern foi há anos atrás, Hacienda agora local chique de apartamentos, ironicamente tendo o mesmo nome, enquanto o Astoria, vai ser uma espécie de zona comercial. Os centros da cidade estão se tornando higienizados e limpos. Os cantos sujos onde a cultura popular se fazia estão desaparecendo. passa-se em Inglaterra mas também em qualquer cidade há volta do mundo- todos temos exemplos conhecidos.

Então, o que, você pode perguntar. Por que devemos nos preocupar? Nesta idade moderna de download de comunicação rápida esses lugares que tiveram o seu tempo, não mais têm espaço?

A vítima mais recente da unidade de lucro incessante do século 21 no Reino Unido é o 100 Club de Londres, que está sob ameaça de encerramento. Um dos locais mais antigos do mundo, começou a ter apresentações ao vivo em 1942.

Foi formalmente um clube de jazz e o local onde, no Outono de 1976, a chave do festival punk que viu a chegada do movimento que seria tão influente na cultura pop britânica. Durante dois dias, os Sex Pistols, Buzzcocks, The Damned, The Vibrators, Subway Sect, e The Clash mostravam a sua desagregação, Siouxsie And The Banshees fez seu primeiro show.

Desde então, o 100 Club acolheu centenas de shows. Foi a sede de Londres para a segunda onda do punk, warm-up dos Metallica, e secretos shows dos Rolling Stones. Foi a sede de um dos primeiros shows dos Oasis. Gallows tocaram lá muitas vezes.

O icónico logotipo na parede atrás do palco, onde antas bandas, tantos estilos, são todos parte da sua longa tradição. O ambiente único de club tem sobrevivido a diferentes épocas da música, de uma forma que os locais da nova série estão voltados unicamente para o lucro.

O 100 Club, é descrito por Joe Perry dos Aerosmith como "o melhor clube de rock no mundo" - e vai fechar até o Natal por causa de um projecto de lei de taxas crescentes e renda alta. Em vez de ajudar os pequenos negócios ou marcos culturais, o Reino Unido moderno parece decidida a derrotá-los na unidade incessante do lucro.

Talvez desta vez com o aumento da internet orientada para o poder do povo, se possa fazer algo sobre isso. Não podemos deixar que esses aproveitadores sem rosto continuem a roubar a nossa cultura.

Há, campanhas em curso para o manter aberto. O Facebook está cheio deles. Esta também poderia ser uma oportunidade para o presidente da câmara de Londres, Bertie Wooster, fazer algo para o rock'n'roll.

THE ORGAN of CORTI - ruido ambiental em musica


A consultoria de Som Liminal projectou uma estrutura que "recicla" os sons da cidade, transformando o ruído ambiental em "música".

The Organ of Corti - nome de uma parte do ouvido interno - é um dispositivo portátil que filtra ruídos, criando harmonias e mudanças subtis, dependendo da fonte de som externa e da posição do ouvinte.

O dispositivo é baseado em torno de fenómeno acústico e de cristais sónicos, que consiste num conjunto de cilindros verticais e espaçados de acordo com as faixas de frequências que vai agir. As matrizes podem ser cuidadosamente projectadas de acordo com os sons do local em que a escultura é colocado - seja numa área construída de uma cena urbana, rural ou um rio. O cristal sonoro modula o som que passa de um lado para o outro.

Para ouvir o órgão de Corti, as pessoas passam por trás da escultura, e vão ouvir sons diferentes, graças à disposição dos cilindros. As disparidades entre os diferentes cilindros permitir apenas determinadas frequências através deles, portanto, alguns aspectos do som de entrada podem ser filtrados e outros aspectos podem ser ampliados.

A proposta do órgão de Corti nasceu de um trabalho de investigação do olhar para a relação entre saúde, som e bem-estar. Liminal - é formada por David Prior compositor e a arquitecta Frances Crow , que decidiram juntar-se com Keith Attenborough, um professor de pesquisa do Grupo de Acústica na Universidade Aberta.

O Órgão de Corti será lançado em 2011 durante o City of London Festival e repetido na auto-estrada M6, no Lake District, A419 Cotswolds ao lado do açude Diglis em Worcester.

A instalação foi premiada com o PRSF New Music Award, que tem um prémio de US $ 78.000. Os juízes foram inspirados pela habilidade da peça "desafiar a noção do que é ouvir" , " lembra-nos do valor de como pode um bom som ser belo" e "oferecer um antídoto para o som saturado, do mundo digital em que vivemos ".

23/09/2010

SNOOPY - o cão-filósofo, a caminho dos 60 anos

Através de várias iniciativas que mereceram o consentimento da Copyrigh Promotions, agência que a representa na Península Ibérica, a marca Snoopy vai recolher fundos para o programa de solidariedade e responsabilidade social “Escolas para África”, juntou-se à UNICEF.

Torneios de ténis e de golfe, exposições interiores e de rua, bem como alguns desafios junto de artistas de referência são algumas das acções que terão lugar entre 2 de Outubro de 2010 e 2 de Outubro de 2011, ano em que se celebram as seis décadas de vida do cão-filósofo.

A primeira edição dos Peanuts, de Charles Schulz, foi impressa em sete jornais americanos a 2 de Outubro de 1950, e deu a conhecer ao mundo a adorável personagem, à semelhança de outras como Charlie Brown ou Lucy.

Além dos desenhos animados em papel, inventados por Charles Schulz, o sucesso chegou também em animações televisivas, livros, roupa, peluches, relógios, material escolar e desportivo, entre muitos outros.

O famoso cãozinho Snoopy completa 60 anos de existência, e todos os personagens de uma das histórias em quadradinhos mais divertida do mundo foram criados por Charlie M. Schulz. Charles Brown é o protagonista das histórias, sempre que ele tenta fazer alguma coisa acaba por fracassar. Charlie é dono do Snoopy um cãozinho da raça Beagle extremamente inteligente e que apesar de não falar consegue transmitir aos leitores seus pensamentos e o que sente acerca das mais diversas situações. Snoopy fez tanto sucesso que acabou por se tornar o personagem principal das tirinhas ocupando o lugar de destaque que inicialmente seria de Charlie Brown.

A Turma do Snoopy é composta por: Snoopy, Charlie Brown, Sally irmã mais nova de Charlie Brown, Lucy apaixonada por Shchroeder, Linus irmão mais novo de Lucy, Schroeder o menino pianista, Patty Pimentinha apaixonada por Charlie Brown, Marcie muito amiga de Patty e também apaixonada por Charlie Brown, Chiqueirinho o menino que está sempre sujo, e Woodstock o melhor amigo do Snoopy.

21/09/2010

ZACH HILL



The Primitives Talk (2010) - Zach Hill:
Video by Stephanie Davidson

20/09/2010

THE BLACK KEYS

The Black Keys é um duo de dois homens que inclui o guitarrista / vocalista Dan Auerbach e o baterista Patrick Carney, ambos estavam com vinte e poucos anos, quando estrearam, The Big Come Up, lançado em 2002. Vindos de Akron, OH, som blues-rock, companhia de única guitarra Auerbach, bateria de Carney, e do órgão ocasional. Desde o início, que Auerbach tem voz de blues para alguém tão jovem, e material do grupo trabalhado no funk, soul, e influências de rock de Jimi Hendrix e James Brown.

O segundo álbum, Thickfreakness, foi gravado em 14 horas seguidas durante um único dia em 2002.Para se preparar para a sua libertação em Abril de 2003, juntou-se ao duo, Sleater-Kinney, na abertura de uma turné de inverno norte-americano. Rubber Factory segui-se em 2004, como um dos melhores discos do ano.

Um DVD ao vivo chegou em 2005, seguido pelo EP Chulahoma e mais um disco, Magic Potion em 2006. Dois anos depois, convidam Danger Mouse para produzir Attack & Release, um álbum que foi originalmente planeado como uma colaboração entre o duo e Ike Turner(a morte de Turner em Dezembro de 2007 tornou a colaboração impossível).

Attack & Release, recebeu elogios do jornal The New York Times, NPR, Rolling Stone, Pitchfork, Los Angeles Times, e MOJO, que chamaram ao álbum, " ... rico em melodia e uma força motriz " . o The New York Times chamou á musica dos Keys “tough-minded, blues haunted songs ” .

SPENCER TUNICK

No estádio Ernst Happel, em Viena, Tunick reuniu em ensaio centenas de modelos nus.

A ultima "aventura do fotografo foi reunir cento e duas pessoas nuas na montanha-russa em Essex, Inglaterra, e bateram, segundo os organizadores, o recorde mundial de iniciativas do género.

Os participantes conseguiram 22 mil libras para a campanha Bosom Pals Apeal, que arrecada fundos para o tratamento do cancro da mama.
O dinheiro será usado para melhorar as instalações da unidade de tratamento do hospital Southend, para comprar duas máquinas de mamografia digital, e consertar equipamentos de detecção que a unidade já possui.

Os organizadores dizem ter superado o recorde de 32 pessoas nuas que andaram numa montanha-russa no parque Alton Towers, em Staffordshire, em 2004.

ROMAN POLANSKI SHARON TATE

Uma fotografia do director de cinema Roman Polanski, preso desde Setembro, e de sua ex-esposa Sharon Tate, na qual ambos aparecem abraçados e nus e que foi tirada há 40 anos, foi leiloada pela casa de leilões Christie's no dia 7 de Dezembro, em Nova York.

O polémico cineasta, de 76 anos, viajou até à Suíça para receber um prémio carreira atribuído pela organização do Festival de Cinema de Zurique, mas acabou por ficar marcada por um episódio inesperado. Pouco depois de ter chegado à cidade, foi preso pelas autoridades locais, a mando dos Estados Unidos, desde Setembro, por um processo judicial que tem pendente, onde há 32 anos se declarou culpado de ter mantido relações sexuais com uma menina de 13 anos antes de fugir para a Europa.

Na altura em que processo decorreu, o cineasta arriscava uma pena de prisão perpétua, mas fugiu para França antes da decisão judicial. Desde então, os Estados retiraram-lhe o visto e há cerca de 30 anos que não viaja para o país para não ser preso.
De salientar que Roman Polanski foi acusado oferecer álcool e drogas à menor, durante uma sessão fotográfica em casa do actor Jack Nicholson, mas sempre tentou que o processo fosse arquivado, defendendo que estava inocente, uma vez que a relação foi consentida pela jovem.

A imagem do casal foi tirada em Londres pelo fotógrafo de moda David Bailey, em 1969, meses antes de a actriz ser assassinada por membros da seita de Charles Manson em Los Angeles.

Sharon foi a segunda esposa de Polanski e foi assassinada em Los Angeles em 1969 quando estava grávida de oito meses.

Seguidores da seita liderada por Manson entraram na casa do casal e mataram a actriz, que tinha 26 anos na época.

19/09/2010

STUCKISM

Stuckism é um movimento artístico internacional que foi fundado em 1999 por Billy Childish e Charles Thomson para promover a pintura figurativa, em oposição à arte conceptual. O primeiro grupo de treze artistas britânicos desde então tem expandido, a partir de Setembro de 2010, a 209 grupos de 48 países .

Os Stuckistas encenaram espectáculos e ganharam a atenção dos média para comentários e manifestações, especialmente fora da Tate Britain contra o Turner Prize, por vezes, vestidos em trajes de palhaço. Eles também afirmaram a sua oposição à Saatchi patronizada por Charles Young British Artists. Depois de expor, principalmente em pequenas galerias em Shoreditch, Londres, receberam o seu primeiro show num grande museu público em 2004, o Walker Art Gallery, como parte da Bienal de Liverpool.

BLAISE PASCAL - citação

“Sustento como um facto que se todos os homens soubessem o que os outros dizem deles, não haveria mais do que quatro amigos no mundo.”

Blaise Pascal

JIMI HENDRIX

18 de Setembro de 1970. Johnny Allen Hendricks era encontrado morto no apartamento da sua namorada, Monika Dannemann. Morreu sufocado no seu próprio vómito, causado por uma suposta overdose acidental de comprimidos para dormir. A história perdia um dos melhores e mais geniais guitarristas de sempre.

O Tenessee foi o ponto de partida para a carreira de Johnny Allen Hendricks, um viciado em blues desde os 14 anos. Decorria o ano de 1962 e Hendricks tinha sido dispensado do exército. Foi lá que viu Butch Snipes a tocar com os dentes a memorável técnica que Hendrix imortalizou e onde entrou pela primeira vez num estúdio de gravação.

Curiosamente o país que o viu nascer foi também aquele que o rejeitou. Hendricks já tinha andado em digressão com os Isley Brothers e gravado com Little Richard, mas nem Andrew Loog Oldham (manager dos Rolling Stones) nem Seymour Stein (produtor) gostaram da sua música e rejeitaram-no. Chas Chandler, ex-baixista dos Animals, foi mais astuto e levou-o para Londres. O mundo nunca mais seria o mesmo.

Na capital inglesa, ganhou o nome Jimi Hendrix, formou os Jimi Hendrix Experience e ficou com a imagem que mudou a face do rock: o casaco militar dois tamanhos acima do seu, o cabelo em carapinha descuidada e as calças justas e apertadas. Subiu ao palco com os Cream de Eric Clapton, na altura o único e verdadeiro guitar-hero da Grã-Bretanha. A lenda diz que a performance exímia e arrebatadora de Hendrix desarmou totalmente Clapton, levando-o a sair de palco, desanimado.

Em 1967, a América parecia pronta para receber Hendrix, já uma estrela na Europa. Qual filho pródigo e pela mão de Paul McCartney, actuou no mítico festival de Monterey. Jimi Hendrix foi incendiário e de uma forma bem literal: em palco, pegou fogo à sua guitarra. Um ano antes da sua morte, um dos momentos mais memoráveis da história da música chamou por ele. Ou melhor: um momento que talvez não ficasse para a história se Jimi Hendrix não tivesse subido ao palco de Woodstock perante 180 mil pessoas para interpretar o hino norte-americano na sua guitarra eléctrica.

A total liberdade criativa à frente dos Experience e mais tarde a solo, as drogas e a sua vida intensa e meteórica, levaram-no a trilhar caminhos antes desconhecidos: a fusão do psicadelismo com o rock, o bombo duplo na bateria, a distorção e o feedback amplificados na guitarra eléctrica, o pedal de efeitos wah-wah... Dizer que Hendrix revolucionou a forma como se tocava guitarra e se ouvia música é pouco. Tanto que só os Beatles e a sua morte impediram que o americano chegasse a número um no top de vendas inglês.

Custa a crer que desde que começou a dar nas vistas até ao dia da sua morte passaram apenas 8 anos. Jimi Hendrix passou pela vida como um cometa indescritível nestas linhas: não houve quem não o visse, nem quem não ficasse estonteantemente impressionado com ele. Quarenta anos volvidos, ainda não se sabe se Jimi Hendrix se matou ou se foi morto - talvez nunca saibamos. Hendrix é mesmo o melhor de sempre.

OS FAITH NO MORE ANUNCIAM ULTIMO CONCERTO

Os Faith No More anunciaram o último concerto da banda antes de se separarem para sempre. O concerto que encerrará a digressão da banda de Mike Patton acontecerá a 5 de Dezembro, em Santiago, no Chile.

A banda juntou-se para concertos pela Europa - incluindo um no Festival do Sudoeste em 2009 e outro, já este ano, no Festival Alive!10 - em 2009 após onze anos de separação. Em 1993 o grupo californiano deixou de contar com a participação do guitarrista Jim Martin e, em 1998, foi anunciado o primeiro fim da banda.

Apesar de ter chegado a ser anunciado um novo álbum após o recente regresso aos palcos, a banda marcou para o final do ano o seu encerramento. Segundo o site da «NME», o teclista Roddy Bottum confirmou via Twitter que o concerto no Chile será efectivamente o último.

«Na minha opinião, a gravação de um novo álbum era uma ideia excelente», disse Bottum a uma publicação online chilena. «O objectivo era bom porque conhecemo-nos uns aos outros muito bem. Mas as coisas são complicadas - foi muito estranho este regresso passado uma década», reafirmou.

JAMES REYNOLDS A COMIDA NO CORREDOR DA MORTE

As últimas refeições pedidas por prisioneiros no corredor da morte nos Estados Unidos viraram tema do trabalho do artista britânico James Reynolds, de 23 anos.

Depois de muito pesquisar sobre o assunto, recriou e fotografou os mais inusitados cardápios requisitados pelos condenados, criando a série, Últimas Ceias.

"Fiquei fascinado em saber por que cada um escolheu determinada refeição. Acredito que os pedidos são um retrato do prisioneiro, algo que revela um pouco da personalidade dele", disse Reynolds à BBC Brasil.

O artista procurou saber quem eram os condenados, quais crimes haviam cometido e onde estavam presos.

Ele encontrou explicação para apenas uma refeição: o prisioneiro Victor Feguer, condenado à morte por assassinato em Iowa, em 1963, que pediu para comer uma azeitona antes de ser executado.

"Ele disse que gostaria que a azeitona germinasse e se tornasse uma oliveira dentro dele", contou Reynolds.

O artista espera reunir pelo menos 50 fotos para produzir um livro sobre o trabalho.

O INCENDIO NA SAATCHI - JAKE E DINOS CHAPMAN

Mais de 100 obras da famosa colecção Charles Saatchi foram destruídas num incêndio, em 2004. Clássicos da arte moderna como a tenda de Tracey Emin "Everyone I have ever slept with 1963-95"(tem 102 nomes em costura nos lados inclui os seus amantes e os fetos abortados- foi nomeado para o Prémio Turner e a Saatchi pagou por £ 40.000 por ele). Obras de Damien Hirst, Sarah Lucas e Gary Hume foram perdidas. O incêndio teve os ingredientes de uma tragédia terrível para a história da arte contemporânea.

Obras de Patrick Caulfield, Craigie Horsfield e 20 peças de Martin Maloney, Hell, dos irmãos Jake e Dinos Chapman, também foram perdidas.

Entre as muitas obras seminais da "Britart", uma das vítimas confirmadas é o impressionante "Hell", dos controversos irmãos Chapman. Uma série de nove paisagens em miniatura em tanques de vidro com cenas de catástrofe e destruição.

Este "diorama" em nove partes foi encomendado por Charles Saatchi em 1998, por cerca de meio milhão de libras. Demorou dois anos a criar as suas cenas de morte e mutilação. Agora, "Hell", o inferno, só pode ser admirado destruído.

MORTON BARTLETT

Morton Bartlett já é considerado um dos maiores artistas outsider. Cria esquisitas e realistas esculturas que evocam estados misteriosos. Bartlett, que nasceu em 1909 e morreu em Boston em 1992, é conhecido por fazer um grupo com 15 ivory-skinned esculturas anatomicas de gesso completas de crianças e adolescentes. A maioria são mulheres, e ele fez excelentes armários para elas. Então em pequeno, tirou fotografias assombrosas a preto-e-branco das figuras, geralmente vestidas, mas às vezes nuas.

As esculturas das bonecas - a maioria feita nos anos de 1940 e 50 - as roupas e as fotografias em preto-e-branco foram descobertas em 1993 por Marion Harris, um negociante de antiguidades de Connecticut, que introduziu o trabalho na Outsider Art Fair em Nova York em 1995.

Desde então, a reputação de Bartlett explodiu, e por isso teve a favor a conjectura sobre o que o levou a criar as suas requintadas criaturas. Ele tem sido visto como um Humbert Humbert, ao lado de um Henry Higgins, que construiu as sua Lolitas a partir do zero, um companheiro de Lewis Carroll, Hans Bellmer, Edgar Degas e Darger Henry. Órfão aos 8 anos, Bartlett foi visto como uma criança perdida, que cresceu um Gepetto suave e criou a família que nunca teve, convidando ás comparações reclusas, benignas e outsiders como Joseph Cornell, Martín Ramírez, Adolf Wölfli, Traylor Bill e James Castle.

Uma terceira visão é que Bartlett, que foi adoptado por Bostonians, e educado na Phillips Exeter e Harvard, foi exaustivamente um artista autodidacta, cujo principal meio de comunicação foi a fotografia. Junto com Claude Cahun, Paul Outerbridge e O. Winston Link, ele pode ser considerado um pioneiro na fotografia de instalação, um dos mais ricos filões da arte contemporânea nos últimos 40 anos.

A arte de Bartlett orquestrava imagens psicologicamente complexas que ressoam com influências que vão do Norte da escultura renascentista à publicidade em revistas, moda e fotos de Hollywood. As imagens finais dependem da capacidade escultural de Bartlett em tornar a linguagem do corpo, a proporção das jovens e a expressão facial,mas todos estes elementos tornam-se mais subtis nas suas fotografias.

As fotografias a cores de grande porte, eram desconhecidas até poucos anos atrás e até o ano passado existiam apenas como slides coloridos. Um colecçionador de Los Angeles, Barry Sloane, foi o responsável por essa descoberta de Bartlett.

Nas configurações a cores das bonecas tornam-se mais proeminentes.Numa imagem de uma menina loira com um chapéu de palha, a língua pronta e provocativa entre os lábios, é vista na frente de uma litografia no canto de um edifício clássico - um museu da cidade grande, ou talvez o Parthenon.

Há uma espécie de artificialidade nas imagens de Bartlett, que oscila entre a idealização da comunicação nas crianças desfavorecidas da sociedade e as tensões subjacentes da infância que muitas vezes resultam da tensão dessa idealização.

TRENT REZNOR - NIN

Vocalista, compositor, cineasta e líder dos Nine Inch Nails, Trent Reznor assina a banda sonora do filme sobre a rede social Facebook (The Social Network), que será dirigido por David Fincher (Se7en, O Curiososo Caso de Benjamim Button). Trent colocou disponível para download gratuito no seu site as cinco faixas que o músico do Nine Inch Nails fez em parceria com Atticus Ross para o filme - http://www.nullco.com/

Reznor já tinha participado nas bandas sonoras de filmes como Natural Born Killers (1994) de Oliver Stone, e “Estrada perdida”, de David Lynch, mas é a primeira vez que ele faz músicas inteiras para um longa-metragem. O filme é baseado no livro "The Accidental Billionaires: the Founding of Facebook, a tale of sex, money, genius and betrayal" ("Os acidentais bilionários: a fundação do Facebook, uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição").

No filme, o actor Jesse Eisenberg interpreta Mark Zuckerberg, o criador do Facebok, acusado de ter desenvolvido o site a partir de ideias dos seus colegas de faculdade.Andrew Garfield, que vai viver o novo Homem Aranha, tem o papel do brasileiro Eduardo Saverin, co-fundador da página que acusa Zuckerberg de o ter passado para trás assim que a rede social se mostrou bastante lucrativa.

O seu selo The Null Corporation, em parceria com a Sony's Madison Gate Records, são os responsáveis pelo lançamento que será lançado digitalmente a 28 de Setembro e fisicamente em Outubro. Segundo o e-mail enviado ao ME por Trent, uma parceria com o site da Amazon lançará em pré-ordem para download o disco completo por apenas $2.99!

"Esta tem sido uma nova e interessante maneira para trabalhar e eu estou satisfeito com o processo e o resultado", Trent comenta no e-mail. O líder do NIN é famoso por divulgar tanto material online gratuito ou a preços irrisórios.

Também recentemente ele lançou em sites de Torrent e no próprio site do selo, a primeira parte (I-IV) do seu novo álbum de 36 músicas "Ghosts", protegido pela licença de Creative Commons, bem comum e utilizada por bandas independentes. Estive a ouvir e parece-me que vale uma ou mais escutas - http://ghosts.nin.com/main/home.

Trent também ameaçou vender no mercado negro uma app dos NIN criadao para iPhone depois da Apple ter bloqueado o seu conteúdo da App Store justificando que seria "profanação"....

BLONDE REDHEAD

Dezassete anos. É uma eternidade. Países têm caído e casamentos têm se desintegrado em menos tempo, por isso é bastante notável que os Blonde Redhead não só sobreviveram por tanto tempo, como continuam a prosperar, e agora com um dos seus melhores trabalhos até à data.

Penny Sparkle, o seu oitavo álbum de estúdio, é preenchido por suaves canções feitas de melancolia, e as electrónicas continuam com as guitarras, a partilhar ambientes glacially cool, permitindo o protagonismo da voz de Kazu Makino. Eles são uma banda que sempre possuiu uma beleza discreta, mas onde ela poderia ter vazado e encharcado previamente, com a ausência de dinâmica do droning da guitarra, ouvido em 2007, no álbum a que chamaram simplesmente, 23.

R.I..P. RICHIE HAYWARD DOS LITTLE FEAT

Richie Hayward 1946–2010, morreu a 12 de Agosto aos 64 anos, de complicações de cancro no fígado. Ele estava lutando contra a doença desde 2009, e foi criado um fundo em seu nome para ajudar a custear as suas despesas médicas. Durante a sua luta, Hayward doente recebeu uma notável manifestação de amor e apoio da comunidade de percussão do mundo da música em geral, uma prova da sua personalidade calorosa e influência de grande alcance.

Hayward, que saudou a partir de Clear Lake, Iowa, foi membro fundador dos Little Feat, que lançaram o auto-intitulado álbum de estréia, em 1971. O seu sulco profundo, funky groove e vibrante energia rock fez dele in-demand session e musico ao vivo, trabalhar com Robert Plant, Robert Palmer, Bob Dylan, Eric Clapton, Joan Armatrading, Ry Cooder, Warren Zevon, Taj Mahal, Buddy Guy, Coco Montoya, e muitos outros em sua carreira de mais de quarenta anos.

" O meu estilo tem crescido com a banda", disse Hayward dos Little Feat em Outubro 1995 na capa do magazine Modern Drummer ."Ele começou fortemente influenciado pelo blues, rock n 'roll, e jazz . Então fiquei mais específico em outros tipos de música folk americana e da música de outras raízes. Descobri New Orleans ao longo do caminho, o que fez uma grande diferença, soltou-me. Mas o meu jogo é apenas uma combinação de todos os estilos que eu já ouvi. Eu peguei um pouco de isto e aquilo e misturei-os todos juntos. "

Richie Hayward, baterista da banda Little Feat desde o seu início há quase quarenta anos, morreu hoje após uma batalha de anos com cancro do fígado. Little Feat estão entre as bandas favoritas de uma boa quantidade de membros, e suas canções, nomeadamente Willin e Dixie Chicken, foi tocada por muitos em torno de jams e fogueiras. A luz Richie e estilo altamente "syncopated drumming" foi parte integrante do som da banda, e ele era muito bem visto por outros bateristas - a drummer's drummer. Da lista de músicos, tocou e gravou como Who's Who da elite do rock. O cargo anterior na Fraternity Of Man, cujo pequeno hit "Don't Bogart essa articulação" foi incluído em Easy Rider, levou a canção a tornar-se num padrão para o concerto dos Little Feat. Ele também apareceu, com Lowell George, num episódio da F Troop, enquanto eram membros da banda, The Factory.

Buffalo Springfield Reunite After More Than 40 Years

Buffalo Springfield, 1970.

Não é nenhum segredo que rifts musicais são difíceis de superar. Uma vez que a chamade uma banda se apaga, e faz um par de tours de despedida, normalmente não volta mais. Nas raras ocasiões em que uma banda se faz ressuscitar, na maioria das vezes é por uma causa muito boa. (Será que realmente viram Pink Floyd juntos novamente se não fosse para o Live 8? Não é provável.) Agora, os membros sobreviventes dos Buffalo Springfield, a banda de folk-rock dos anos 60 que impulsionou as carreiras dos seus membros, vai reunir em 23 e 24 Outubro, para o anual Neil Young's Bridge School Benefit Concert, em Mountain View, Califórnia. Será a primeira vez que Young, Stephen Stills e Richie Furay tocam publicamente juntos desde o desmantelamento, em 1968.

A The Bridge School, sem fins lucrativos trabalha com crianças que têm "voz grave e deficiência física". Os concertos têm funcionado continuamente desde 1986 (com excepção de 1987) e muitas vezes mostram um grupo de artistas conhecidos. Este ano não é excepção.

Além de Buffalo Springfield, o concerto de dois dias, está programado para os: Pearl Jam, Elvis Costello, dueto Merle Haggard com Kris Kristofferson, Lucinda Williams, Billy Idol, Jackson Browne e David Lindley, Modest Mouse, Grizzly Bear, T-Bone Burnett's Speaking Clock Revue com Elton John, Leon Russell, Elvis Costello, Ralph Stanley, Neko Case, e Jeff Bridges.

Além de Buffalo Springfield, o concerto de dois dias, está programado para : Pearl Jam, Elvis Costello, um dueto por Merle Haggard e Kris Kristofferson, Lucinda Williams, Billy Idol, Jackson Browne e David Lindley, Modest Mouse, Grizzly Bear, T -Bone Burnett Falando Relógio Revue com Elton John, Leon Russell, Elvis Costello, Ralph Stanley, Neko Case, e Jeff Bridges.

LED ZEPPELIN

Em 09 de Outubro, Jealous Butcher Records lançará From The Land of Ice And Snow: The Songs of Led Zeppelin, um disco duplo com covers de M. Ward ("Bron-Yr-Aur"), The Long Winters (" In The Light "), Laura Veirs (" The Ocean "), Death Cab for Cutie Chris Walla (" In The Evening "), e uma série de outros artistas do Pacífico Noroeste, um conjunto enorme com 33 clássicos de uma só penada. A colaboração inclui também a arte do álbum por Carson Ellis (trabalhou com The Decemberists) e John King (que trabalhou com M. Ward.).
Uma parte do produto será enviado para uma instituição de caridade focada na educação musical.

1) Kind of Like Spitting - “Good Times Bad Times”
02) The Clampitt Family - “Babe, I’m Going To Leave You”
03) Portland Cello Project - “Dazed and Confused”
04) Nick Jaina - “Your Time Is Gonna Come”
05) Fuck’d upright - “Whole Lotta Love”
06) Adam Selzer - “Poor Tom”
07) Carcrashlander - “Nobody’s Fault But Mine”
08) Kaia - “Fool In The Rain”
09) Dan Jones - “Thank You”
10) Lackthereof feat. Pete McCracken - “Heartbreaker”
11) Knock Knock - “Moby Dick”
12) Super XX Man - “Out on the Tiles”
13) Amy Annelle & The Shishi Mountain Boys - “Friends”
14) Jeff London - “Tangerine”
15) Arch Cape - “Bron-Y-Aur Stomp”
16) Weinland - “Hey Hey What Can I Do”

01) Chris Walla - “In The Evening”
02) Lana Rebel - “Black Dog”
03) Pellet Gun - “Rock and Roll”
04) Tu Fawning - “The Battle of Evermore”
05) Kelly Blair Bauman - “Stairway To Heaven”
06) Buellton - “Misty Mountain Top”
07) Rebecca Gates and the Consortium - “Four Sticks”
08) Johanna Kunin and Yikes Mountain - “Over The Hills and Far Away”
09) Testface - “No Quarter”
10) Laura Veirs and Mount Analog - “The Ocean”
11) Beltdine - “Houses of the Holy”
12) Loch Lomond - “Kashmir”
13) The Long Winters - “In The Light”
14) M. Ward - “Bron-Yr-Aur”
15) Power of Country - “Down By The Seaside”
16) Parks and Recreation - “All My Love”
17) Dave Depper - “I’m Gonna Crawl”

THE NEW PORNOGRAPHERS

Não foi um sucesso colossal, mas The New Pornographers "Mass Romantic" certeza que tem um lote de terreno. Liderados por Zumpano AC Newman e com a conceituada chanteuse alt-country Neko Case, a banda ajudou a chegar na década um molde de fundição forte para supergrupos, canadianos( Broken Social Scene). Newman. E, talvez mais importante, é transformado Case - então um conceituados chanteuse alt-country com um culto e de boa vontade generalizada - para o tipo de ícone de credibilidade, encharcado em quem todos poderiam concordar

JUANA MOLINA

Uma vez que esta foi a década de gravação baseado no computador, e pela primeira vez Janes comuns nos dormitórios da faculdade tiveram acesso às ferramentas encontradas apenas nos estúdios da fantasia, é surpreendente que alguns não tenham descoberto Juana Molina e Segundo. Camadas vertentes errantes de vozes em corais improváveis, Molina cria uma paisagem simultaneamente inquietante e fascinante no seu porão. O mundo rico e quente que ela criou é governado pela paixão e pontuado por rabiscos estranhos de sintetizador; sua contrastes intensos torna os esforços dos artistas electrónicos similares - Bjork, o mais proeminente - parecerem completamente gelado (e demasiado conceptual), por comparação. A ex-estrela de TV en sua terra natal, Argentina, Molina tem desenvolvido desde Segundo, o som de cada um dos esforços subsequentes, mais recentemente, Un Dia, a partir de 2008.

18/09/2010

LINDER

Sorcha Dallas anuncia a primeira exposição individual na galeria, da seminal artista, performer e músico Linder. "King's Ransom (Hybrid Tea)" vai reunir uma série de obras, incluindo colagens, fotografias de colaboração, desenhos mais antigos e um novo trabalho de escultura com o objectivo de destacar a amplitude da prática da artista. A extensão da exposição teve uma performance única de treze horas, ‘The Darktown Cakewalk: Celebrated from the House of FAME’, a ser encenada no The Arches em 23 de Abril, depois de fazer turnês na Chisenhale Gallery, Londres, em 10 de Julho.

Exibição na primeira galeria é uma série de fotografias de colaboração e colagens a partir de 2009, intitulado "Oh Grateful Colours, Bright Looks '. O título é tirado de um poema de mesmo nome por Stevie Smith com as imagens que estão do respeitado fotógrafo de moda Tim Walker para uma sessão de identificação no Outono de 2009. As imagens sumptuosas de Walker foram baleados num filme usando a luz natural com cores vivas a criação de uma qualidade disney. Nas imagens Linder é mostrado numa variedade de peças de vestuário a partir de sua colaboração com o emergente estilista Richard Nicoll. As colaborações e o efeito inspirador, de Linder continua nestes anos para uma série de artistas, designers e músicos.

A segunda galeria contém os primeiros desenhos, uma nova obra de escultura e colagens. As colagens são de 2009 e continua o interesse da artista em utilizar imagens de modelos glamour. Em corpos de obras anteriores esses números foram revestidas com utensílios domésticos, para criar híbridos monstruosos, mas para esta nova série decadente, bolos e doces foram utilizados. Através da utilização destas confecções açucaradas sobre as figuras eróticas, a saturação visual tem efeito que reflecte a apatia sentida para o consumo contemporâneo e obsessão com a imagem sexual.

Paralelamente a estas colagens são apresentadas uma série de desenhos inéditos de pornografia de 1977. A marca hesitante faz desmentir a fonte original do material.

"Em vez de continuar com as minhas series de "desenhos da vida ", eu desenhei mulheres e homens semi-nus em revistas pornográficas. Isso tanto foi um acto político como uma motivação pela curiosidade. Pornografia tinha seus os próprios códigos, e minha intenção era a de compreendê-los. Não para obter ou receber algo deles, nem e para colaborar com eles. Mas, para os compreender parecia-me e parece-me importante. "

A parte final é uma nova escultura ‘Shee Pleaded Not Guiltie’. Esta peça é formado a partir de um velho acordeão, um objecto pontiagudo usado na feitiçaria, uma superfície de vidro que reflecte luz, e sapatos do artista. Este encenação configura e cria um conflito de posições, aparentemente submissa, ostensiva, aberta, ainda que resistente.O acordeão é um dos instrumentos utilizados para a futura performance de Linder. O efeito do instrumento tem sobre o ritmo e o movimento do corpo um sub-texto sexual, mas por colocar a bola ao lado dela witching (dispositivo utilizado para repelir), esta posição parece contrariada. Este jogo teatral desenvolvido em 13 horas é uma performance exclusiva The Darktown Cakewalk: Celebrated from the House of FAME’, foi executada no The Arches a 23 de Abril de 2010. Esta peça será a colagem final e levou Linder a colaborar com o músico Stuart McCallum (The Cinematic Orchestra), o estilista Richard Nicoll (também director criativo na Cerruti), bem como bailarinos e músicos de diversas disciplinas e tradições.

Nos meses que antecederam a performance Linder realizou uma residência com The Work Room at Tramway, trabalhando com alguns dos seus bailarinos profissionais. Alunos do Colégio Cardonald também foram envolvidos na assistência com a fabricação de peças de vestuário. O Cakewalk Darktown (recentemente encomendado pelo Glasgow Internacional, produzido por Sorcha Dallas) é um épico de invocação de glamour e ostentação fantástico. julgamentos de bruxas e rainhas da beleza, rag time e Euro Popo, fundem-se para envolver o espectador numa história secreta de diversidade e dissidência. Conforme descrito pelo The New York Times:
"O desempenho Linder relembra travessuras Dada e excêntricos como the Baroness Elsa von Freytag-Loringhoven, poeta e escultor que transformou festas de New York Dada em 1920 usando uma gaiola ou tail-lights, bem como artistas performáticos contemporâneos, como Carolee Schneemann, Marina Abramovic or Hannah Wilke”.

A sexualidade feminina não mudou assim tanto desde 1970 " Eu sinto-me como tenha mudado muito, mas eu não sei quanto. À medida que envelhecemos, nós todos queremos olhar para trás e pensar que fizemos a diferença, mas é realmente difícil avaliar o passado. No desempenho de Glasgow, um dos dançarinos rapa os cabelos do corpo e tivemos uma resposta tão chocante. Raspar no palco não deveria ser tão radical em 2010, deveria ter sido feito na década de 1960. Você só pensa: "Supere isso." Claro, houve mudança e de progresso, mas eu não sei quanto. Eu continuo a olhar na secção pornô em quiosques e há mais em exibição do que nunca. Talvez seja uma libertação em si, mas de alguma forma não se sente como um todo. E ainda é apenas imagens de mulheres e homens.

Eu cresci em uma vila perto de Wigan. O feminismo teve que acontecer, caso contrário eu teria terminado numa instituição mental por que eu tinha 18 anos. Olhando para trás, era tão restritiva, mas eu suponho que nós tivemos algo muito sólido para chutar contra. É mais fácil quando a oposição é tão claramente definida. Nessa sociedade, todos os papéis eram tão prescritos. Eu tive sorte, de aos 16 anos descobrir grandes escritores como a feminista Germaine Greer, Mary Daly e Kate Millett, e senti como se fosse um grande momento para ser jovem. Lembro-me de ter todos esses livros e ter que usar um dicionário, era uma educação desse tipo. Então percebi que eu podia brincar com as revistas e usá-los como um espelho. Você pensa em Alice Through the Looking Glass, mas o que acontece quando você quebra o espelho? Todos estavam tão fixos, e a cultura era tão lento, e depois de todo o mundo chamar punk finalmente tudo aconteceu. Mas para aqueles de nós que estávamos lá no momento do punk, acabou numa data muito clara. A minha mãe costumava ficar muito a ler a tradicional revista feminina e em abril de 1977 uma das histórias era o punk "faça você mesmo para sua filha." Na época eu pensei: "Como se você precisasse de qualquer outra prova para isso."

A fusão de alta moda e arte é ao mesmo tempo agressivo e visionário.
Ao longo das últimas três décadas Linder tem usado a música, performance e a colagem como um veículo para o auto exame, pelo qual ela questiona a mercantilização da forma feminina dentro da sociedade. Ela esteve envolvida na cena musical de Manchester nos anos 70 e 80, tocando na banda Ludus, colaborou no fanzine The Secret Públic com Jon Savage e criou o grafismo do álbum, incluindo a capa dos Buzzcocks em 1977, Orgasm Addict. Esta capa foi infame de uma série de colagens que combina imagens de modelos nus glamour com utensílios domésticos, criação de híbridos monstruosos que refletiam o sexismo apático o tempo todo. Em apresentações recentes, ela adoptou personas de Ann Lee e Clint Eastwood como uma maneira de combinar a identificação cruzada da histórica com o rompimento das normas do género.

Linder nasceu em 1954, Liverpool. Ela apresentou recentemente mostras individuais na Stuart Shave/ Modern Art, London (2008), Baltic, Gateshead (2007) e PS1/Museum of Modern Art, New York (2007). Recentes shows include ‘The Dark Monarch’ (Tate St Ives, Cornwall, 2009), ‘After Twilight’ (Kölnischer Kunstverein, Cologne, 2009), ‘Crossroads’ (Salamanca Institute of Culture, Salamanca, 2008), ‘Cohabitation’ (Galleria Francesca Kaufmann, Milan, 2008) e ‘Punk. O seu trabalho está incluído nas colecções da Tate Britain e Tate Modern. Linder está fixada em Heysham, Lancashire.

Punk icon Linder provokes audiences with 13-hour performance

So, what is the point of 40 tap dancers?.

Em uma manhã de sexta-feira no início de Abril, sentada na sua casa de Lancashire, Linder Sterling, a artista feminista da cena punk de Manchester, deriva fora do pensamento, contemplando o som de dezenas de sapateadores ecoando no Arches, em Glasgow, onde realizou o seu show gigantesco para o Glasgow International Festival of Visual Arts (GI Festival). Eventualmente, ela volta à conversa. "A beleza e a glória de 40 sapateadores, é muito sedutor. Eles são agentes de glamour..".

É uma peça de improvisação de modo que não se sabe o que esperar, e como isso vai acabar ou mesmo começar. Ela usa tantos elementos da música e da moda que não se pode controlar. A peça foi originalmente realizada em Glasgow, e tem 13 horas de filmagens. Vê-lo, percebi que havia uma sincronicidade incrível, que nós não ensaiamos. É uma corda bamba de 13 horas, todos os seus sentidos são accionados, você está constantemente observando e ouvindo. Todas as lacunas e os espaços são realmente importantes e de repente tornam-se muito conscientes do tempo. Depois da performance em Londres, todos nós vamos viajar para o mais antigo jardim de rosas na Inglaterra, onde Tim Walker filma-nos com uma câmara de vídeo. Tudo vai ser marcado com bolo e vamos dormir na nossa make-up. Tim irá capturar tudo isso, toda a sequência.

Linder estalou durante obscuros momentos na música popular, nas artes visuais, fotografia e arte da performance, no noroeste da Inglaterra nos últimos 35 anos. Ela é uma Scouse e Manc Zelig. No fundo, porém, ela é uma etimologista. Ela mastiga palavras sobre como quem rumina. E a palavra que a define actualmente é "glamour".

The Darktown Cakewalk: Celebrated From The House Of Fame, comemorado a partir do House Of Fame, o show de 13 horas para o GI. Ela está numa missão para lembrar a Escócia que a fonte da palavra encontra-se aqui. Em 1600, foi usado em Glasgow e Edimburgo para descrever um feitiço ou encantamento. As mulheres foram mortas como bruxas pelo seu glamour ". Hoje, no entanto, são festejados por ela em shows de talentos de TV. “The X Factor é o the Hex Factor,” disse Linder.

A partir das 11h em 23 de Abril, ela pretende desempenhar com mutação glamour, "shifting persona" mais de 13 horas. Ela terá um conjunto poucos caracteres, uma musa, uma bruxa, uma estrela pop, mas será principalmente dança improvisada, música e efeitos visuais. Mais de 100 pessoas estão envolvidas, incluindo uma trupe de dançarinos de tango finlandês, musica de Stuart McCallum dos The Cinematic Orchestra e o estilista Richard Nicoll. Será tão improvisada que Nicoll desenhou e fez roupas durante todo o processo. Ele esteve presente durante toda a performance, criando fantasias na galeria. Richard e eu temos trabalhado juntos há dois anos, conhecemos-nos quando eu estava a ser filmada para a moda, porque queria emprestar algumas das suas roupas. Nós reunimo-nos brevemente, mas ele foi fácil de falar e tinha uma forma de trabalhar com meu corpo. Dois dias depois, ele disse, "Vamos apenas tentar trabalhar em alguma coisa juntos?"

"O show é também parcialmente pura curiosidade", diz ela. "O que acontece com o público, o que acontece com uma bailarina de 13 horas, o que acontece com um musico a tocar contrabaixo em 13 horas? Então talvez eu também seja uma cientista. Talvez eu esteja apenas fazendo experiências sociais. A estrela do pedaço é o próprio tempo. Nós somos todos subservientes ao tempo. "

O público pode entrar e sair dos Arches, durante todo o dia, deixando durante um julgamento de bruxas, retornando algumas horas depois de encontrar um banho de um concurso de belezas. Podia-se visitar a galeria Sorcha Dallas para ver uma nova exposição de collage art. Mas o show dos Arches é a sua forma de arte que se fez a sua assinatura. "Vai ser 13 horas da colagem em movimento. É uma forma muito democrática de trabalhar. Todos influenciam todos. Não há um único elemento dominante de todo. Isso é emocionante para o artista. "

Cakewalk Darktown, existe como um pedaço de folha de música a partir de 1899. A cakewalk refere-se a uma dança que se originou na década de 1890 em uma fazenda de escravos escravos negros nas plantações de açúcar na America, em 1800 que zombaram dos ricos proprietários brancos passeando as suas melhores e glamourosas roupas. Um movimento que Linder descreve como pinball "racial", e tornou-se um dos primeiros grandes danças e espalhar sobre o Atlântico na cultura mainstream muito rapidamente. Você ainda pode encontrar postais franceses que mostram como fazer o cakewalk. Suas origens são tóxicos, mas era uma dança satírica feita em grande oposição. É prova de que mesmo as pessoas mais horríveis tem condições para a poderem dançar. Em seguida, ele entrou na mídia de massa branca, e horrívelmente Darktown, o termo refere-se á cultura negra. E a segunda parte é de um masque Ben Jonson [The Masque of Queens], escrito em 1609, que tem o subtítulo "comemorado a partir do House of Fame". Ele foi escrito para a rainha da Inglaterra, por isso, é tudo sobre o excesso e eu pensei que era muito Lady Gaga para 1609.

A segunda metade do título vem de uma legenda para o jogo 1609 Ben Jonson, que é dividido com a histeria da feitiçaria do tempo e apresenta uma forma de passear Jacobean divertido, masque o. Todos glamorosos há sua própria maneira. "Glamour é o meu cavalo de Tróia", diz ela. "Eu nunca faço as coisas com slogans grande. Alguém disse que eu faço o implícito explícito. Isso é uma coisa boa. Você pode usar o entretenimento para as acalmarem as pessoas e reflectir sobre temas profundos de uma forma muito mais aberta. "

Como as palavras que ela des-constrói, significa muitas coisas para muitas pessoas e muitas vezes. Para a sua família, ela é Linda Mulvey, nascida em Liverpool, 1954. Para o cantor Morrissey, ela é uma amiga e confidente. "No meu dia mais escuro quando você se pergunta 'por que se preocupar?" - “On my most dark days when you wonder ‘why bother?’ – and there have been many over the years – he has been the one saying ‘bother’” .

Para uma geração desmamados durante o inverno de descontentamento ela é uma musa pós-punk. Ela usou a sua técnica de colagem para projectar a capa do single Orgasm Addict dos Buzzcocks, uma mulher nua com um ferro na cabeça e sorrir para um Cheshire gato "nipples ", datado Howard Devoto dos Magazine. Para as feministas, ela era um provocadora radical que usou um vibrador durante a reprodução de um show com sua banda Ludus no Hacienda, em 1982, e fez projectar um olhar joias como compressas ensanguentadas. Agora com 55 anos, a uiva punkish amadureceu e mudou-se dos três acordes, a phlegmic polemic. A arte da performer é agora a sua maneira de lidar com o quotidiano. "É o meu prazer de compensação", diz ela.

Em 1998, ela encheu uma escola em desuso com o sal industrial. Em 2000, filmou uma série de vídeos baseados em westerns spaghetti de Sergio Leone, com Linder a tocar Clint Eastwood Man With No Name e jovens de Manchester em pé como cowboys. E agora há 13 horas de Cakewalk, o seu mais ambicioso prazer "compensatório" ainda, e ela usa um pouco de non-punk linguagem para o descrever.

"É um banho quente maravilhoso, e você realmente vai querer ficar lá", disse ela. "O luxo de ter todo o tempo que realmente o afecta. Tudo fica mais lento. E eu estou muito animada em experimentar sobre isso. "

Linder não é estúpida o suficiente para dizer que este é o novo punk - ela é muito cuidadosa e ponderada na sua linguagem para fazer isso - mas ela não vê algumas semelhanças com a cena em que ela foi uma das "key iconographers".

"Quando eu olho para trás a cultura britânica no final de 1970, a de 7 polegadas, two-and-a-half minute single, foi muito radical", diz ela. "Eles foram fundamentais porque a cultura era muito lenta e sluggish. E as acções para o fazer com protesto eram como o punk em si: spiky, pointed, fast. Agora estamos numa cultura de gratificação instantânea e soundbites. Tudo é tão rápido.

"Portanto, agora a coisa mais radical é fazer 13 horas de dissonância mais complicados, consonância, harmônica, rítmica possibilidades ritimicas que você pode pensar. E os choques vêm em formas mais subtis. Nós vivemos numa cultura bombardeada por material - whether pornográfico ou muito, muito violento. A coisa mais radical é livrar-se das coisas, fora vazio e lento. Então eu acho que os actos mais radicais são os mais lentos, desajeitados, desarticulados queridos. "

“I’m Michelangelo, and time is my big slab,” she says. “OK everyone, here’s this big slab. Carve it, shape it, any way you will. Here we go. Here’s a hammer, here’s a chisel. Off you go.” disse Linder.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails