31/01/2012

DAVID CRONENBERG

O filme 'Cosmopolis', do realizador canadiano David Cronenberg e co-produzido por Paulo Branco, é considerado um dos mais aguardados de 2012, segundo uma votação realizada no site da estação de televisão MTV, dos Estados Unidos.

O canal de televisão realizou uma votação online com alguns dos filmes mais aguardados de 2012, entre os quais a segunda parte de 'A saga Twilight: Amanhecer', e 'The Dark Knight Rises', mas 'Cosmopolis', protagonizado pelo ator britânico Robert Pattinson, levou a melhor.

Com mais de três milhões de votos, 'Cosmopolis' foi eleito pelos espectadores daquele canal o filme mais aguardado do ano.

'Cosmopolis' é uma adaptação para cinema do romance 'Cosmopolis', do escritor norte-americano Don DeLillo, que o produtor Paulo Branco sugeriu a David Cronenberg.

A história de 'Cosmopolis' desenrola-se ao longo de 24 horas em Nova Iorque, é protagonizada pelo multimilionário Eric Packer, de 28 anos, que deambula pela cidade dentro de um carro de luxo.

Para o papel de Eric Packer foi escolhido o ator britânico Robert Pattinson, encabençando um elenco que integra agora os franceses Juliette Binoche e Mathieu Amalric e o norte-americano Paul Giamatti.

FRANZ FERDINAND NO MARÉS VIVAS 2012

Os escoceses Franz Ferdinand vão marcar presença no primeiro dia do Festival Marés Vivas, que decorre de 18 a 21 de julho em Vila Nova de Gaia, revelou hoje à agência Lusa o vice presidente da autarquia.

Firmino Pereira explicou também que os bilhetes custarão "30 euros por um dia de festival e 50 para os quatro dias".

O autarca considera assim que o `Marés Vivas` é um evento "low cost", porque é a organização do género "mais barata que se faz em Portugal".

Firmino Pereira tem também "elevadas" expetativas em relação a esta iniciativa, porque se pensou num "programa heterogéneo" como forma de assinalar "os dez anos do festival".

NICHOLAS RAY - We Can't Go Home Again

We Can't Go Home Again de Nicholas Ray, com Nicholas Ray, Leslie Levinson, Denny Fischer, Tom Farrell, EUA, 1976, Cores, 90 min.

Último projecto de Nicholas Ray, feito no difícil período final da sua vida. A versão que veremos nesta sessão foi montada por Susan Ray, a partir das nove horas de material inacabado deixadas por Ray, e foi estreada no Festival de Roterdão em 1980

A cópia de Roterdão ardeu e entre as raras cópias que subsistiram conta-se a que foi adquirida em Portugal pela Fundação Calouste Gulbenkian, entretanto depositada na Cinemateca (segundo Serge Daney, "nenhuma cinemateca poderá dormir em paz se não tiver nas suas reservas uma cópia de We Can't Go Home Again").

Filmado em 35, 16,super 8, 8 mm e em vídeo, utilizando a técnica do split-screen, o incompleto "We Can't Go Home Again" (expressão que significa "não se pode voltar ao passado") é o requiem da obra de Nicholas Ray. Texto: Cinemateca Portuguesa

LOW E TINDERSTICKS - Festival para Gente Sentada 2012

A edição de 2012 do Festival para Gente Sentada, que acontece em Santa Maria da Feira, já tem datas marcadas e nomes anunciados. Os Tindersticks e os Low são as primeiras bandas confirmadas para o festival marcado para os dias 24 e 25 de Março, no Cineteatro António Lamoso.


O concerto dos britânicos Tindersticks em Santa Maria da Feira acontece no dia 25 de Março, na véspera do concerto que têm marcado para o cinema São Jorge, em Lisboa, anunciado na segunda-feira.

Neste regresso a Portugal, a banda de Stuart Staples, é o álbum “The Something Rain”, gravado entre Maio de 2010 e Agosto de 2011 e que inclui 9 canções, entre elas “Medicine”, e que será editado a 20 de Fevereiro.

À beira dos 20 anos de carreira, os Tindersticks já tocaram muitas vezes em Portugal, em concertos nos coliseus, em festivais, em grandes e pequenas digressões e com mutações na formação do grupo.

O último concerto da banda em Portugal realizou-se no Verão do ano passado no festival Marés Vivas, em Gaia. O vocalista apresentou-se a solo no festival Sintra Misty, em Outubro.

O álbum chega às lojas no dia 20 de Fevereiro.

Com uma carreira de quase 20 anos, os norte-americanos “Low”, que actuam no primeiro dia do festival, vêm a Santa Maria da Feira apresentar o seu nono álbum, “C’mon”, editado em 2011.

O álbum, que conta com 10 temas originais, composto pelo casal Mimi Parker (percussão e voz) e Alan Sparhawk (guitarra e voz), foi gravado numa antiga igreja católica do Minnesota, aproveitando em absoluto as condições únicas do espaço

The Bad and the Beautiful (1952)

The Bad and the Beautiful (1952) diretor Vincente Minnelli (e produtor John Houseman) quintessencial sobre o cinema, considerado um dos melhores filmes sobre os bastidores de Hollywood. Jerry Thorpe foi assistente de realização. O filme está disponível em versão colorida por computador.

Banda sonora de David Raskin e fotografia de Robert Surtees, um melodrama noirish. Conta a história da ascensão "steamy" dezoito anos, e a cruel queda de um tirânico magnata do cinema, manipulador Hollywood - contada em flashback e de diversas perspectivas (do ponto de vista de um director, actriz e escritora vencedora do prémio Pulitzer).

Filme brilhante sobre maquinações behind-the-scene, o funcionamento e a atmosfera do mundo de celulóide escrito por Charles Schnee e baseado numa história curta (na questão de fevereiro 1951 Ladies 'Home Journal) por George Bradshaw intitulado "Tributo a um homem mau" título original do filme que foi mudado porque não fez qualquer referência à estrela feminina, Lana Turner. [O personagem central, um recém-falecido, intriguista, produtor da Broadway sem escrúpulos, foi transferido para um produtor de Hollywood megalómano-maníaco buscando um retorno.]

Foi um dos primeiros de uma longa sucessão de filmes (alguns cínico e críticos) que satirizou, ou examinou os ingredientes de mau gosto dos filmes na fabrica dos sonhos 'Hollywood', incluindo Show People (1928), A Star is Born (1937), Preston Sturges' Sullivan's Travels (1941), Billy Wilder's Sunset Boulevard (1950), the same year's and studio's Singin' in the Rain (1952), A Star is Born (1954), Joseph L. Mankiewicz' The Barefoot Contessa (1954), Robert Aldrich's The Big Knife (1955), The Goddess (1958), Minnelli's Two Weeks in Another Town (1962), The Oscar (1966), Truffaut's Day for Night (1973), John Schlesinger's The Day of the Locust (1975), The Last Tycoon (1976), The French Lieutenant's Woman (1981), Robert Altman's The Player (1992), e muitos mais.

Trailer, no entanto, descreveu esta imagem como "não a Hollywood de ontem, mas a Hollywood de hoje, mostrando o funcionamento de ambos, a imagem do estudio um grande movimento, e os bastidores de Hollywood que faz tick."

O FECHO DOS DOWNLOADS CADA VEZ MAIS SE APROXIMA

Com o apoio das principais empresas fabricantes de áudio, vídeo e outros conteúdos, foi desenvolvida a lei de combate à pirataria na Internet. Em Inglês, chama-se Stop Online Piracy Act ou SOPA.

A principal novidade é a capacidade de bloquear os sites que hospedam o conteúdo ilegal. E não importa em que servidor, americano ou internacional, o site está registado.

Após algum burburinho o Congresso americano adiou a votação sobre o projecto SOPA (lei de combate a pirataria na Internet) por um período indefinido. Especialistas acreditam que o documento em sua forma actual não será aprovado.

As maiores empresas de Internet posicionaram-se contra o projecto. A enciclopédia Wikipédia, o website de imagens e fotografias TwitPic, o blog-plataforma WordPress e outros recursos interromperam temporariamente o trabalho em protesto.

O fundador e dirigente do Facebook, Mark Zuckerberg pediu aos congressistas que não façam nada precipitadamente e considerem outras maneiras de proteger os titulares de direitos autorais.

A mesma opinião é compartilhada entre os criadores e presidentes das maiores empresas da Internet dos EUA. As corporações AOL, eBay, Facebook, Google, LinkedIn, Mozilla, Twitter, Yahoo! e Zynga fizeram um apelo a bloquear essa lei.

Hoje, de acordo com a lei Sobre os Direitos Autorais na Era Digital (Digital Millennium Copyright Act), o autor ou detentor dos direitos autorais que encontrar um site com a sua obra sem a sua autorização deverá, primeiro entrar em contacto com a administração do site e pedir a exclusão do conteúdo. Somente se o pedido for negado, o titular poderá processar o site. No entanto, a responsabilidade pelo conteúdo publicado é toda do utilizador que publicou, e não do site.

Se a lei for aceite, a responsabilidade será totalmente do site onde o conteúdo foi publicado. No entanto, esta responsabilidade não é fácil de gerir. O site Facebook, por exemplo, tem mais de 800 milhões de utilizadores. Como seguir todos eles?

Mas depois do Megaupload, segui-se:
- Megaupload – Fechado .
* FileServe – Fechando , não vende mais Conta Premium .
* FileJungle – Excluindo arquivos e bloqueado nos EUA .
* UploadStation – Bloqueado nos EUA .
* FileSonic – As notícias estão arbitrárias (sob investigação do FBI) .
* VideoBB – Fechado ! Deve sumir em breve .
* Uploaded – Banido dos EUA e o FBI vai atrás dos donos que sumiram .
* FilePost – Deletando todo material (só vão deixar executáveis , pdfs , txts) .
* VideoZer – Fechando , bloqueado nos paises afiliados aos USA .
* 4shared – Excluindo arquivos com copyright e aguarda na fila do FBI .
* MediaFire – Convocado à depor nos proximos 90 dias e terá de abrir as portas para o FBI .
* Torrent org – Poderá sumir com tudo em até 30 dias (esta sob investigaççao criminal) .
* Rede Share mIRC – Aguarda a decisão do caso Torrent para continuar , ou encerrar tudo .
* KoshiKO – Operando 100% japão , não ira aderir ao SOPA/PIPA .
* Shienko Box – Operando 100% China/Korea , não irão aderir ao SOPA/PIPA .
* ShareX BR – Grupo UOL / BOL / iG dizem que não irão aderir ao SOPA/PIPA .
* Rapidshare – Só com conta premium e termo de responsabilidade com seu CNPJ para upar arquivos superiores à 100 MB (ou seja quem se “ fode ” com o FBI é o uploader) .
* MediaFire – Pode cair a qualquer momento .
* Mirror Creator e Multiupload – são quase a mesma coisa e estão na Blacklist do FBI (seus donos já estão intimados à depor no FBI desde quarta-feira , mas sumiram do mapa).

A Europa já entregou de bandeja dpara o FBI poder rolar cabeças à vontade .

Filhos da Put..........

IMPERIAL TEEN

O quarteto de pop-rock Imperial Teen emergindo em S. Francisco quase há duas décadas, formada pelo Faith No More keyboardist Roddy Bottum, e por Lynn Perko, veterano baterista da Bay Area de groupos como The Dicks e Sister Double Happiness.
A estreia da banda "Seasick", saiu em 1996, as uas músicas passaram de um pouco malcriadas, a instantaneamente memoráveis ​​obras-primas de três minutos sobre festas, dor de cabeça, e a vida gay na América, versões mais maduras, e igualmente memoráveis.

Ao quinto álbum, que saiu recentemente em Feel the Sound, os membros da banda conseguem um som mais fresco e excitável do que um monte de bandas que estão começando agora. As melodias precisas das primeiras notas lembra as melhores harmonias dos Fountains of Wayne, aproxima-se do estilo de produção dos Weezer, e The Rentals, ouvimos o som de uma banda que nunca saiu de cena numa disputa para um retorno.
Continuando a musicalidade da sua tradição de power-pop as 11 músicas fazem leves acenos à influência das produções "over-the-top" dos Electric Light Orchestra, mas sem ir para uma orquestração exagerada, confirmando o status da banda como uma das melhores da música pop-rock.

LEES CLAYPOOL + ELECTRIC APRICOT: Quest For Festeroo + ENÓLOGO

Electric Apricot: Quest For Festeroo é um filme mockumentary pelo homem que conduz os Primus, Les Claypool, caracterizando-se assim como outras pessoas usando pseudónimos. A banda tocou Elétric Apricot em shows ocasionais entre 2004 e 2005, sem aviso prévio, na área da Califórnia. Electric Apricot também fez uma aparição no festival de música SXSW, em Austin, TX, 2007. O filme foi exibido em festivais de cinema internacionais, incluindo o Festival Bonnaroo Music Festival e The Raindance em Londres.

O filme conta a história de um cineasta da UCLA fazendo um documentário musical. Claypool desempenha o papel de baterista-vocalista Lapland "Lapdog" Miclovik da jam band-Electric Apricot, indo para o santo graal de festivais, Festeroo, um olhar cativante e torcido do fenómeno cultural americano conhecido como Jam Band scene.

National Lampoon Presents Electric Apricot: Quest For Festeroo apresenta a gravações em estúdio apenas de Electric Apricot, uma banda sem limites, sem medo, e nenhum indício - o hino "Hey Are You Going Para Burning Man?","Backroads Of My Mind", "Uncle Pete's Party" e"Sugar Train Blues" - mais o épicoao vivo de 19 minutos "Yog Sagoff," gravado em 2005 no Mill Valley, CA.

Também se ouve as jam gems "Shady Grove" dos Grateful Dead do lendario Jerry Garcia e David Grisman, Bob Weir (Grateful Dead, RatDog) e "Playing In The Band", Gov't Mule liderado por Warren Haynes (Allman Brothers Band) com "Time To Confess", guitarrista dos Primus Larry LaLonde com sua obra-prima da música electrónica "Calling All Sand Worms," Michael Franti & Spearhead com "Everybody Ona Move", o classioc "Fishing Blues" de Henry Thomas, e Stiff Dead Cat um tributo rock aos Dead com a sua versão"Dire Wolf".

Além do leader, nomes notáveis ​​do elenco inclue- Bob Weir, Mike Gordon, Warren Haynes, Seth Green, Matt Stone, Wavy Gravy, Dian Bachar, Arj Barker, Gabby La La, Sirena Irwin e Sam Maccarone.

O álbum da banda sonora foi lançado em 18 de Março de 2008, enquanto o DVD foi lançado a 13 de Maio de 2008.

Alguns enólogos obtém um pouco de reconhecimento, e de repente, pensam que são estrelas do rock. Depois, há Les Claypool, proprietário e enólogo das caves Claypool Cellars in Sebastopol. Ele esteve no centro das atenções desde a abertura na sua nova sala de provas no último verão. Mas na verdade ele é um astro de rock - vocalista e baixista dos Primus.

O residente a oeste de Sonoma County de grandes chapéus-coco e óculos goggle-style, também escreveu a música-tema frenético para o programa de TV "South Park" e produziu e foi estrela no mockumentary com a música chamada "Electric Apricot:. Quest for Festeroo" Há quatro anos atrás, ele começou a experimentar na produção de vinho, e ao invés de apenas vaidade no projecto, ele está colocando as mãos, ficando os dedos manchados do trabalho na adega.

O artista fez duas Russian River Valley Pinot Noirs chamada Purple Pachyderm (uma saudação a "Pachyderm Southbound" uma música dos Primus), mais um rosé Pinot Noir chamado Pink Platypus. E porque ele gosta de fazer as coisas ao estilo showman, no salão de degustação, ele e a sua esposa, Chaney Claypool, e os seus parceiros juntos ficam dentro de um vagão ferroviário estacionado no centro de Sebastopol Gravenstein Station.

Steve Hampton Trouzdale, aka-Aiwass - Bass guitar/Vocals (Adam Gates)
Steven Allan Gordon aka-Gordo - Lead Guitar/Vocals (Bryan Kehoe)
Lapland Miclovich aka-Lapdog - drums/Vocals (Les Claypool)
Herschel Tambor Brillstien - Keyboards/Vocals/Others (Jonathan Korty)

PRIMAVERA SOUND BARCELONA 2012

Na minha modesta opinião não deve de haver um festival como este - poucos festivais se atrevem a conseguir reunir um cartaz com tantas e boas bandas com nome no mundo da musica pop rock - é todos os anos.

O Primavera Sound regressa a Barcelona, de 30 Maio a 3 Junho. Já estão confirmados os The Cure, Björk, Jeff Mangum, Wilco, Justice, Death Cab For Cutie, Franz Ferdinand, Spiritualized, The Afghan Whigs, The xx, Mazzy Star, Yo La Tengo, Beach House, ASAP Rocky, araabMUZIK, e Neon Indian .

O festival revela o resto do line-up para 2012- Refused, Rufus Wainwright, Beirut, Chavez, The Pop Group, Atlas Sound, Laura Marling, Sharon Van Etten, The Rapture, Wavves, Danny Brown, Black Lips, Lee Ranaldo, Hype Williams, Kings of Convenience, Archers of Loaf, Dirty Three, The Wedding Present (performing Seamonsters) Girls, Real Estate, The War on Drugs, Saint Etienne, Richard Hawley, Iceage, Japandroids, Thee Oh Sees, Death Grips, Trash Talk, Bleached, Friends, Dirty Beaches, Lower Dens, The Field, Field Music, e Obits.

O Big Star’s Jody Stephens, o R.E.M. Mike Mills, entre outros vão fazer uma special performance aos Big Star’s Third.

Os bilhetes para o festival bilhetes já estão à venda por 180 € (+ taxa de reserva), no entanto, o preço vai aumentar para 190 € no início Fevereiro. Obrigatório.

BOB DRAKE

Bob Drake The Shunned Country ReR; 2005

29/01/2012

RIP: Paul Motian

Paul Motian, um dos mais influentes bateristas de jazz. Baterista inspirador e uma força criativa, um dos músicos de jazz mais influentes dos últimos 50 anos, morreu a 22 Novembro em Manhattan noticiou a rádio pública norte-americana NPR. Ele tinha 80 anos e morava em Manhattan.

Elegante e sempre á alerta - usava óculos escuros no escuro, ria muitas vezes e em voz alta - trabalhou de forma constante ao longo de décadas, e nos últimos seis anos mais ou menos quase inteiramente em Manhattan.

A causa complicações da síndrome mielodisplásica, uma doença do sangue e da medula óssea, disse a sua sobrinha, Cindy McGuirl.

Noticia atrasada, só agora tomei conhecimento, e como me deu a ouvir excelentes discos fica a minha pequenina homenagem a Paul Motian.

"Ele era um economista: cada nota frase e expressão eram contados," disse Greg Osby. "Não havia nada descartável".

O baterista de jazz norte-americano Paul Motian, tocou com os pianistas Bill Evans e Keith Jarrett, co-autor de "For a free Portugal",
Ele começou em grande no trio de Bill Evans, no final dos anos 1950 e início dos 60, com Keith Jarrett, e a adição do saxofonista Dewey Redman, no famoso "quarteto americano" de Jarrett durante a década de 1970. Mas foi na segunda metade da sua vida que Motian se encontrou como compositor e bandleader.

Após o "bebop" do pós-guerra e do papel do saxofonista Charlie Parker e do pianista Thelonious Monk, numa altura em que emergiam músicos como John Coltrane ou Bill Evans, LaFaro e Motian revolucionaram a cena jazzística ao elevar ao primeiro plano da interpretação a secção rítmica de um conjunto, atribuíndo-lhe a importância até então reconhecida apenas aos instrumentos solistas.

Os músicos que tocou com regularidade incluiu o saxofonista Joe Lovano e o guitarrista Bill Frisell, com quem teve um trio; o pianista Masabumi Kikuchi, os saxofonistas Greg Osby, Chris Potter e Mark Turner, com quem tocou em trios e quartetos ; os membros da Banda Bebop Electric, com guitarras elétricas múltiplas, que em 2006 tornou-se Paul Motian Band, e dezenas de outros.

Para quase todas as suas tropas, o seu repertório foi uma combinação de originais concisos e misteriosos, compôs ao piano padrões American songbook, e músicas da tradição bebop da sua juventude pelos gostos de Bud Powell, Thelonious Monk, Charlie Parker e Charles Mingus.

Stephen Paul Motian (ele pronunciava o seu sobrenome, que era armênio, como a palavra "movimento")o seu nome era originalmente pronunciado MOH-tee uhn, mas mais tarde levou-o a usar mais simples Motion, nasceu em Filadélfia em 25 de Março de 1931, e criado em Providence, RI. Em 1950 entrou para a Marinha. Após frequentar a escola de música em Washington, navegou ao redor do Mediterrâneo até 1953, quando estava estacionado no Brooklyn. Ele recebeu alta um ano depois.

Conheceu Evans em 1955, e no final da década, estava trabalhando num trio com ele e com o baixista Scott LaFaro. Desse grupo, em que o baixo e a bateria interagiu com o piano em partes iguais, continuou a servir como uma importante fonte para o moderno piano-trio de jazz.

No final dos anos 1950 e início de 1960 Motian toca com muitos bandleaders, incluindo Lee Konitz, Warne Marsh, Mose Allison, Tony Scott, Stan Getz, Don Cherry, Charles Lloyd, Carla Bley, Charlie Haden Liberation Music Orchestra, Johnny Griffin e, por uma semana, com Monk. Depois de deixar a sua parceria com Evans, trabalhou de forma constante com o pianista Paul Bley.

Motian tocou com o folk-rocker Arlo Guthrie no final dos anos 60, aparecendo em “Alice’s Restaurant” do cantor em 1969 no festival Woodstock.


Trabalhou com os grandes baixistas Scott LaFaro, Chuck Israels e Gary Peacock e aparecendo na maioria das "gravações inovadoras da época, incluindo Evans 1956, a estreia como um líder, New Jazz Conceptions. O grupo de Evans-LaFaro-Motian, em especial sobre álbuns como Sunday at the Village Vanguard e Waltz for Debby, é creditado com redefinindo as possibilidades de graça e de interactividade num trio de piano jazz.

"De repente, não havia restrições, nem mesmo qualquer forma", disse o escritor e o baterista Chuck Braman em 1996. "Foi completamente livre, quase caótica."

Na entrevista no dia da morte, Paul Bley lembrou: "Nós compartilhamos a mesma filosofia, musicalmente. Ele sabia que o que estava fazendo no passado não era a sua resposta. Ele viveu por um crescimento e mudança. "

Então, e ainda mais com o quarteto de Jarrett na década de 1970, Paul Motian afastou-se do balanço baseado no ritmo, ele improvisou livremente, ou tocava fora de forma melódica. Ansioso por crescer, além da percussão estudou e compôs num piano que havia comprado a Keith Jarrett, e em 1973 fez um registo das suas próprias composições para ECM, “Conception Vessel” com Mr. Jarrett e outros.

Um dos últimos registos que fez com o quarteto de Jarrett, "Byablue" (1977), consistiu na maior parte dos originais de Paul Motian.

Em trio, às vezes acompanhado por Haden, o saxofonista Joshua Redman ou a pianista Geri Allen, tributos registados para Evans, Monk e musicais da Broadway, além de originais de Motian. Durante as duas últimas décadas, Motian também gravou com os baixistas Ron Carter, Steve Swallow e Gary Peacock, o saxofonista Lee Konitz, e os pianistas Gonzalo Rubalcaba e Enrico Pieranunzi.

Além de Lovano e Frisell, Motian também foi apreciado por outros grandes músicos de jazz durante seus anos de formação. No início dos anos 90, formou o piano-less Bebop Electric Band, que incluiu dois saxofones e duas guitarras; em 2006 uma terceira guitarra foi adicionada. Entre aqueles que o colocam com banda foram os saxofonistas Redman e Chris Potter e os guitarristas Kurt Rosenwinkel, Ben Monder e Steve Cardenas.

Escreveu Potter, que também lançou o aclamado Lost in a Dream com Motian e o pianista Jason Moran no ano passado, "Eu aprendi muito com Paul, eu não sei por onde começar. Os seus instintos estéticos estavam num nível muito elevado, e ele tinha a força interior para confiar neles completamente. Ele foi tão generoso para mim e todos os outros músicos mais jovens que inspirou, eu estou tão agradecido por o ter conhecido. Eu só gostaria de poder tocar com ele mais uma vez! "

Joe Lovano, que trabalhou muitas vezes com Motian ao longo dos últimas três décadas, referiu"Paul tinha uma personagem forte e carismática, com muita energia e paixão. Ele tinha uma esfera completa de energia que você pode ouvir,e poderia mudar e transformar o humor num nanossegundo. Ele era muito sério e engraçado ao mesmo tempo. Ele era uma alma, bonita criativa, com muito amor e paixão. "

"Ele era um economista: cada nota, frase e expressão eram contados," disse Greg Osby. "Não havia nada descartável."

Lembrou Jarrett via e-mail "Paul foi um dos tipos: um baterista que pensava sobre a música, não apenas no ritmo, e lançou o seu próprio som em tudo o que ele tocou. Mas ele podia tocar qualquer coisa, e como ninguém. Ele estava comprometido com o seu trabalho, e não parava de aprender à medida que envelhecia. Quando queria começar a escrever música, aprendeu a escrever. Uma vez, enquanto estava a tocar no Vanguard, eu ouvi um estrondo, olhei para cima, e Paul não estava lá na sua bateria. Mas vindo de trás da sua bateria o seu braço, alcançava os pratos para não perder uma batida. Ele havia caído do banco da bateria com a sua emoção musical, mas nunca parou de tocar".

Apesar do fato de que Motian parou de fazer tourné por volta de 2004 tocou quase exclusivamente em Manhattan, seus grupos foram do cronograma do Village Vanguard, ele tocou e gravou prolificamente e emocionalmente ao longo da última meia década.

O mais recente álbum como líder foi este ano The Windmills of Your Mind, na Winter & Winter, apresentando Frisell, o baixista Thomas Morgan e Petra Haden, vocalista e filha do baixista Charlie Haden. Um documento em trio Motian com o pianista Chick Corea e o baixista Eddie Gomez, Further Explorations,2012, partir de Janeiro via Concord Jazz, gravado ao vivo na Blue Note, New York City, 17Maio de 2010.

LISTA DE SONS PARA UMA CRISE

Mix Tape: songs for an existential crisis

Side a.
helpless

01. The Sound - “I Can’t Escape Myself” (Jeopardy)
02. Scott Walker - The Seventh Seal (Scott 4)
03. Townes Van Zandt - “Waiting Around To Die” (Townes Van Zandt)
04. Echo and the Bunnymen - “The Disease” (Heaven Up Here)
05. Modest Mouse - “Make Everyone Happy Mechanical” (This Is A Long Drive…)
06. Karate - “Die Die” (In Place of Real Insight)
07. Low - “Always Fade” (Drums And Guns)
08. Women - “Untogether” (Public Strain)
09. Broadcast - “Dead the Long Year” (The Noise Made By People)
10. Songs: Ohia - “At Certain Hours It All Breaks Down” (Ghost Tropic)
11. Spacemen 3 - “Lord Can You Hear Me?” (Playing With Fire)

Side b.
hope more or less
songs for an existential crisis:
01. Brian Eno & David Byrne - “Help Me Somebody” (My Life In The Bush Of Ghosts)
02. The Replacements - “Hold My Life” (Tim)
03. The Wipers - “Now Is The Time” (Over The Edge)
04. Fugazi - “Bad Mouth” (13 Songs)
05. Josef K - “Crazy To Exist” (Entomology)
06. Mount Eerie - “What I Actually Am” (No Flashlight)
07. Daniel Higgs - “Fearfully And Wonderfully” (Love Is Love)
08. The Olivia Tremor Control - “No Growing (Exegesis)” (Dusk at Cubist Castle)
09. Leonard Cohen - “There Is A War” (New Skin For The Old Ceremony)
10. Defiance, Ohio - “Anxious And Worrying (The Fear, The Fear, The Fear)
11. Jonathan Richman & the Modern Lovers - “Fly Into The Mystery” (Rock ‘N’ Roll With The Modern Lovers)
12. Typhoon - “The Honest Truth” (A New Kind Of House EP)
13. Arthur Russell - “Being It” (World of Echo)

Crammed Global Soundclash 1980-89 Part One: World Fusion

Crammed Global Soundclash 1980-89 Part One: World Fusion, 2003.

1 Zazou/Bikaye - Munipe Wa Kati 2:57
2 Benjamin Lew & Steven Brown - Dans les jardins 1:11
3 Hector Zazou - L´apparition 0:40
4 Foreign Affair - Jounieh 2:26
5 Zazou/Bikaye - Mangungu 2:48
6 Benjamin Lew - Hommes assis devant un mur chaulé 1:10
7 Sussan Deyhim & Richard Horowitz - Ishtar 3:08
8 Hector Zazou - Vera C. 2:28
9 People in Control - When It's War 3:08
10 Mahmoud Ahmed - Sidetegnash Negn 2:33
11 Peter Principle - Sub-Lunar Folly 0:33
12 Bel Canto - The Glassmaker 3:46
13 Peter Principle - Le Maka 1:24
14 Aksak Maboul - Milano per caso 3:30
15 Zazou/Bikaye - Mama Lenvo 2:35
16 Nadjma & Adrian Sherwood - Ravishments in the Seraglio 1:34
17 Hector Zazou - Cine Cittá 0:45
18 Family Fodder - The Big Dig 2:19
19 Foreign Affair - Bonus B/ea/s/t 1:50
20 Sussan Deyhim & Richard Horowitz - Desert Equations 1:09
21 Tuxedomoon - In a Manner of Speaking 1:38
22 Peter Principle - Tippi Rider 0:57
23 Aksak Maboul - Retour chez les futuristes 0:34
24 Daniel Schell - Un Celte 3:00
25 Minimal Compact - Hole Version 1:09
26 The Honeymoon Killers - Décollage 2:32
27 Benjamin Lew & Steven Brown - Bamako ou ailleurs 0:46
28 Tuxedomoon - Volo Vivace 1:01
29 Sonoko - Sunny Day 1:07
30 Poto Doudongo - Bolingo 4:08
31 Aksak Maboul - Scratch Holiday 3:26
32 Minimal Compact - Low Flight 0:42
33 Tuxedomoon - The Waltz 0:26
34 Sonoko - Romeo Sama 2:02
35 Hermine - Blue Angel 2:4

WHITE FENCE

White Fence White Fence Is Growing Faith,2011 Tim Presley ( Darker My Love) volta ao seu one-man-project White Fence,a um estúdio e suavizar ou reforça o som quase desafiador e caseiro do primeiro álbum mesmo tendo o mesmo registo, a mesma inventividade, as mesmas melodias, stoned acoustic ballads, e uma cover Johnny Thunders' “You Can’t Put Your Arms Around a Memory”).

Ao contrário de muitos contemporâneos,as suas influências psychedelic, não pararamm no C-86. Elas voltam cerca de duas décadas, ouviu todos os Pebbles meados dos anos sessenta (a spin-off of the Pebbles series, Highs in the Mid Sixties)e Rubbles. A gravação também traz à mente os Television Personalities e os grupos que Daniel Treacy produziu Whaam! na sua label em meados dos anos 80.

MUSIC NOW FESTIVAL - CINCINNATI

O anual Cincinnati MusicNOW festival 2012, criado ppelo The Nacional, Bryce Dessner, apresenta "música contemporânea e artistas que assumem riscos e não se encaixam perfeitamente em categorias." este ano ocorre em 28, 29, 30 de Março, e o lineup inclui Nico Muhly, Sufjan Stevens, Bryce Dessner, Philip Glassvai fazer equipa com Chicago sextet, para uma performance da sua composição "Music in Similar Motion".

No festival desde 2006, já passaram nomes como Bill Frisell,My Brightest Diamond, Grizzly Bear, The Dirty Projectors,Clogs, Andrew Bird, Glenn Kotche,Joanna Newsom
St Vincent, entre muitos outros.

http://www.musicnowfestival.org/

FRANK ZAPPA

A música e o bom humor andam de mãos dadas. Frank Zappa (1940-1993), um dos maiores génios da música, sabia como ninguém ao longo de 30 anos de carreira e mais de 60 álbuns, produzir pérolas como a letra de “Bobby Brown Goes Down”, que conta de forma rufia a história de um garoto americano que faz de tudo para se dar bem, sem medo de encarar pelo caminho lésbicas, sadomasoquismo, e o diabo.

As letras bem sacadas de Zappa serviam de porta de entrada para seu universo musical altamente sofisticado, muitas das suas fotos Zappa aparece em situações meio absurdas, entre as mais famosas há imagens dele sentado no “trono”, enfiando o dedo no nariz, fumando uma boneca pelo rabo ou ainda vestido de mulher. O compositor levantou a questão do humor no álbum que gravou ao vivo em 1984, “Does Humor Belong in Music?”.

Enquanto nos EUA Zappa cantava que “virou gay depois de fazer sexo com uma lésbica”, o Brasil também ganhava sua primeira banda de rock a focar no humor e na provocação.

Os Mutantes, trio paulistano nascido em 1966, no bairro da Pompéia, que tinha como integrantes os irmãos Arnaldo e Sérgio Baptista e a cantora Rita Lee. Já no primeiro disco, “Os Mutantes”, lançado em 1968, o grupo mostrava que não ia se encaixar facilmente no padrão da época, dominado pelo bom comportamento da Jovem Guarda.

Letras doidas como a de “Senhor F” (o Senhor F vive a querer ser Senhor X, mas tem medo de nunca voltar a ser o Senhor F outra vez), e um visual totalmente maluco foram fundamentais para atrair a atenção do público. E como se tratava de uma banda realmente genial, era preciso convencer todos de que aquilo era música de excelente qualidade.

Com uma história de sucesso meteórica e fim trágico, os Mamonas Assassinas deixaram o seu nome na história como a banda mais divertida que o Brasil já viu tocar. Misturando forró, heavy metal, rock progressivo e até fado na base, os Mamonas, representados pela figura carismática do vocalista Dinho, fizeram rir senhoras fãs do Programa do Gugu até criancinhas.

A morte trágica dos cinco integrantes do grupo, num acidente com o jacto particular que os levava de Brasília a São Paulo, em 2 de Março de 1996, chocou o Brasil e o mundo.

28/01/2012

JON STEWART, TRENT REZNOR, MARILYN MANSON

jon stewart trent reznor nine inch nails marilyn manson

ISLANDS

Depois da dissolução da banda, indie rock lo-fi, Unicorns,os membros Nicholas Thorburn (aka Nick Diamonds; vocais, guitarra, teclados) e Jaime Thompson (aka J'aime Tambeur; bateria) formam os Islands, mais focado no indie pop. Desde a sua formação no início de 2005, a banda canadiana também contou com uma programação flutuante de colaboradores tanto em concertos como nos registos.

Essa lista inclui Alex e Sebastian Chow (de 1993 e 1994 World Super NES Fest champions),Jim Guthrie (neto de Woody e sobrinho de Arlo), e os rappers Subtitle e Busdriver.

O grupo ançou o álbum de estreia Return to the Sea em 2006, apoiando o seu lançamento internacional com uma turné ao lado de Metric. No entanto, membro fundador Tambeur anunciou a sua saída da banda, um movimento que exigia o grupo rapidamente muda-se o seu line up, a tempo de uma turné europeia.

Dois anos mais tarde, os Islands, fecham um novo contrato com ANTI-Records e lançou um segundo álbum Arm's Way, que diferenciou-se do anterior, abstendo-se de todas as aparências de convidados.

A banda acabam por abrir as portas para um convidado especial, no entanto, como Tambeur voltou aos Islands apenas a tempo para aparecer no terceiro album, Vapours. Seu retorno seria de curta duração, no entanto, como o grupo anuncia a partida de Tambeur outra vez em 2010, com o baterista Aaron Harris, um ex.integrante da banda entre 2006 e 2009, chegando de volta para tomar o seu lugar. Depois do side project Mister Heavenly, de Nick Thorburn, o próximo álbum da banda, A Sleep & a Forgetting, apareceu no início de 2012.

JOY DIVISION E O RATO MICKEY

A criação de Peter Saville, o designer ligado à história da própria Factory Records, a editora que lançou os Joy Division, e a capa de Unknown Pleasures.

Peter Hook considerou a ideia da Disney em produzir uma T-Shirt do Mickey adaptando uma capa dos Joy Division «um grande elogio».

A cabeça do Mickey Mouse é retratada na camisola feita a partir das ondas produzidas por um pulsar do espaço, o mesmo conceito usado no album.

A Disney admitiu :
"Inspirado pela icónica capa do álbum 'Unknown Pleasures' dos Joy Division, estas ondas - Waves Mickey Mouse Tee T, incorpora a imagem dentro do gráfico do pulsar de uma estrela".

Em declarações ao NME, o baixista da banda diz não ter dado autorização para a utilização da imagem de «Unknown Pleasures» mas acrescentou que a capa é pública. «De uma forma engraçada, é um grande elogio de uma grande empresa como a Disney, escolher uma pobre e pequena banda de Manchester, que só existiu durante um par de anos», ironizou Hook.

A MTV questionou também se alguém teria falado com o músico ao que este respondeu: «Que eu saiba não. Como eles não falam comigo, não haveria forma de eu saber».

Hook voltou a assumir o tom jocoso ao assumir que «já vi muitas t-shirts do Rato Mickey, mas tenho de dizer que esta é provavelmente a melhor... (...) Espero que a Disney seja tão compreensiva quando nós começarmos a fazer camisolas do Pato Donald», concluiu.

REAL ESTATE

New Jersey's hazy indie rockers Real Estate, são os Titus Andronicus 'Martin Courtney e Etienne Duguay (que também grava como Predator Vision), Alex Bleeker, e Mateus Mondanile, também dos Ducktails. O quarteto tinha tocado juntos em bandas - incluindo uma banda de covers dos Weezer - durante o liçeu, mas não se tornou Real Estate, até Courtney devolver os Garden State, após fazer a faculdade em Olympia, Washington.

Depois de formarem no Verão de 2008, a banda começou a tocar ao vivo e lançou o Beverage Suburban 7 ", que introduziu a marca surfy, lo-fi pop, no início de 2009. A música no Underwater Peoples Records Showcase, e the Fake Blues EP, apareceu naquele verão, a banda passou a fazer uma tourné com os Girls, antes da sua estreia,o auto-intitulado disco, lançado pela Woodsist. O quarteto juntou-se ao elenco da Domino Records em 2011, para o seu segundo álbum, Days.

LAURA MARLING

Singer/songwriter Laura Marling foi com apenas 16 anos que surgiu na cena indie britânica, em 2007, graças a um punhado de singles disponibilizado no seu perfil MySpace.

Dotada de uma voz rouca, uma guitarra acústica, e um dom para a construção peculiar de canções hooky folk (características que se encontram, e a tem comparado favoravelmente com artistas como Lily Allen, Regina Spektor, ou Martha Wainwright), Marling rapidamente fez nome para si mesma por toda a Inglaterra graças a uma pesada agenda de shows e alguns shows de alto nível, não menos uma aparição no City Showcase 2006: Spotlight London, abrindo para Jamie T. .

No início de 2008, assinou contrato com a Virgin, Alas I Cannot Swim, também veio como parte de um pacote Songbox multimédia. Em 2010, Marling lança o seu segundo sophomore álbum, I Speak Because I Can, mostrou mais profundidade e maturidade do que se poderia esperar de quem tem (então) 18 anos de idade- foi nomeado para o Mercury Music Prize. Elevando o valor da produção (graças companheiro nos Mumford & Sons, e produtor Ethan Johns, dos Kings of Leon e Ryan Adams)bem como das suas composições.

O terceiro album de estúdio, A Creature I Don’t Know, chegou em 9 de Setembro de 2011, e logo foi nomeado por algumas publicações como um dos melhores do ano.

MUMFORD SONS

Mumford & Sons Sigh No More,2009. Estréia dos British folk, Mumford & Sons deve mais do que um aceno superficial para bandas como os Waterboys, The Pogues, e Men They Couldn’t Hang. Mistura inebriante do grupo de imagens bíblicas, introspecção pastoral, como em "The Cave," "Winter Winds," e "Little Lion Man," é difícil não se deixar levar.

Tal como os seus contemporâneos da cena folk Londrina, Noah & the Whale, Johnny Flynn, e Laura Marling ...está longe de ser tradicional. Há uma veia profunda de "Americana" do século 21 que atravessa o álbum, sugerindo uma dieta saudável de Fleet Foxes, Arcade Fire, Sufjan Stevens, Blitzen Trapper, e Marah.

(A Deluxe Edition of Sigh No More, foi lançado em Dezembro de 2010, e contou com o álbum original, um segundo disco de 12 gravações ao vivo e um DVD que incluía todas as três partes do documentário "Gentlemen of the Road".}

THE BIG PINK

The Big Pink há uns quase quatro anos, despertou a curiuosidade com o single Velvet (2009) já este era um filão cansado,( shoegaze anos 80) todavia captaram o foco das atenções. O álbum de estreia, A Brief History Of Love, editado pouco depois, mostrava logo que Velvet era episódio algo solitário num espaço com poucas outras ideias do mesmo calibre... três anos depois, regressam, Future This em tudo confirma esta visão. Guitarras e electrónicas em diálogo semelhante. O duo Furze e Cordell produziu o álbum, com a engenharia feita por Rich Costey, que ajudou os últimos registos dos Mew e Glasvegas.

No seu álbum de estréia, "Uma Breve História do Amor" os The Big Pink mergulham em todos os aspectos na primeira onda do shoegaze. A dupla de Robbie Furze e Milo Cordell, têm feito um estudo completo da música de guitarras saída das nativas bandas UK, no final dos anos 80, início 90, e trabalham para construir o seu som num conglomerado impressionante de influências desde uns Catherine Wheel, à sobrecarga de guitarra dos My Bloody Valentine, aos loops de bateria e elementos de dança dos Chapterhouse, o brilho, escuro industrial dos Curve, a épica varredura dos Verve, e os vocais a lembrar a expansividade de Richard Ashcroft, mas com uma abundância de truques de produção moderna.

LEGENDARY PINK DOTS- album para ouvir antes de morrer

Album para ouvir antes de morrer: The Legendary Pink Dots
"The Maria Dimension" Play It Again Sam (1991).

Pode uma banda ter mais de 40 álbuns editados e morar longe das atenções de muitos, até mesmo os que acompanham de perto os caminhos da música dita alternativa?

Um exemplo dessa existência hoje afastada dos holofotes dos organizadores dos festivais- Portugal, dos blogues e redes sociais, dos jornais e das revistas da especialidade, são os LEGENDARY PINK DOTS..

Pela minha mínima parte que me toca, tenho contribuído para o não esquecimento, tanto aqui, no Marcas Cardeais, como ainda no meu Facebook.

Tenho uma enorme recordação da banda liderada por Edward Ka-Spel (eu e poucos colegas sabem das minhas condições) de como fui e como fiz a viagem para Viseu, finais anos 80, só para assistir ao vivo ao concerto dos LPD (também tocaram os Yo La Tengo, entre outros).

Para ajudar a piorar a situação o concerto integrado nas festas da cidade de Viseu, começou mais tarde que o previsto, já passava da meia noite. Já haviam tocado muitas bandas - o atraso português. O palco acabou invadido pela força policial da GNR, com um papel na mão dizendo que já passava da hora permitida pela câmara municipal de se fazer barulho. Que grande confusão. Ainda hoje tenho o papel do alinhamento do concerto.

A outra triste recordação para mim foi, as primeiras 100 edições deste disco, trazia
como bónus, um mini album. Hoje sempre que falo dos LPD, lembra-me que já não tenho esta excelente obra prima. Recuerdos tristes.....as minhas frustrações musicais.

RITA LEE PASSA Á REFORMA

A cantora e compositora anunciou a retirada dos palcos durante a apresentação no Circo Voador em 21 de Janeiro.

“Queria falar uma coisinha… uma coisinha leve. Eu poderia dizer que este é o penúltimo show, mas eu considero o último… o último da turné. E eu vou me aposentar dos palcos. Aposentadoria é bom… 67 anos… tá bom, foi tão bom.”

Foi assim que se despediu dos palcos Rita Lee, uma das artistas mais influentes do rock brasileiro, que fundou o internacionalmente aclamado grupo de rock “Os Mutantes”, junto com Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, e vendeu milhões de álbuns em mais de 40 anos de carreira.

A cantora se emocionou enquanto recebia a salva de palmas de todos que estavam presentes no show do Circo Voador.

GAIA 2012 DÁ MUSICA - ECHO and the BUNNYMEN

A programação para 2012 do pelouro da Cultura de Vila Nova de Gaia tem uma aposta clara na música, com os ciclos Concertos de Verão, «Conta-me histórias», «Concertos Íntimos no feminino» e o festival de jazz e blues.

No dia 30 de Junho, os Echo & the Bunnymen, banda fundamental dos anos 1980, integrados nos Concertos de Verão, apresenta-se em Gaia. O ciclo completa-se com a atuação de Rui Veloso (6 de julho) e dos históricos Manfred Mann (7 de julho).

R.I.P. ETTA JAMES + MARK REALE

Aos 56 anos, Mark Reale, guitarrista e fundador do Riot sofria já há algum tempo os efeitos da Doença de Crohn, que estava em estado crítico.O guitarrista trabalhou com muitas dores em grande parte dos ensaios para o novo álbum “Immortal Soul”.

A banda não é estranha à doença e morte. O vocalista original, Guy Speranza, morreu de cancro pancreático em 2003 e o seu segundo vocalista, Rhett Forrester, foi morto em 1994.

Etta James, cujo verdadeiro nome é Jamesetta Hawkins, nasceu a 25 de janeiro de 1938 em Los Angeles. Em criança começou a cantar numa igreja e na adolescência fez parte de um grupo “doo-woop” [estilo de música vocal baseado no r&b].

Nos anos 1960, foi viciada em heroína, dependência da qual se libertou em meados dos anos 1970, altura em que se tornou numa das mais respeitadas vozes femininas de então.

Ao longo da carreira, Etta James editou 30 álbuns de originais. Em 1993 entrou para o Rock & Roll Hall of Fame e três anos depois, por causa de um anúncio publicitário da Coca-Cola, voltou a ser falada com uma versão do tema "I just wanna make love to you", gravada nos anos 1960.

Em 2008, Beyoncé interpretou-a no filme "Cadillac Records", sobre a editora Chess Records, e no ano seguinte cantou um dos seus clássicos, "At Last", a Barack e Michelle Obama, no primeiro baile comemorativo da tomada de posse do presidente dos EUA.

A cantora norte-americana morreu num hospital na Califórnia, onde estava internada e ligada a um ventilador desde o final de Dezembro de 2011.

A artista, que completaria 74 anos na próxima quarta-feira, encontrava-se já em estado terminal devido a uma leucemia incurável.

As vendas dos álbuns de Etta James registaram uma subida de 378% após a sua morte, na semana passada.

A cantora faleceu na passada quinta-feira (20 de janeiro), após uma longa batalha contra a leucemia, que durava desde 2010.

NEIL YOUNG PREPARA DOIS ALBUMS EM 2012

Neil Percival Young,(nascido em 12 de Novembro de 1945) cantor e compositor amplamente considerado como um dos músicos mais influentes de sua geração, começou tocar como um artista solo no Canadá, em 1960, antes de se mudar para a Califórnia em 1966, onde co-fundou os Buffalo Springfield, juntamente com Stephen Stills e Richie Furay, e mais tarde juntou-se a Crosby, Stills & Nash, como o quarto membro em 1969. Com uma aclamada e bem sucedida carreira a solo, lançando o primeiro álbum em 1968, desde então, espalhou-se por 40 anos e 34 álbuns de estúdio, numa exploração contínua e intransigente de estilos musicais.

Em 2003, “Greendale”, contou com parte da banda Crazy Horse durante a gravação. Porém, o último lançamento com a formação completa aconteceu há aproximadamente 16 anos, em 1996, com o álbum “Broken Arrow”. O músico comentou sobre esses trabalhos numa conversa com o director Jonathan Demme, enquanto falavam sobre o documentário “Journeys”, de Neil e a banda Crazy Horse, durante um evento paralelo ao festival de cinema Sundance, nos Estados Unidos.

A Crazy Horse foi a banda de apoio de alguns importantes trabalhos de Neil, como “Rust Never Sleeps” e “After the Gold Rush”.

Neil Young anunciou que está preparando dois novos álbuns, que espera lançar ainda em 2012.

Segundo Neil Young, um dos álbuns previstos já está pronto e o grupo está trabalhando no segundo.Um deles será com o grupo Crazy Horse, o primeiro desde 2003.
O disco mais recente do canadiano é "Le noise", de 2010.

Recentemente, Neil comentou que tem problemas com a qualidade do som de hoje em dia, indignado com a péssima qualidade. Esperamos que seus álbuns possam ajudar a mudar um pouco esse quadro – os amantes da música agradecem…

Neil Young mostrou o seu desagrado pela música hoje em dia e pelo modo como ela é gravada. O músico revelou em entrevista à «MTV News» que a qualidade de som é a pior que se podia ter, apesar de estarmos em 2012.

«Estou a ter muitos problemas em gostar da qualidade de som da música hoje em dia. Não gosto e isso deixa-me zangado. Não é a música em si, mas sim a qualidade do som. Estamos no século 21 e temos o pior som que podiamos ter. Onde é que estão as mentes brilhantes, o que é que aconteceu?», disse Young à «MTV News», citado pelo «NME».

Neil Young critica o processo de gravação de música em estúdio, pois acredita que a qualidade de som não é boa e isso está a afectar a forma como as pessoas ouvem música.

O músico acrescentou: «Eu quero dizer aos artista que é por causa disto que as pessoas ouvem música de uma maneira differente. Hoje-em-dia, parece que o que interessa é a batida forte e os sons graves e por causa disso não se consegue ouvir mais nada. A harmonia nos tons mais agudos desapareceu».

Apesar de não gostar da forma como os artistas estão a gravar a música hoje em dia, Neil Young fez questão de mostrar o seu apreço por algumas bandas.

«Os Mumford and Sons e os My Morning Jacket são excelentes bandas.

Zebra escapa de ataque de leão

Um fotógrafo amador capturou o raro momento em que uma zebra conseguiu escapar de um leão dando um coice na cara do predador.

As imagens foram feitas no parque nacional de Ngorongoro, na Tanzânia, pelo fotógrafo amador americano Thomas Whetten, de 63 anos. Whetten, que é de Tucson, no Arizona, organiza safáris fotográficos na África. Mas mesmo para ele a cena foi um presente raro.

"Foi espectacular - melhor que no cinema. É muito raro para uma zebra escapar de um leão ilesa", disse o fotógrafo. "O engraçado é que algumas pessoas no jipe em que estávamos ficaram entediadas de observar o leão, que estava parado. Elas foram embora antes da acção e perderam toda a sequência."

Toque de telemovel interrompe a Filarmônica de Nova York

Orquestra Filarmónica de Nova York, uma das mais conhecidas do mundo, em 170 anos de história, nunca tinha paralisado uma apresentação. O maestro Allan Gilbert estava regendo o último movimento da nona sinfonia do compositor Gustav Mahler, e o toque insistente tirou a concentração dos músicos e não teve outra saída.

O maestro teve que interromper a apresentação. Desceu do palco e pediu ao dono do do telemóvel para desligar o aparelho. A plateia, acostumada ao mais absoluto silêncio, estava revoltada.

Uma repórter do Wall Street Journal estava lá. Disse que todos ficaram indignados. E que, para piorar, o dono do aparelho estava na primeira fila do teatro.O constrangimento foi geral.

Parar uma apresentação no meio de qualquer espectáculo deixa o público tão mal quanto os músicos. E logo com uma orquestra sinfónica famosa num ano em que nos Estados Unidos quatro orquestras fecharam, por falta de dinheiro.

CAETANO VELOSO + DAVID BYRNE

Um novo álbum ao vivo de Caetano Veloso chegará às lojas dos Estados Unidos no dia 13 de Março. Gravado em parceria com o cantor norte-americano David Byrne, "Live at Carnegie Hall" traz o registo da apresentação da dupla em Nova York, em 2004, durante o festival Perspectives, que teve Caetano como curador.

Acompanhados pelo violoncelista Jaques Morelenbaum e pelo percussionista Mauro Refosco, Byrne e Caetano tocam canções das respectivas carreiras — juntos e em separado —, além de canções dos Talking Heads, numa apresentação acústica e intimista.

"Quando recebi o convite para a curadoria do Perspectives, o artista americano que tive a certeza de que chamaria foi David Byrne" disse Caetano.

O PADRE O RETIRO ESPIRITUAL E O CRUZEIRO DE LUXO

Um padre italiano disse aos seus paroquianos que se iria ausentar para realizar um retiro espiritual, mas foi descoberto entre os sobreviventes do naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, segundo uma mensagem divulgada pela sua sobrinha numa rede social e divulgada pela imprensa italiana.

O padre, Massimo Donghi, havia comunicado aos fiéis de sua paróquia em Besana Brianza, na região de Lombardia, que iria meditar por alguns dias, mas na realidade ele embarcou com a mãe e com a sobrinha no cruzeiro que naufragou no último dia 13 em frente à ilha italiana de Giglio, informou nesta sexta-feira (27) o "Corriere della Sera".

O padre Massimo Donghi foi desmascarado pela sobrinha, que, poucas horas logo após chegar a terra escreveu uma mensagem no Facebook, dizendo que ela, o tio e a avó tinham sobrevivido e estavam a salvo.

A sobrinha do padre explicou que a família conseguiu se salvar subindo para um bote salva-vidas que os levou até a ilha de Giglio, como fizeram tantos outros sobreviventes.

Os fiéis da paróquia ficaram muito surpresos com a notícia e agora pedem explicações ao padre sobre a mentira, segundo os jornais.

27/01/2012

MIKA VAINIO + PAN SONIC

Hoje é dia do finlandês Mika Vainio tocar a solo no Porto, um dos nomes cimeiros da música electrónica das últimas décadas, primeiro com os Pan Sonic, e depois a solo, assinando como Ø. Em "Life (...It Eats You Up)", o seu álbum mais recente, trabalhou pela primeira vez o som da guitarra eléctrica como elemento primordial.

Também esta noite começa o terceiro "Fim-de-Semana Especial" do Teatro Maria Matos, em Lisboa. Dedicado ao trigésimo aniversário da Touch, "casa" que alberga nomes como os do austríaco Christian Fennesz ou do americano Phil Niblock, arranca hoje com a norueguesa Jana Winderen, e com o artista multimédia sueco Carl Michael von Hausswolff, figura central na Touch que regressa depois da passagem pelo Maria Matos em Setembro de 2009.

Amanhã prossegue com Leslie Winer, amigo de William Burroughs e de Basquiat e autor de um álbum "Witch" (1993),com Mika Vainio. O ex. Pan Sonic não estará sozinho em Lisboa. Com ele estará Bruce Gilbert, um dos fundadores dos Wire.

APOLLONIDE DE BERTRAND BONELLO

Paris, finais do Século XIX. No bordel Apollonide, uma prostituta é atacada por um sádico que lhe deixa um grande corte no rosto num sorriso permanente e trágico. Em torno da mulher que ri, as outras raparigas vivem as suas rivalidades, medos, alegrias e dores. Do mundo exterior elas nada sabem, o Apollonide está fechado para o mundo.
Estreado em Maio de 2011 no Festival de Cannes, um filme de Bertrand Bonello ("Tirésia", "De la Guerre") sobre a violência, o sexo e a humilhação sob o ponto de vista das mulheres num contexto fechado.

Apollonide - Memórias de Um Bordel de:Bertrand Bonello

Título original: L'Apollonide (Souvenirs de la maison close)

Jean Paul Gaultier + Amy Winehouse

Mitch Winehouse classificou de «mau gosto» o desfile de Jean Paul Gaultier inspirado na filha.

O estilista prestou tributo à cantora na Semana de Moda de Paris com uma colecção inspirada em Amy Winehouse. Ao Sun, o pai Mitch classificou as peças de «mau gosto».

«A família ficou preocupada ao ver as fotografias. Foi um choque total», assumiu.

«Ainda estamos a digerir a morte dela e foi uma semana difícil porque passam seis meses sobre o sucedido», comentou. Mitch Winehouse revelou também não ter sido consultado sobre a colecção de Gaultier.

«Estamos orgulhosos da sua influência na moda, mas encontrar véus negros sobre os modelos, fumando cigarros com um quarteto a cantar a música dela é de mau gosto. A colecção mostra a Amy quando ela não estava no seu melhor, e romantiza alguns dos momentos mais perturbadores em sua vida», lamentou.

O progenitor queixou-se ainda do facto de Jean Paul Gaultier não ter contribuído para a Fundação Amy Winehouse. «Basicamente, só quer fazer dinheiro», criticou.

Nick Cave e Warren Ellis compõe nova banda sonora

Nick Cave e Warren Ellis escreveram a banda sonora do filme «West of Memphis».

O documentário estreou-se esta semana no festival de Sundance e recorda o caso «West Memphis Tree», em que três homens foram libertados da prisão após 18 anos na cadeia por alegado assassinato de três crianças, nunca assumido. A obra incide sobre os três cidadãos e os seus apoiantes.

De acordo com a Reuters, a autoria do crime é atribuída ao padrasto dos irmãos. Cave e Ellis, ambos companheiros nos Bad Seeds e nos agora extintos Grinderman, assinaram as bandas sonoras de «The Road» (2005) e «The Proposition» (2009).

Para este ano, está previsto um regresso dos primeiros para compor e, possivelmente, gravar.

D´ANGELO

D´Angelo voltou aos palcos após onze anos de ausência na última quinta-feira em Estocolmo.

No início da European D-Tour, o cantor apresentou dois inéditos, «Sugar Daddy» e «Charade», reporta o Village Voice citado pela Pitchfork. De acordo com o baterista dos Roots, ?uestlove, um novo álbum está quase pronto.

O anterior, «Voodoo», data de 1999.

LUX + TOM BARMAN+ ED HARCOURT

É já esta noite que o Lux, em Lisboa, recebe actuações de Ed Harcourt e Tom Barman.

O vocalista dos dEUS irá realizar um DJ set, ao passo que Ed Harcourt vem apresentar um espectáculo ao piano, pode ler-se no Facebook da discoteca alfacinha.

Ed Harcourt que lançou em 2010 o album Lustre, apresenta-se a solo ao piano, enquanto o líder dos dEUS vem a Portugal como DJ. Quanto aos seus dEUS, estarão no Porto e em Lisboa em breve, para promover o seu ultimo album, Keep You Close, de 2011. A 3 de Fevereiro, os belgas tocam no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, e a 4 na Aula Magna, em Lisboa.

A noite de hoje fica completa com um set de Pedro Ramos (Radar), que é também programador da noite.

Harcourt e Barman vêm para a primeira noite Black Balloon. O Lux recebe também uma noite curada por Caribou a 20 de Janeiro e um concerto de Nicolas Jaar a 23.

KING CRIMSON- album para ouvir antes de morrer

Album para ouvir antes de morrer:King Crimson In The Court Of The Crimson King (1969).

JÁ PASSOU UMA ETERNIDADE........FOI NO ANO DE 1982 EM QUE ESTIVE PRESENTE NUMA NOITE MEMORAVEL- ESTADIO DO RESTELO,LISBOA(ainda não havia o habito e a moda dos concertos nos estádios de futebol) A ASSISTIR AOS CONCERTOS DOS ROXY MUSIC E DOS KING CRIMSON. INESQUECIVEL.

O primeiro concerto em estádio, foi o dos Police com Rui Veloso na 1ª parte, no estádio do Restelo (foi uma confusão "deu" porrada de "meia-noite", com a policia de choque a cavalo e a pé).

João Paulo Feliciano

O trabalho de João Paulo Feliciano,(Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Linguísticos de Português e Inglês),Universidade Clássica de Lisboa, 1985)apresentado hoje no Porto, que graças à realidade aumentada coloca várias pinturas nas paredes da Casa de Serralves, provocou uma série de manifestações indignadas nas redes sociais.

A ilusão era para ser presencial: aponta-se o telefone ou o tablete para a casa que o Conde de Vizela mandou construir, que hoje é a sede da Fundação de Serralves, e sobre as paredes cor-de-rosa começam a aparecer dizeres tão absurdos como "vende-se" com o respetivo número de telefone, "kalinka" ou uns coloridos "cash" e "muda de vida".

Mas imagem da simulação da exposição que reproduzia estes dizeres acabou por transpirar para as redes sociais e foi num instante até crescerem os comentários, condenando os "vândalos" que haviam feito estas "pichagens" num imóvel classificado de "interesse público". Mesmo quando a discussão se atenuou, seguiu-se uma outra sobre o que eram os "grafittis" e a sua validade enquanto obra de arte.

"A imagem acabou por ser muito mais realista do que a experiência de estar com o tablete lá fora a apontar para a casa, porque nessa altura as pessoas já sabem a história toda", afirmou o artista João Paulo Feliciano que se mostrou "absolutamente espantado pela quantidade de comentários" nas redes sociais.

"As pessoas não se dão sequer ao trabalho de ver aquilo para que estão a olhar", afirmou, considerando que a discussão acabou por se tornar "num bónus" em relação ao projeto apresentado na quarta-feira.

O projeto designado "Walls to the people" foi possível graças a uma parceria entre a Fundação de Serralves e a Samsung, uma empresa fabricante de telefones e de material informático, que disponibilizou a tecnologia para que João Paulo Feliciano pudesse trabalhar.


Apesar do culto que haviam gerado há mais de uma década, os Sonic Youth só chegaram a Portugal, para um concerto na Praça de Touros do Campo Pequeno, em 1993.O concerto foi gravado em vídeo por José Pinheiro (realizador do programa de televisão Pop Off) e foi projectado no dia 4 de Novembro,no Pequeno Auditório da Culturgest, em Lisboa, integrado na exposição The Possibility of Everything de João Paulo Feliciano.

Moore actuou com uma T-shirt dos Lulu Blind, teceu comentários Money Land Records e toda a banda se prestou a uma conversa com João Paulo Feliciano (Tina & the Top Ten), Mário Feliciano (Red Beans), Rafael Toral e Jorge Ferraz (Santa Maria, Gasolina em Teu Ventre!).

Mais abriram as portas do palco a um colectivo nacional intitulado We Want Electricity, que não era mais do que os Tina & the Top Ten reforçados por Rafael Toral.

Na noite memorável, tocaram ainda os Lulu Blind de Tó Trips mas ali o que interessava mesmo era o primeiro grande ajuntamento da juventude sónica portuguesa

MONTY PYTHON - regressam com filme de ficção cientifica

A maioria dos membros sobreviventes dos Monty Python Circus vão reunir-se para um novo filme, "Absolutly Anything", que será realizado por Terry Jones, informou a revista Variety.

A lendária equipa de comédia que empurraram até aos limites os seus filmes brilhantemente imaginativos e o trabalho na TV durante a década de setenta retornam com Terry Jones a dirigir um filme de ficção científica.

Um cão falante chamado Dennis, será a voz da Sra. Doubtfire, dobrado pelo actor Robin Williams

Terry Jones, John Cleese, Terry Gilliam e Michael Palin vão voltar a actuar juntos, faltando confirmar a participação de Eric Idle no projecto. Dos seis elementos dos Monty Python, falta Graham Chapman, que morreu em 1989.

Em declarações à Variety, Terry Jones explicou que "Absolutly Anything" não será «um filme Monty Python», mas é inevitável que tenha o toque de humor do grupo, com os cinco actores a darem a voz a extraterrestres que têm o poder humano de não fazer absolutamente nada.

A última vez que os cinco actores, icones da comédia apareceram juntos, foi em 1998 no Aspen Comedy Festival.

Terry Jones e Terry Gilliam realizaram o filme "Monty Python e o Santo Graal" (1974) Terry Gilliam director em Life Of Brian (1979) e The Meaning of Life (1983).

Os Monty Python protagonizaram uma série de humor de sucesso na televisão britânica em finais dos anos 1960. O êxito do grupo ultrapassou largamente o espaço do pequeno ecrã e tornou-se num fenómeno que chegou ao cinema, ao teatro e à literatura.

Foi anunciado que Cleese, Gilliam, Palin e Jones seriam a voz de um filme animado em 3D baseado nas memórias do falecido Graham Chapman, o sexto Pyton, que morreu em 1989.
No entanto, Idle não esteve envolvido no filme, que é esperado para ser lançado ainda este ano.

21/01/2012

NOISE POP FESTIVAL 20º , 2012

The Noise Pop Festival is San Francisco, é um dos favoritos da indie music, artes e cinema. Agora no seu 20ºano, o Noise Pop, tornou a exposição precoce de muitos artistas emergentes da Bay Area, e muitos dos quais passaram a aclamação generalizada.

Alguns notáveis ​​que têm passado pelo Noise Pop incluem White Stripes, Modest Mouse, The Flaming Lips, Death Cab for Cutie, The Shins, Bright Eyes, Best Coast, Jeff Tweedy, The Dodos, Girls, Antony and The Johnsons.

O festival também contou com lendas da música, como Yoko Ono e The Plastic Ono Band, Bob Mould, Yo La Tengo Yo, X, Frank Black (Pixies), Sleater-Kinney e Televison.

Além disso, o festival apresenta uma série de filmes que explora a intersecção entre música e arte; Pop-n-Shop, uma feira de designers locais, Culture Club, um workshop interativo explorando a cultura DIY; Art Gallery Shows, Happy Hours e muito mais

20/01/2012

THE DOORS

The Doors 'L.A. Woman', foi reeditado com música inédita após 40 anos.
O disco lançado em 1971 foi o último com participação do vocalista Jim Morrison.

The Doors apresentará aos fãs no dia 24 de janeiro uma reedição especial do álbum 'L.A. Woman' (1971), o último com participação de Jim Morrison, a qual ainda contará com uma inédita canção da banda, lançada após quatro décadas de vazio.

Intitulada 'She Smells So Nice', a faixa já poderá ser conferida pelos fãs nesta segunda-feira, na página oficial da banda no Facebook. Segundo a gravadora Warner Music, a música, 'de espírito blues' e gravada com a formação original, foi registrada durante a gravação de 'L.A. Woman' e descoberta mais tarde por Bruce Botnick, o técnico de som do grupo.

Além da música inédita, o relançamento também apresentará novas versões das faixas originais, como 'L.A. Woman', 'Riders On The Storm' e 'Love Her Madly', e mais o DVD 'Mr. Mojo Risin: The Story of L.A. Woman', um documentário que retrata os bastidores do clássico disco.

Criada em 1965, em Los Angeles, a mítica banda americana, considerada uma das mais clássicas da história do rock, acabou por se separar em 1973, dois anos depois da morte do líder Jim Morrison.

Já 'L.A. Woman', o disco homenageado, é o segundo disco mais vendido do grupo, ficando atrás apenas do álbum de estreia,'The Doors', de 1967

Walter Lippman citação

Quando todos pensam igual é porque ninguém está pensando. (Walter Lippman)

DAVID BYRNE

Já pensaram por alguma vez comprar uma dessas bicicletas eléctricas para deixar mais o carro em casa, fugir dos engarrafamentos, ser um bocadinho mais ecológico e, por que não, ver se o exercício entra de vez na ordem do meu dia.

Quando veem uma vizinha entrar e sair do prédio a bordo da sua bicicleta, ou uma bike elétrica, a Ecobike, não sentem uma ponta de inveja "positiva". Viajar pela cidade sobre duas rodas tem o seu charme, ainda mais quando o clima é verão…Adoro bicicleta, já se tornou num hobby para muito tempo.


Diários de Bicicleta, de David Byrne

Escrito ao longo dos anos, cheio de reflexões, divagações, impressões, memórias e devaneios de David Byrne, Diários de bicicleta segue o fluxo de pensamentos que andam soltos enquanto pedalamos. Quem costuma andar de bicicleta entende o que estou dizendo.

Músico dos Talking Heads, designer, escritor, multi-tarefas, o criativo Byrne começou a pedalar mais assiduamente nos anos 80 e as bicicletas dobráveis caíram como uma luva na rotina agitada do músico profissional, que a cada hora está num lugar diferente levado por turnés. Com as duas rodas na mala, nunca teve problemas em montar na sua bicicleta e sair pedalando em qualquer lugar do mundo, tendo ou não ciclovia para andar pela rua.

As páginas são pensamentos que surgem de acordo com a paisagem à frente, com boas pitadas de reflexões políticas e acerca da capacidade humana de erguer e destruir coisas belas – sejam elas edifícios, florestas ou sistemas de governo.

Os capítulos são divididos por lugares que Byrne passou, e atento quando está em Berlim, pensa na América Latina, quando está em Nova Orleans, lembra-se de Salvador, num passeio em Buenos Aires faz referência a Londres, em Istambul recorda Manila…

Uma militância no que ele escreve e pensa, a favor de cidades mais amáveis e afeitas aos homens que aos carros. As duas rodas movidas unicamente pelo esforço humano são capazes de realizar pequenos milagres ao conduzi-lo de um lado a outro. E isso não tem nada de místico.

O fato de superar obstáculos, sentir o vento, vencer o cansaço, descobrir outros lugares, movimentar-se sem provocar barulho, estar no mundo em movimento com toda a liberdade e fragilidade comum à condição humana, pode levar o ciclista a um estágio quase de meditação e a uma consciência política e social impressionantes.

Os relatos de Byrne mostram isso e quem costuma pedalar com frequência sabe do que ele fala. O livro tem uma bicicletinha que se move no rodapé à medida que avançamos nas páginas dá uma mostra das subtilezas embutidas no volume.

Para arrematar, Byrne inclui umas dicas no fim do livro, sobre comportamento de ciclista, manutenção de bicicletas, segurança no trânsito. Embora abomine o capacete (eu não tenho... ainda), reconhece que é importante, especialmente em lugares onde ciclistas e motoristas ainda não têm uma convivência pacífica, como em países como a Holanda.

THURSTON MOORE

Persistem as dúvidas em relação à continuidade dos Sonic Youth por causa da recente separação de Kim Gordon e Thurston Moore.

Mas o guitarrista lançou o seu último disco, Demolished Thoughts, 2011, Matador Records.

Thurston Moore vem mostrar o que vale a solo e ao vivo em Portugal no mês de Março.

No dia 11, Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, e no dia seguinte em Lisboa,- não tem sitio marcado ainda.

JANIS JOPLIN

Janis Joplin teria 69 anos hoje. Jim Morrison teria apenas soprado 68 velas, e Jimi Hendrix faria 70 em Novembro.

Em 4 de Outubro de 1970, ainda abalado pela morte prematura de Jimi Hendrix no mês anterior, o mundo do rock teve de encarar outra perda absurda. Naquele dia, há mais de 40 anos, morria Janis Joplin.

Mesmo assim, a cantora ainda é lembrada como um dos maiores símbolos do rock mundial.

Nesta quarta-feira, 18-1-2012, Janis faria 69 anos.

Vítima de uma overdose possivelmente acidental, a cantora americana tinha apenas 27 anos, mesma idade de Hendrix. Embora ainda muito nova, a texana deixou um dos mais importantes legados da história do rock.

A garota tímida tornou-se fã do blues ainda menina, fascinada por cantoras como Bessie Smith. Aos poucos, foi-se apaixonando pelo rock´n´roll, e a mistura desses dois gêneros musicais e também de soul e country marcaram a sua trajetória.

Em 1966, entrou na banda californiana Big Brother & The Holding Company, que a levou ao estrelado no segundo álbum, o histórico Cheap Thrills (1968), do qual faz parte a sua arrasadora releitura de Summertime e também a explosiva Ball And Chain.

Graças a uma performance simplesmente eletrizante no festival de Monterey, nos Estados Unidos, Janis rapidamente se transformou na sensação no cenário do rock.

A sua potente voz, as fortes influências da música negra, a marcante presença em palco tornaram-na num dos grandes ícones da geração hippie. Em 1969, Janis saiu dos Big Brother, lançando I Got Dem' Ol' Kosmic Blues Again Mama.

Se em termos artísticos a intérprete se mostrou revolucionária, aliando isso o seu visual cigano imitado por muitos fãs, a vida pessoal de Janis sempre foi complicada, com direito a romances conturbados, excessivo consumo de drogas e uma insegurança constante.

Em 1970, estava finalizando as gravações de um novo álbum quando foi encontrada morta. Ironicamente,só precisava de colocar a voz na última canção para terminar o álbum. Com o sugestivo título: Buried Alive In The Blues.

Lançado no ano seguinte, Pearl (pérola, um dos seus apelidos) logo se mostrou uma verdadeira obra-prima, atingindo o primeiro lugar nas paradas de todo o mundo graças a faixas excepcionais como Move Over, Cry Baby, A Woman Get Lonely e Me And Bobby McGee.

Janis Joplin influenciou e influencia gerações de cantoras, entre as quais Stevie Nicks, Joss Stone, Amy Winehouse, e tantas outras. Os seus discos continuam em catálogo, conquistando novos fãs a cada dia.

Artistas que deixaram a musica precocemente aos 27 anos.

Janis Joplin (19/1/1943 - 4/10/1970)

A eterna rainha do blues rock tinha temperamento bem difícil. Cantava muito! A sua voz vinha do fundo da alma.

Amy Winehouse (14/9/1983— 23/7/2011)

Encontrada morta no seu apartamento no bairro de Camden, em Londres, Amy Winehouse passou a fazer parte do clube dos mortos aos 27 anos.

Jim Morrison (8/12/1943 - 3/7/1971)

Um dos grandes poetas do rock e totalmente imprevisível: era capaz de fazer shows maravilhosos ou horríveis, conforme o seu humor. Era considerado o grande símbolo sexual do rock, nos anos 60, o que o irritava. Vítima de overdose acidental.

Jimi Hendrix (27/11/1942 - 18/9/1970)

Ainda hoje considerado o maior guitarrista da história do rock, gravou discos espetaculares, como Axis Bold As Love (1967) e Electric Ladyland (1968). No palco, até pôs fogo na guitarra, de verdade! Usava drogas e bebia como se não houvesse amanhã. Morreu sufocado no próprio vômito, após uma mistura de comprimidos e bebidas alcoólicas.

Brian Jones (28/2/1942 - 3/7/1969)

O guitarrista criou e deu o nome a uma banda lendária, The Rolling Stones. O grande músico acabou mergulhando nas drogas e sendo mandado embora do próprio grupo por Mick Jagger. Foi encontrado morto afogado na sua piscina, afogado, apenas um dia depois de ser demitido. Tem gente até hoje acha que foi assassinado. Jones foi o primeiro rocker famoso a morrer com 27 anos.

Kurt Cobain (20/2/1967 - 5/4/1994)

O maior mito do rock nos anos 90. Cantor, compositor, guitarrista e líder dos Nirvana. Não soube lidar com o sucesso, o seu fim foi trágico: estourou os miolos na sua própria casa.

Richey Street (22/12/1967 - 14/2/1995)

Era o letrista e guitarrista dos Manic Street Preachers, banda inglesa da década de 90. Intelectual e doido chegou a usar uma camisola com a frase “kill yourself”. Um dia antes da banda viajar para os Estados Unidos, simplesmente desapareceu. Nunca mais foi encontrado.

Robert Johnson (8/5/1911 - 16/8/1938)

O cantor, compositor americano considerado o avô do rock and roll. Reza a lenda oficialmente, que foi vítima de envenenamento. Ídolo de Eric Clapton e de inúmeros famosos.

Alan "Blind Owl" Wilson (4/7/1943 - 3/9/1970)

Os Cannet Heat foram uma das principais bandas de blues rock americanas dos anos 60, e Alan era o guitarrista. Future Blues (1968), o melhor disco do grupo, teve grande participação de Alan. Foi encontrado morto pelos colegas de banda, vítima da mistura de duas garrafas de gin com comprimidos.

Kristen Pfaff (26/5/1967 - 16/6/1994)

Kristen Pfaff tocou baixo com as Hole, banda de Courtney Love, a mulher de Kurt Cobain. Entrou no grupo e participou do seu disco mais vendido, Life Through This (1994). dizem as más linguas que teria tido um caso com Kurt. Trágica coincidência, Kristen foi encontrada morta, vítima de overdose, e também aos 27 anos de idade, dois meses depois de Cobain.

Gary Thain (15/5/1948-8/12/1975)

O baixista inglês é até hoje considerado um dos melhores do heavy metal, integrante dos Uriah Heep, participou em Demons And Wizards (1972). Em Setembro de 1974, foi eletrocutado em palco. Conseguiu sair vivo, mas a sua vida nunca mais foi a mesma. Foi demitido dos Uriah Heep e, deprimido, morreu de overdose.

Ron "Pigpen" Mckernan (8/9/1945-8/3/1973)

McKernan era teclista dos Grateful Dead, uma das bandas mais conhecidas da geração hippie. Ele era quem mais aparecia nos shows, pois sabia prender a atenção do público. Infelizmente, também bebia como se não houvesse amanhã, e morreu vítima de uma hemorragia gastro-intestinal.

Pete Ham (27/4/1947-24/4/1975)

Cantor, compositor e guitarrista do grupo inglês Badfinger, influenciado pelos Beatles, lançou trabalhos como Straight Up (1971) e Wish You Were Here (1975). Roubado pelo empresário, ficou desesperado e em situação financeira lamentável. Acabou por se suicidar.

Chris Bell (12/1/1951-27/12/1978)

Cantor, compositor e guitarrista americano, outro que aproveitou bem as influências dos Beatles, ao lado do cantor, compositor Alex Chilton, integrou os Big Star. Influenciaram muitos grupos de rock, como os R.E.M. e Oasis. A falta de sucesso comercial rendeu-lhe forte depressão. Morreu vítima de um acidente de carro.

Pete de Freitas (2/8/1961-14/6/1989)

Pete de Freitas foi considerado um dos melhores bateristas do rock dos anos 80, e tocava com os Echo & The Bunnymen. Participou em discos, Ocean Rain (1984) e Echo & The Bunnymen (1987). Morreu de acidente de moto.

Cabeça, mãos e pés humanos descobertos ao pé do letreiro de Hollywood

Mais um argumento que pode virar filme. Depois de na terça-feira ter sido encontrada uma cabeça humana junto às emblemáticas letras que formam a palavra Hollywood, em Los Angeles, foram agora encontrados no mesmo local duas mãos e dois pés.


As autoridades indicaram que precisarão de levar a cabo alguns testes para confirmar se os restos humanos pertencem todos à mesma pessoa.

Na terça-feira, duas pessoas que passeava alguns cães descobriram uma cabeça humana embrulhada num saco plástico.

O “Los Angeles Times” avança que a cabeça pertence a um homem na casa dos 40 anos e, pelas condições em que se apresentava, não teria sido depositada no local há muito tempo.

O comandante de polícia Andrew Smith disse à Associated Press que o homem poderia ter sido morto noutro local, um ou dois dias antes do achado macabro naquela emblemática zona californiana conhecida por Hollywood Hills.

Os investigadores deverão em breve divulgar um retrato-robô da vítima, a fim de que esta possa ser identificada.

19/01/2012

THE CURE EM PORTUGAL 2012

Os The Cure são a mais recente confirmação para o cartaz do festival Optimus Alive que se realiza nos dias 13, 14 e 15 de Julho, no Passeio Marítimo de Algés em Oeiras. A banda de Robert Smith actuará no dia 14.

A formação britânica goza de assinalável culto em Portugal desde os anos 80 e regressa a Portugal depois de ter protagonizado um concerto bastante convincente em 2008 no Pavilhão Atlântico, em Lisboa. Antes disso, os The Cure actuaram inúmeras vezes por cá.

A organização do Optimus Alive refere que os The Cure - Robert Smith (voz e guitarra), Simon Gallup (baixo), Jason Cooper (bateria) e Roger O'Donnell (teclado) - vão tocar um alinhamento que ultrapassa as duas horas e onde vão estar incluídas músicas de todos os 14 álbuns de estúdio.

A banda de "Faith" junta-se a um cartaz composto por nomes como Radiohead, The Stone Roses, Mazzy Star, Snow Patrol, Justice, Florence + The Machine, Caribou e Metromony. Outros artistas serão anunciados brevemente.

EDGAR ALLAN POE

A 19 de Janeiro de 1809, nasce, em Boston, o escritor norte-americano Edgar Allan Poe. É considerado um dos precursores da literatura de ficção científica e fantástica dos tempos modernos. Entre as suas novelas mais conhecidas destacam-se The Murders in the Rue Morgue (Os Crimes da Rua Morgue) e The Purloined Letter (A Carta Roubada). É, ainda, autor de O Corvo e de outros poemas.

A 19 de Janeiro de 1923, nasce, na Póvoa de Atalaia (Fundão), o escritor português Eugénio de Andrade.

GROOVESHARK FECHADO NA ALEMANHA

O site de streaming Grooveshark encerrou suas actividades na Alemanha. Muito usado na Europa — ele concorre directamente com o Spotify –, o Grooveshark viu sua popularidade crescer ao mesmo tempo em que as gravadoras ficavam incomodadas.

O Grooveshark alega que saiu da Alemanha por não conseguir arcar com os custos.

Mas pode estar na verdade enfrentando mais problemas relacionados a direitos autorais. Pressionado pela GEMA, organização que representa a entidade de direitos autorais na Alemanha, o Grooveshark teria optado por suspender suas actividades na Alemanha — os custos para operar lá ficariam altos demais.

A organização já conseguiu vitórias sobre o Google — a empresa foi obrigada a pagar uma comissão por vídeos exibidos no YouTube.

Não é a primeira vez que o Grooveshark enfrenta problemas sobre direitos autorais. A Universal Music Group processou o serviço de streaming, acusado de transmitir músicas ilegamente. O grupo pede US$ 150 mil de indenização para cada infração.

Se condenado, o Grooveshark poderá ser obrigado a fechar. A multa inviabilizaria o funcionamento do site –no total, eles teriam de pagar US$ 15 bilhões.

MAGAUPLOAD FECHA

Quem nunca sacou só uma musicazinha levante o dedinho!!! eu gostava do Megaupload - um dos melhores, digo eu...

O Megaupload fechou e os trabalhadores daquele que era um dos maiores sítios de partilha de ficheiros estão a ser indiciados.

A notícia está a ser avançada pelo canal norte-americano de notícias ABC News, que não cita qualquer fonte.

Procuradores federais da Virginia, EUA, dizem que fecharam o site e que acusaram o fundador de violar as leis anti-pirataria, noticia o New York Times.

O despacho de pronúncia acusa a companhia de custar mais de 500 milhões de dólares (cerca de 380 milhões de euros) aos detentores de direito de autores. Em causa, filmes e outro material.

A acusação diz, a certo ponto, que o Megaupload chegou a ser o 13º site mais popular do Mundo. A empresa defende-se das acusações, sustentando que actua sempre com diligência quando confrontada com denúncias de pirataria.

O Megaupload tem como CEO o produtor de hip hop Swizz Beats, que tem no currículo trabalhos para Beyoncé e Alicia Keys. Ele se defendeu das acusações dizendo que sempre acata pedidos de remoção de material ilegal.

O site se envolveu há pouco tempo numa disputa judicial com a gravadora Universal ao usar seus artistas num vídeo promocional. A Universal pediu que o YouTube tirasse o vídeo do ar ao constatar nele a presença de nomes do seu elenco. O MegaUpload retaliou processando a gravadora. Alegou que tinha contratos individuais com os artistas legalmente válidos.

A ação acontece no dia seguinte a uma onda de manifestações online contra a Sopa e a Pipa, propostas de lei antipirataria que tramitam no Congresso americano.

TODOS CONTRA A LEI ANTI -PIRATARIA SOOPA / PIPA

Um apagão contra a lei anti-pirataria.

Players da indústria de entretenimento, incluindo Trent Reznor, Amanda Palmer e OK Go têm escrito e publicado uma carta aberta a Washington expressando suas preocupações sobre SOPA / PIPA, as contas pendentes do Congresso que daria ao governo e a capacidade de desligar os endereços da Web que contenham direitos autorais infracções ás empresas. A carta - que também tem as assinaturas do produtor Hank Shocklee, o comediante Aziz Ansari, o autor Neil Gaiman, o cineasta Lloyd Kaufman - foi publicado no Stop the Wall, um site criado pela Engine, um grupo de advocacia para empresas de tecnologia de pequeno porte.

Embora as contas estão sendo apresentados no Congresso como um meio para proteger os direitos criativos dos artistas, músicos como Peter Gabriel e MC Hammer também juntaram as suas vozes ao protesto de toda a Internet.

Peter Gabriel, foi um dos primeiros artistas a declarar solidariedade com os adversários da SOPA / PIPA, apagou o seu site pessoal, deixando uma mensagem que diz: "Este ano vai ser um ano muito crucial para o destino dos direitos digitais e liberdades na Internet.

Mesmo as editoras de artistas independentes se manifestaram, e um mandado publicado pela indie label o grupo de advocacia A2IM (Associação Americana de Música Independente) indicaram o seu apoio de intenção ás contas "(se não mesmo ás contas próprias). Radiohead postou um Anti-PIPA na parte superior do seu site, enquanto o duo indie Wye Oak direccionou petições para os seus fãs. Artistas de Hip-hop e da electrónica de todo o mapa também se opuseram.

Rapper MC Hammer foi colocando posts de mensagens anti-SOPA no Twitter durante todo o dia, bem como, tweeting, "[Este é um] projecto de lei terrível para escritores, vloggers, artistas e músicos! # BlackoutSOPA".

Theophilus London, The Roots, Ahmir "Questlove" Thompson, A-Trak e Benny Benassi, twittaram a sua oposição aos projectos de lei, também.

O fundador da Wikipedia, Jimmy Wales, anunciou na sua conta do Twitter: "Espero que a Wikipedia derreta os sistemas telefónicos em Washington. Digam a toda a gente que conhecerem!"

De acordo com o fundador da Wikipedia, mais de 100 milhões de pessoas serão afectadas pelo corte, com a suspensão do serviço nas outras línguas a ser deixada à escolha das respectivas comunidades.

Google,WordPress, à semelhança de outros serviços, como o Reddit, e a página em inglês da Wikipedia esteve em blackout como protesto contra os dois polémicos projectos de lei anti-pirataria dos Estados Unidos, SOPA e PIPA, que vão ser submetidos a votos no próximo mês.

Mais de 10 mil páginas de internet aderiram hoje ao protesto cibernáutico contra estas propostas, no que os organizadores consideram que é a maior iniciativa deste tipo na história do país.

O protesto, organizado a partir da página www.sopastrike.com e que começou pouco depois da meia noite, conta com a participação de milhares de portáteis e de empresas online, como a Wikipeia, Reddit, Wordpress e Mozilla, segundo os activistas.

A iniciativa, que inclui a desactivação de alguns sítios online durante 24 horas, é um projecto da organização sem fins lucrativos “Fight for the future”, que procura travar o projecto de lei conhecido pela sigla SOPA (Stop online piracy act), na sua versão da Casa dos Representantes e de PIPA (Protect IP Act), na sua versão do Senado, segundo o Expansión.

Ao visitar a página da Wikipedia, por exemplo, o visitante depara-se com uma mensagem em letras brancas contra um fundo negro em que se pode ler: “Imaginem um mundo sem conhecimento gratuito… agora mesmo, o Congresso norte-americano está a preparar uma legislação que pode prejudicar gravemente a internet grátis e aberta”.

A empresa, que produziu a maior enciclopédia cibernética na mundo, e apela para que os cibernautas contactem o seu representante no Congresso para protestar contra a iniciativa.

Tiffiniy Cheng, co-fundadora de “Fight for the future”, disse ontem em comunicado que se trata de uma “luta pela liberdade de expressão” e que tanto a SOPA como a PIPA “ultrapassaram todos os limites”.

15/01/2012

LA EDAD DE ORO - PROGRAMA TV, ESPANHA

Houve um tempo em que a música era importante para a televisão. E não para falar sobre a música como um objecto de consumo, e ou trabalhar para criar programas para estrelas descartáveis​​, mas sim da música como cultura, com todas as suas manifestações.

Naquela época, na década de 80, Paloma Chamorro criou e apresentou "The Golden Age" o melhor programa de música na história da televisão de Espanha.

Durante cerca de dois anos, entre 1983 e 1985, "La Edad de Oro" tinha tudo para se tornar num mito: a modernidade, estrelas de reputação (internacional, como The Smiths e Lou Reed tocaram ao vivo na pequena tela, e não era exactamente simples), controversas (reclamações colectadas de blasfémia) de curta duração, mas intenso.

Os 55 programas tinha tudo num formato que ninguém se atreveu a repetir.

Não era incomum. Todos os dias, após a emissão na TVE 2 (para a época, em UHF), foram montados os debates públicos sobre o que deveria ser tal programa. Uma vez que certos sectores, reagiam mal sobre, as entrevistas com músicos perturbados (com droga, diziam), relatórios sobre as artes (de mau gosto) e as performances musicais.

E a música não estava interessada nas audiências televisivas (no grande público televisivo da época)grande parte do tempo. Na verdade, a maioria das pessoas que tocaram no programa, apesar de serem músicos famosos de grande sucesso da crítica não tinha um êxito maciço.

Mas o jornalista Rafa Cervera explica bem o sucesso de "A Era de Ouro ': para muitas pessoas o programa era um reality show, como Big Brother, mas a besta. Eles colocaram La Edad de Oro para ver, ao invés disso era atirado para a piscina como pode acontecer no Big Brother, alguém monta um numero sacando a façanha, como o fez Stiv Bators, soltando um absurdo.

Como programa não havia nada de especial: era um show ao vivo completo com performances ao vivo e também em público. Na verdade, tinha até momentos chatos,e pretensiosos. Mas, é claro, era lógico dada a sua alegação "artística" ou artie. Paloma Chamorro pensava que estava fazendo historia.

Na lista de orações e pedidos, a Paloma pediram ao chefe dos estudios Prado del Rey para deixar os convidados e artistas fumarem maconha durante o tempo das filmagens. Eles deram permissão, mas, obviamente, apenas verbal. No entanto, Prado del Rey pertence a Pozuelo de Alarcón e de lá que comandava era a Guarda Civil. Se quisessem poderiam entrar no "jogo", embora Paloma fosse muito cuidadosa para não ver qualquer uniforme ou no quadro da câmera.

Então, o programa tinha de tudo: entrevistas com músicos que não respondiam, porque de facto não eram capazes, outros não, porque não queriam, e até mesmo missas negras, e vídeos com(de um segundo)crucifixos na cabeça de porcos.

Que foi o ponto culminante, Palomo Chamorro foi denunciada. A promotoria pediu para se retratar publicamente da suposta blasfémia, contida no vídeo e pagar 33 pesetas (uma por cada ano de vida de Cristo). Foi absolvida em 1998.

DAVID SANBORN + NIGTH MUSIC

David Sanbord vencedor de seis prémios Grammy, por Voyeur (1982), Double Vision (1987) e o single instrumental Close Up (1988, é um dos campeões mundiais do género instrumental com cerca de sete milhões de cópias vendidas. Já acompanhou Albert King, David Bowie, James Brown, James Taylor, Stevie Wonder e os The Eagles, entre outros.

Sofria de poliomielite na juventude, e começou a tocar saxofone devido a um conselho médico para reforçar os músculos enfraquecidos do peito e melhorar a respiração. Sanborn já tocava com os músicos de blues Albert King e Little Milton aos 14, e continuou tocando blues quando ingressou na Paul Butterfield's band em 1967.

Uma das primeiras aparições de Sanborn como convidado foi no álbum de David Bowie chamado Young Americans.

Embora Sanborn está mais associado ao smooth jazz, ele explorou os horizontes do free jazz estudando com Roscoe Mitchell e Julius Hemphill.

Foi um músico altamente requisitado desde final dos anos 1960, tocando com uma série de artistas famosos, como Eric Clapton, Roger Daltrey, Stevie Wonder, Paul Simon, Jaco Pastorius, The Brecker Brothers, David Bowie, Little Feat, Bob James, James Taylor, Al Jarreau, George Benson, Joe Beck, Donny Hathaway, Elton John, Gil Evans, Carly Simon, Linda Ronstadt, Billy Joel, Roger Waters, Steely Dan, Ween, The Eagles, o grupo alemão Nena, e o pop star japonês Utada Hikaru.

Na televisão, Sanborn é conhecido pelo seu sax solo na música-tema para o sucesso da rede NBC L.A. Law.

Em finais dos anos 1980 foi convidado para ser membro regular da banda de Paul Shaffer no programa de entrevistas Late Night with David Letterman. A partir de 1988-89, co-organizou com Jools Holland um programa musical na NBC.

O programa, Night Music, seguindo uma abordagem eclética do produtor Hal Willner, apresentou Sanborn junto a muitos músicos famosos, como Miles Davis, Dizzy Gillespie, The Residents, Lou Reed, Santana, Youssou N'dour, Pere Ubu, Loudon Wainwright III, Mary Margaret O ' Hara e Curtis Mayfield.

Durante os anos 1980 e 1990, Sanborn organizou um programa de rádio o The Jazz Show with David Sanborn.

Em 1994 Sanborn participou do A Celebration: The Music of Pete Townshend and The Who, também conhecido como Daltrey Sings Townshend. O evento, produzido por Roger Daltrey da banda inglesa de rock The Who, consisitia de duas noites de concertos no Carnegie Hall em comemoração do seu quinquagésimo aniversário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails